Cassilândia, Domingo, 04 de Dezembro de 2016

Últimas Notícias

16/12/2009 12:41

Mercadinho em farmácia fica proibido a partir de 2010

Aline dos Santos, Campo Grande News

Produtos como chocolate, chinelo, carvão e refrigerante devem ficar distantes de farmácias e drogarias a partir de 17 de fevereiro de 2010.

Hoje, representantes do setor estiveram reunidos com membros da Anvisa (Agência Nacional de Vigilância Sanitária), para saber detalhes sobre como será a implementação da norma que pretende acabar com a prática que ocorre em grande escala na Capital.

Depois de fevereiro, entra em vigor a resolução 44 da Anvisa, publicada em agosto, que determina que as farmácias só poderão vender medicamentos, perfumaria, produtos de higiene pessoal e alimentos relacionados à defesa e proteção da saúde.

“Hoje, em todo o Brasil, as farmácias já não têm nenhuma diferença do mercadinho”, enfatizou a farmacêutica da Anvisa, Simone Ribas, durante a palestra realizada hoje na CDL (Câmara de Dirigentes Lojistas).

“A farmácia é um estabelecimento de saúde. E a Anvisa estabeleceu o que pode ser vendido e desta vez a regra é bem clara”, salienta a coordenadora de Vigilância Sanitária da Sesau (Secretaria Municipal de Saúde), Cleise da Silva.

De acordo com a coordenadora, a antiga regra para o setor data de 1973, em que era permitida a venda de medicamentos e correlatos. Ela explica que a definição sobre correlatos não era clara, dando margens para a venda de uma série de produtos. Em Mato Grosso do Sul, já foi verificada a venda de bebidas alcoólicas e cigarros em farmácias.

A fiscalização será feita pela Vigilância Sanitária. As punições vão de advertência à interdição do estabelecimento. “Primeiro vamos orientar. Depois, os produtos irregulares serão apreendidos”, afirma Cleise da Silva.

Contudo, as farmácias podem acionar a Justiça para tentar manter a venda dos produtos. “As grandes redes devem ingressar com pedidos de liminar”, acredita a coordenadora. Segundo o representante do Sinprofarms (Sindicato dos Proprietários das Farmácias), Sebastião Paulino Borges, o setor só vai se posicionar sobre a resolução da Anvisa amanhã, após reunião.

Ponta do lápis – Para Simone Ribas, a grande ameaça para o consumidor ao encontrar biscoitos recheados e remédios em uma mesma gôndola de farmácia é a banalização dos medicamentos.

Usando dados da Associação Brasileira de Farmácias, que reúne grandes redes, ela diz que o faturamento referente a 2008 mostra que 74% no lucro do setor vem dos medicamentos.

De 4,3 bilhões vendidos, R$ 3,2 bilhões são com o comércio de remédios e R$ 1,1 bilhão referente a outros produtos.

A diferença, na interpretação dela, mostra que os produtos alheios à saúde “não fazem falta” no orçamento das farmácias, mas admite que funcionam como marketing para atrair o consumidor.

Pressão- Ronaldo Abraão, presidente do Conselho Regional de Farmácia de Mato Grosso do Sul, lembra que a norma também regulamenta serviços como aferição de pressão, inalação e injeções.

Os funcionários das farmácias estão proibidos de fazer esses procedimentos porque até agora eram considerados prática ilegal da Medicina.

Com a nova regra, os serviços serão autorizados. Segundo ele, a diferença é que, a partir de fevereiro, a farmácia terá de entregar um documento após fazer esses procedimentos, como registro de segurança ao cliente.

O original terá de ser guardado por cinco anos.

Outro ponto é que as farmácias 24h terão de ter farmacêutico, pelo menos, por 16h e nas demais por 8h

Hoje, segundo o Conselho, 30% dos estabelecimento ainda funcionam sem farmacêutico responsável em Campo Grande.

Envie seu Comentário
Os comentários feitos no Cassilândia News são moderados. Antes de escrever, observe as regras e seja criterioso ao expressar sua opinião. Não serão publicados comentários nas seguintes situações:

1. Sem o remetente identificado com nome, sobrenome e e-mail válido. Codinomes não serão aceitos.
2. Que não tenham relação clara com o conteúdo noticiado.
3. Que tenham teor calunioso, difamatório, injurioso, racista, de incitação à violência ou a qualquer ilegalidade.
4. Que tenham conteúdo que possa ser interpretado como de caráter preconceituoso ou discriminatório a pessoa ou grupo de pessoas.
5. Que contenham linguagem grosseira, obscena e/ou pornográfica.
6. Que transpareçam cunho comercial ou ainda que sejam pertencentes a correntes de qualquer espécie.
7. Que tenham característica de prática de spam.

O Cassilândia News não se responsabiliza pelos comentários dos internautas e se reserva o direito de, a qualquer tempo, e a seu exclusivo critério, retirar qualquer comentário que possa ser considerado contrário às regras definidas acima.
Restamcaracteres.
 
Últimas notícias
Scroller Top
Domingo, 04 de Dezembro de 2016
09:00
Maternidade
Sábado, 03 de Dezembro de 2016
10:00
Receita do Dia
06:50
Loterias
Sexta, 02 de Dezembro de 2016
Scroller Bottom

  • Idalus Internet Solutions
  • TOP DataCenter e Internet
  • Disponível na AppStore
  • Disponível no Google Play
Rua Sebastião Leal, 845, CEP: 79.540-000, Cassilândia (MS)