Cassilândia, Terça-feira, 06 de Dezembro de 2016

Últimas Notícias

27/08/2006 15:37

Min. da Saúde recebe propostas para controle da malária

Agência Brasil/Irene Lôbo

Dados do Ministério da Saúde indicam que, em 2005, a Amazônia Legal registrou 584 mil casos de malária, cerca de 25% a mais do que em 2004. A doença foi discutida durante toda a semana na Reunião Nacional de Pesquisa em Malária, ocorrida em São Luís, no Maranhão.

Esta semana, um documento com as propostas discutidas no encontro deve ser entregue à Coordenação Nacional do Programa de Controle da Malária do Ministério da Saúde.

Em entrevista exclusiva à Radiobrás, o diretor técnico de gestão da Secretaria de Vigilância em Saúde, Fabiano Pimenta, afirmou que a prioridade do ministério para este ano é garantir a sustentabilidade das ações nos estados e municípios da região amazônica, que concentra quase todos os casos de malária no Brasil.

De acordo com Pimenta, o número de laboratórios que fazem o diagnóstico da malária aumentou de 1.182 no ano de 1999 para 2.909 no ano passado. O diagnóstico da doença também ficou mais próximo do cidadão, com o trabalho dos agentes comunitários de saúde, que só em 2005 realizaram 415 mil exames na região.

O diagnóstico, segundo Pimenta, deve ser feito em até 48 horas após o início dos sintomas, que costumam ser febre, calafrios e suor. Ele alerta para o perigo da automedicação, já que a doença pode ser transmitida por dois tipos de protozoários diferente e cada um tem um tratamento indicado.

“O tratamento para uma espécie e para outra são diferentes. Só tem como o médico saber que tratamento administrar após o exame de uma gotinha de sangue que é coletada e colocada numa lâmina e levada ao microscópio para sabermos qual é essa espécie. A população não pode se automedicar. Aos primeiros sintomas, deve procurar o posto de saúde”.

Segundo Pimenta, os pacientes também devem levar o tratamento até o final, mesmo que os sintomas desapareçam, a fim de evitar que a doença contamine outras pessoas. Outra dica é evitar o contato com os chamados igarapés principalmente no início da manhã e no final da tarde, já que é nesse período que o mosquito transmissor da malária mais aparece.

O Ministério da Saúde repassa para os estados da região amazônica cerca de R$ 140 milhões por ano para as ações de controle da malária.



Envie seu Comentário
Os comentários feitos no Cassilândia News são moderados. Antes de escrever, observe as regras e seja criterioso ao expressar sua opinião. Não serão publicados comentários nas seguintes situações:

1. Sem o remetente identificado com nome, sobrenome e e-mail válido. Codinomes não serão aceitos.
2. Que não tenham relação clara com o conteúdo noticiado.
3. Que tenham teor calunioso, difamatório, injurioso, racista, de incitação à violência ou a qualquer ilegalidade.
4. Que tenham conteúdo que possa ser interpretado como de caráter preconceituoso ou discriminatório a pessoa ou grupo de pessoas.
5. Que contenham linguagem grosseira, obscena e/ou pornográfica.
6. Que transpareçam cunho comercial ou ainda que sejam pertencentes a correntes de qualquer espécie.
7. Que tenham característica de prática de spam.

O Cassilândia News não se responsabiliza pelos comentários dos internautas e se reserva o direito de, a qualquer tempo, e a seu exclusivo critério, retirar qualquer comentário que possa ser considerado contrário às regras definidas acima.
Restamcaracteres.
 
Últimas notícias
Scroller Top
Terça, 06 de Dezembro de 2016
10:00
Receita do Dia
09:00
Maternidade
Segunda, 05 de Dezembro de 2016
21:32
Loteria
13:15
Cassilândia
09:00
Maternidade
Scroller Bottom

  • Idalus Internet Solutions
  • TOP DataCenter e Internet
  • Disponível na AppStore
  • Disponível no Google Play
Rua Sebastião Leal, 845, CEP: 79.540-000, Cassilândia (MS)