Cassilândia, Segunda-feira, 05 de Dezembro de 2016

Últimas Notícias

15/02/2007 18:00

Militares do Caso DOF condenados pela 3ª vez

Maristela Brunetto/Campo Grande News

Depois de dois julgamentos anulados, os militares do chamado Caso DOF (Departamento de Operações de Fronteira) foram novamente condenados pela acusação de facilitar a ação de arrastadores que levavam caminhonetes roubadas ao Paraguai e Bolívia. Entre os sentenciados está o coronel Sebastião Otímio Garcia, então comandante do grupo.

A pena imputada a ele é de 12 anos e cinco meses de reclusão. O juiz da Auditoria Militar, Alexandre Antunes, determinou que os dez condenados sigam o cumprimento da pena do ponto em que pararam quando a segunda condenação foi anulada pelo STJ (Superior Tribunal de Justiça), em abril do ano passado. Praticamente todos, como era o caso de Garcia, já tinham progredido para o regime semi-aberto.

Também foi condenado o tenente-coronel Marmo Marcelino Vieira de Arruda, então subcomandante e major. Ele pegou 16 anos e seis meses. Diante da situação do militar, o Ministério Público já vinha contestando a promoção dele a tenente-coronel.

Manoel João de Figueiredo, Paulo Siqueira Barbosa, Carlos Alberto de Souza e Carlos Alberto dos Santos Batistote pegaram 13 anos e cinco meses cada; Amarildo Garcia Hernandes teve condenação de 11 anos e seis meses; e Juvêncio Alves de Carvalho, Oziel Marques da Silva e Pedro Crizologo Santana pegaram cada um nove anos e sete meses.

Na sentença, datada do dia 6 e publicada nesta quinta-feira no Diário da Justiça, o magistrado aponta que repetiu o parâmetro da condenação anterior, que foi anulada porque entre os militares integrantes do conselho de sentença havia um com menos tempo de serviço que o coronel condenado. O juiz determina que os que não progrediram no cumprimento deverão permanecer em regime fechado enquanto recorrem, “vez que os crimes praticados são gravíssimos”. Ele prossegue, na sentença, apontando que “a extensão do dano foi imensurável para a imagem da Polícia Militar de Mato Grosso do Sul”.

A prisão, continua o juiz, “homenageia a garantia da ordem pública” e é uma garantia diante do risco de que “soltos os réus poderão tentar delas se furtar”.

A primeira condenação foi anulada porque o processo tramitou na justiça comum em vez de ser na Auditoria Militar. O caso veio à tona em 2000, quando foram presos integrantes de uma quadrilha de arrastadores e delataram policiais. Entre as acusações estava a de seqüestro de integrante por policiais em troca de pagamento de quantia.

Envie seu Comentário
Os comentários feitos no Cassilândia News são moderados. Antes de escrever, observe as regras e seja criterioso ao expressar sua opinião. Não serão publicados comentários nas seguintes situações:

1. Sem o remetente identificado com nome, sobrenome e e-mail válido. Codinomes não serão aceitos.
2. Que não tenham relação clara com o conteúdo noticiado.
3. Que tenham teor calunioso, difamatório, injurioso, racista, de incitação à violência ou a qualquer ilegalidade.
4. Que tenham conteúdo que possa ser interpretado como de caráter preconceituoso ou discriminatório a pessoa ou grupo de pessoas.
5. Que contenham linguagem grosseira, obscena e/ou pornográfica.
6. Que transpareçam cunho comercial ou ainda que sejam pertencentes a correntes de qualquer espécie.
7. Que tenham característica de prática de spam.

O Cassilândia News não se responsabiliza pelos comentários dos internautas e se reserva o direito de, a qualquer tempo, e a seu exclusivo critério, retirar qualquer comentário que possa ser considerado contrário às regras definidas acima.
Restamcaracteres.
 
Últimas notícias
Scroller Top
Segunda, 05 de Dezembro de 2016
13:15
Cassilândia
09:00
Maternidade
Domingo, 04 de Dezembro de 2016
Scroller Bottom

  • Idalus Internet Solutions
  • TOP DataCenter e Internet
  • Disponível na AppStore
  • Disponível no Google Play
Rua Sebastião Leal, 845, CEP: 79.540-000, Cassilândia (MS)