Cassilândia, Sexta-feira, 09 de Dezembro de 2016

Últimas Notícias

23/04/2004 15:12

Ministério dobrará oferta de remédios para hipertensos

Irene Lôbo / ABr

A partir desse ano, o Ministério da Saúde (MS) vai dobrar a quantidade de medicamentos para hipertensão e diabetes distribuídos nas unidades de saúde. Quem informa é a coordenadora do Programa de Hipertensão Arterial e Diabetes Mellitus do Ministério da Saúde (MS), Rosa Sampaio.

A falta de medicamentos é uma das principais reclamações da Sociedade Brasileira de Cardiologia (SBC), que fará um protesto na próxima segunda-feira (26), quando será comemorado o Dia Nacional de Combate à Hipertensão.

Na cidade de São Paulo, cardiologistas vão colocar no chão seus medidores de pressão e cruzarão os braços. O diretor-executivo da SBC, Raimundo Marques do Nascimento Neto, afirmou, por nota, que a manifestação será um protesto silencioso contra a falta de um programa governamental para controlar a hipertensão e para regularizar a distribuição de medicamentos contra a doença.

“Sem desmerecer o trabalho com a Aids, o governo federal gastou, em 2002, com a compra de medicamentos para essa doença, US$ 135 milhões, enquanto os gastos com remédios para hipertensão e diabetes foram de US$ 13 milhões”, afirma Raimundo.

A coordenadora do programa de hipertensão e diabetes do MS, Rosa Sampaio, rebate estes números e afirma que, somente no ano passado, o governo gastou mais de R$ 300 milhões em medicamentos para as duas doenças. Destes, cerca de R$ 47 milhões foram destinados ao programa de hipertensão. “A compra de medicamentos é feita de acordo com o número de pacientes informados pelos municípios que estão sendo acompanhados pela rede pública de saúde”, enfatiza.

Em 2001, o Ministério da Saúde implantou o Plano de Reorganização da Atenção à Hipertensão Arterial e ao Diabetes Mellitus, com o objetivo de atualizar os profissionais de saúde e garantir o diagnóstico e atendimento dos pacientes nas unidades de saúde.

“Concluímos agora, no mês de março, a capacitação de cerca de três mil profissionais de saúde em todo o país e continuamos a cadastrar os profissionais e pacientes acompanhados pelos SUS. Hoje são quase oito milhões de hipertensos cadastrados no sistema”, afirma Rosa Sampaio.

Em uma pesquisa recente, a SBC constatou que 48,1% das população que tem pressão alta e sabe do problema não fazem qualquer tipo de tratamento, sendo 60% do sexo masculino e 40% do feminino.

A pesquisa foi realizada pelo Instituto Vox Populi durante duas semanas, no mês de fevereiro, com 1.200 pessoas, em 70 cidades do Brasil e concluiu que 23,6% da população têm pressão alta.

São fatores de risco para a hipertensão arterial o excesso de peso/obesidade; o consumo excessivo de sal, açúcar e gordura animal e o baixo consumo de frutas e verduras; o sedentarismo e o tabagismo.

Diabetes – O diabetes mellitus é, junto com a hipertensão arterial, um dos principais fatores de risco para as doenças cardiovasculares, que desde a década de 60 são a principal causa de morte no Brasil.

A doença é caracterizada por altas taxas de açúcar (glicose) no sangue e possui duas formas de manifestação. No diabetes tipo I, mais comum em crianças e jovens adultos, o pâncreas não produz a insulina, substância que regula a quantidade de glicose no sangue. O tratamento é feito com a injeção diária de insulina para equilibrar as taxas de açúcar no sangue.

Já o diabetes tipo II é resultado da insuficiência do pâncreas em produzir insulina ou resistência do organismo em utilizar essa insulina. O tipo II geralmente aparece nas pessoas com mais de 40 anos e o seu controle pode dispensar a aplicação de insulina. Em ambos os tipos da doença é necessário manter uma dieta adequada e praticar exercícios físicos regularmente.

A Organização Mundial de Saúde (OMS) estima que existam mais de 35 milhões de pessoas com diabetes nas Américas, número que poderá chegar a 64 milhões em 2025, segundo estimativas da entidade.

No Brasil, o Ministério da Saúde estima que existam 4,5 milhões de diabéticos, 10% com o tipo I e 90% com o tipo II. “A diabetes causa uma série de problemas se não controlada, se for bem cuidada a pessoa pode viver com a doença por muitos anos”, explica a coordenadora do programa de hipertensão e diabetes do MS, Rosa Sampaio.

Deixar de tratar a diabetes pode custar caro para os seus portadores. A doença é a principal causa de amputações de membros inferiores e de cegueira adquirida. Cerca de 30% dos pacientes que se internam nas unidades coronarianas e 26% dos que ingressam nos programas de diálise do SUS são diabéticas.



Envie seu Comentário
Os comentários feitos no Cassilândia News são moderados. Antes de escrever, observe as regras e seja criterioso ao expressar sua opinião. Não serão publicados comentários nas seguintes situações:

1. Sem o remetente identificado com nome, sobrenome e e-mail válido. Codinomes não serão aceitos.
2. Que não tenham relação clara com o conteúdo noticiado.
3. Que tenham teor calunioso, difamatório, injurioso, racista, de incitação à violência ou a qualquer ilegalidade.
4. Que tenham conteúdo que possa ser interpretado como de caráter preconceituoso ou discriminatório a pessoa ou grupo de pessoas.
5. Que contenham linguagem grosseira, obscena e/ou pornográfica.
6. Que transpareçam cunho comercial ou ainda que sejam pertencentes a correntes de qualquer espécie.
7. Que tenham característica de prática de spam.

O Cassilândia News não se responsabiliza pelos comentários dos internautas e se reserva o direito de, a qualquer tempo, e a seu exclusivo critério, retirar qualquer comentário que possa ser considerado contrário às regras definidas acima.
Restamcaracteres.
 
Últimas notícias
Scroller Top
Sexta, 09 de Dezembro de 2016
Quinta, 08 de Dezembro de 2016
10:00
Receita do dia
09:00
Maternidade
Quarta, 07 de Dezembro de 2016
20:20
Loteria
10:00
Receita do dia
Scroller Bottom

  • Idalus Internet Solutions
  • TOP DataCenter e Internet
  • Disponível na AppStore
  • Disponível no Google Play
Rua Sebastião Leal, 845, CEP: 79.540-000, Cassilândia (MS)