Cassilândia, Segunda-feira, 21 de Agosto de 2017

Últimas Notícias

09/06/2004 08:50

Ministério da Saúde reajusta tabelas do SUS

Agência Saúde

O Ministério da Saúde publicou nesta terça-feira (08/06) portaria reajustando valores da tabela de procedimentos ambulatoriais e hospitalares do Sistema Único de Saúde (SUS). Os reajustes variam de 5% a 136,67%. Com a correção dos valores da tabela, estados e municípios terão um acréscimo de R$ 505.362.930,96 no limite financeiro anual da Assistência Ambulatorial e Hospitalar (média e alta complexidade).

O conjunto de procedimentos sofrerá aumento diferenciado - 155 procedimentos de internação foram reajustados em 37,5% para serviços hospitalares, 10% para serviços profissionais e 10% para serviços de apoio, diagnóstico e terapêutico. Outros 255 procedimentos, já reajustados em 2003, tiveram aumento de 13% para serviços hospitalares.

Os procedimentos de parto, que também tinham sido corrigidos em 2003, voltaram a ser reajustados, em média, em 20%, com índices maiores para o parto normal. Estes reajustes na área de internações de média complexidade acrescerão R$ 224.743.435,00 somente esse ano para a rede hospitalar do SUS.

As diárias de UTI tipo II, destinadas à atenção pediátrica, neonatal e de urgência para adultos, foram reajustadas em 20% com base na produção de 2003.

Os exames de mamografia também foram aumentados em 20%. Os procedimentos de ortopedia foram reajustados em 10%, enquanto os exames de Raio-X e ultra-som foram aumentados em 5%.



Inclusão – O reajuste na área de sangue foi, em média, de 7,4%, privilegiando a inclusão de novos exames laboratoriais e a transfusão sanguínea.

Os exames de biópsia hepática foram reajustados em 136,67%, o que permitirá a melhoria da qualidade do diagnóstico e o controle de várias enfermidades, tais como a hepatite C.

A portaria reajusta exames de patologia clínica que acumulavam maior defasagem. Esse grupo teve um aumento médio de 21%. Inclui, também, um novo exame no SUS, a realização de dosagem de microalbuminúria, essencial no acompanhamento do paciente com Diabetes Mellitus e na doença renal crônica.

O Ministério da Saúde, ainda em 2004, alocará recursos para os tetos financeiros (limite de gastos com saúde financiados pelo Governo Federal) de estados e municípios; mudança no modelo de financiamento dos hospitais universitários e de pequeno porte; custeio do Serviço Ambulatorial Móvel de Urgência (Samu-192); ampliação dos leitos de UTI em todo o país; ampliação de teto para novos serviços de saúde (como hospitais e serviços especializados construídos e equipados com recursos do SUS e que entram em funcionamento este ano); procedimentos cirúrgicos eletivos de média-complexidade, prioridades do Ministério da Saúde para 2004.

Em 2003, o SUS custeou 84.298.081 atendimentos envolvendo os procedimentos reajustados. Desde o ano passado, o Ministério da Saúde vem promovendo aumentos gradativos nos valores pagos para alguns procedimentos realizados pelo SUS (leia a seguir).

O reajuste da tabela de procedimentos ambulatoriais e hospitalares atende prioridades estabelecidas pelo Ministério da Saúde, discutidas com secretários estaduais e municipais e representantes dos prestadores filantrópicos e privados da área hospitalar. A maioria dos procedimentos de média complexidade está sem reajustes desde 1994.



IMPACTO DOS REAJUSTES CONCEDIDOS 2003

Em 2003, o impacto do reajuste dos valores do Piso da Atenção Básica Ampliado (PAB-A) – componente do Piso de Atenção Básica Fixo (PAB) que eleva o valor deste em R$ 2,00 – foi de R$ 138,8 milhões, totalizando um gasto com PAB fixo de R$ 1,9 bi.

Os tetos financeiros estaduais aumentaram em 13,5%. Em 2002, eles totalizavam R$ 16.682.703.082,00. Em 2003, somaram R$ 18.929.566.441,00.

Os valores dos procedimentos hospitalares e ambulatoriais do SUS também foram reajustados. Ao todo, o Ministério da Saúde destinou mais R$ 330,48 milhões por ano (R$ 27,54 milhões por mês) para pagar as novas tabelas.

