Cassilândia, Segunda-feira, 27 de Março de 2017

Últimas Notícias

08/06/2009 15:34

Militares não mais divulgarão sexo de corpos de vítimas

Alex Rodrigues, Agência Brasil

Recife - Depois de terem que corrigir informação divulgada ontem (7), a Aeronáutica e a Marinha decidiram que não mais revelar à imprensa o sexo dos corpos das vítimas do voo 447 da Air France que forem resgatados no mar. Além disso, só será revelado o número de corpos que estiverem a bordo de navios militares brasileiros. O objetivo é evitar a divulgação de informações desencontradas.

Ontem à noite, oficiais das duas Forças revelaram que 17 corpos já haviam sido retiradas do mar e estavam a bordo de duas embarcações: a fragata brasileira Constituição, que voltava a Fernando de Noronha transportando nove corpos, e a fragata francesa Ventôse, que permanecia na área de buscas, a cerca de 1.100 quilômetros de Recife, com mais outros oito corpos a bordo.

O número baixou para 16, com a correção da informação durante entrevista coletiva, hoje (8) de manhã, na sede do Terceiro Centro Integrado de Defesa Aérea e Controle do Tráfego Aéreo (Cindacta III), na capital pernambucana. Segundo o assessor de Comunicação da Marinha, capitão Giucemar Tabosa, a diferença nos números foi ocasionada por um equívoco de comunicação, já que, na verdade, havia sete, e não oito corpos, a bordo da Ventôse. A diferença só foi notada quando as vítimas foram transferidas para a fragata Constituição, a fim de ser levadas o Arquipélago de Fernando de Noronha.

“Todas as vezes que for necessário realizarmos alguma correção, nós o faremos, mas, em decorrência deste acontecimento, e para evitar problemas semelhantes, só notificaremos à imprensa sobre os corpos que estiverem em poder dos navios brasileiros. Da mesma forma, não informaremos mais o sexo dos corpos. Caberá ao Instituto Médico Legal [IML] de Recife fazer isso”, disse o assessor de Comunicação da Aeronáutica, tenente Henry Munhoz.

Munhoz também explicou que as informações divulgados à imprensa durante as duas entrevistas coletivas diárias não são um retrato exato do que se passa no mar no momento em que estão sendo divulgadas. De acordo com o tenente, é sempre possível que outros corpos já tenham sido resgatados no momento das entrevistas.

“Todo o processo é dinâmico, e as informações que apresentamos aqui são contabilizadas poucas horas antes. No momento em que falamos à imprensa, outras coisas podem estar acontecendo e novas modificações surgindo”, ressaltou Munhoz.

Sem novos resgates e depois de comentar que tripulantes de aviões da Força Aérea Brasileira (FAB) teriam avistado o que seriam corpos de passageiros do voo 447 boiando no mar, os oficiais afastaram a hipótese de a Marinha ter perdido os supostos corpos. Segundo o tenente Henry, as aeronaves localizaram e indicaram o local onde vários pontos não identificados boiavam, mas a confirmação de que seriam, ou não, corpos só pode ser feita pelos navios da Marinha, que, conforme reportou a fragata Constituição, “navega em meio a destroços”. De acordo com Giucemar, não há possibilidade de corpos avistados serem abandonados. "Eles constituem uma prioridade de nossos trabalhos de busca,”

Ainda não há prazo para o fim das ações de resgate de corpos e de destroços que ajudem a esclarecer o que aconteceu com o Airbus A-330 da Air France, que decolou do Rio de Janeiro na noite de 31 de maio e desapareceu quando sobrevoava o Oceano Atlântico. Estavam a bordo 228 pessoas, entre passageiros e tripulantes. Catorze aeronaves (12 brasileiras e duas francesas) e seis navios vasculham a área ininterruptamente.

Uma das primeiras embarcações brasileiras a chegar à área onde estão concentradas as buscas, a cerca de 1.100 quilômetros de Recife (ou 850 quilômetros de Fernando de Noronha), o navio patrulha Grajaú teve que ser substituído por outro semelhante, o Guaíba. “Ele precisou regressar à sede, Natal [capital do Rio Grande do Norte], porque necessitava reabastecer-se de alimentos e combustível”, disse Giucemar.

Além disso, nos próximos dias, um submarino francês deve se somar à frota presente no local. E, de acordo com Giucemar, a própria Marinha brasileira não descarta a hipótese de reforçar seu efetivo na área. “Em decorrência da ampliação da área de buscas, a Marinha brasileira está preparada para, se necessário, mobilizar outros meios”, afirmou o capitão.


Envie seu Comentário
Os comentários feitos no Cassilândia News são moderados. Antes de escrever, observe as regras e seja criterioso ao expressar sua opinião. Não serão publicados comentários nas seguintes situações:

1. Sem o remetente identificado com nome, sobrenome e e-mail válido. Codinomes não serão aceitos.
2. Que não tenham relação clara com o conteúdo noticiado.
3. Que tenham teor calunioso, difamatório, injurioso, racista, de incitação à violência ou a qualquer ilegalidade.
4. Que tenham conteúdo que possa ser interpretado como de caráter preconceituoso ou discriminatório a pessoa ou grupo de pessoas.
5. Que contenham linguagem grosseira, obscena e/ou pornográfica.
6. Que transpareçam cunho comercial ou ainda que sejam pertencentes a correntes de qualquer espécie.
7. Que tenham característica de prática de spam.

O Cassilândia News não se responsabiliza pelos comentários dos internautas e se reserva o direito de, a qualquer tempo, e a seu exclusivo critério, retirar qualquer comentário que possa ser considerado contrário às regras definidas acima.
Restamcaracteres.
 
imagem transparente
Últimas notícias
Scroller Top
Segunda, 27 de Março de 2017
Domingo, 26 de Março de 2017
10:00
Receita do dia
Scroller Bottom

  • Idalus Internet Solutions
  • TOP DataCenter e Internet
  • Disponível na AppStore
  • Disponível no Google Play
Rua Sebastião Leal, 845, CEP: 79.540-000, Cassilândia (MS)