Na área de internação, o governo aplicou R$ 22,19 milhões mensais para aumentar em 37% as diárias hospitalares, em 10,5% os serviços profissionais e em 10% os serviços auxiliares de diagnose terapêutica.

Em relação aos procedimentos e exames ambulatoriais, os percentuais foram concedidos por grupos, variando de 46% para os anatomopatológicos (análise das alterações estruturais e funcionais de células, tecidos e órgãos) a 20% para as biópsias. O montante destinado mensalmente para garantir esses reajustes foi de R$ 5,35 milhões.



Ampliação – Os valores dos procedimentos de terapia renal substitutiva do SUS receberam R$ 91,7 milhões para corrigir em 10,25% a tabela de hemodiálise no SUS. O Ministério da Saúde também ampliou a oferta de serviços para 1.350 novos pacientes, ampliando a oferta em 55 clínicas de hemodiálise e cadastrando 15 novos serviços.

Mais R$ 422,5 milhões por ano foram destinados para reajustar em 196% os valores das consultas médicas especializadas (cardiologia, ginecologia e ortopedia, por exemplo) nos hospitais públicos do SUS.

O governo federal aumentou em mais de 60% o repasse do Programa Interministerial para os 46 hospitais universitários federais. Ao longo de 2003, foram destinados mais R$ 100 milhões (R$ 50 milhões do Ministério da Saúde e R$ 50 milhões do Ministério da Educação) para modernizar a gestão e promover uma maior inserção dessas unidades no SUS. Além dos recursos transferidos por produção e referentes ao Fideps, que acrescentou mais R$ 583 milhões ao faturamento dos HUs em 2003.

Foram reajustadas também as diárias dos hospitais psiquiátricos. Um hospital classe I com até 120 leitos, por exemplo, teve sua diária reajustada de R$ 35,80 para R$ 37,00. O impacto anual em 2004 é de R$ 44 milhões.

As UTIs tiveram ampliação de 2.057 leitos, com impacto mensal de R$ 7.439.889,04 nos gastos com terapia intensiva (R$ 89.278.668,48/ano).

Os exames diagnósticos para hepatite foram reajustados em 75,5% para a quantificação (acompanhamento do tratamento) e 14,80% para a genotipagem (definição do medicamento a ser utilizado) passando, respectivamente, de R$ 96,00 para R$168,48 (Detecção Quantitativa do RNA do Vírus da Hepatite C) e de R$ 168,48 para R$ 298,48 (Genotipagem do Vírus da Hepatite C). Em setembro já havia sido reajustado os valores da Biópsia Hepática (111,7%) e para a realização de Laudo (50,2%).

Envie seu Comentário
Os comentários feitos no Cassilândia News são moderados. Antes de escrever, observe as regras e seja criterioso ao expressar sua opinião. Não serão publicados comentários nas seguintes situações:

1. Sem o remetente identificado com nome, sobrenome e e-mail válido. Codinomes não serão aceitos.
2. Que não tenham relação clara com o conteúdo noticiado.
3. Que tenham teor calunioso, difamatório, injurioso, racista, de incitação à violência ou a qualquer ilegalidade.
4. Que tenham conteúdo que possa ser interpretado como de caráter preconceituoso ou discriminatório a pessoa ou grupo de pessoas.
5. Que contenham linguagem grosseira, obscena e/ou pornográfica.
6. Que transpareçam cunho comercial ou ainda que sejam pertencentes a correntes de qualquer espécie.
7. Que tenham característica de prática de spam.

O Cassilândia News não se responsabiliza pelos comentários dos internautas e se reserva o direito de, a qualquer tempo, e a seu exclusivo critério, retirar qualquer comentário que possa ser considerado contrário às regras definidas acima.
Restamcaracteres.
 
imagem transparente
Últimas notícias
Scroller Top
Segunda, 21 de Agosto de 2017
Domingo, 20 de Agosto de 2017
10:00
Receita do dia
09:50
Três Lagoas
Sábado, 19 de Agosto de 2017
20:38
Para o fim de semana
Scroller Bottom

  • Idalus Internet Solutions
  • TOP DataCenter e Internet
  • Disponível na AppStore
  • Disponível no Google Play
Rua Sebastião Leal, 845, CEP: 79.540-000, Cassilândia (MS)