Cassilândia, Quinta-feira, 14 de Dezembro de 2017

Últimas Notícias

18/04/2005 15:50

Menor preço da carne no açougue pode ser a solução

Acrissul

Uma solução apontada para o problema da baixa remuneração dos pecuaristas na cadeia produtiva da carne, onde a acusação é de que a indústria e os supermercados estariam ficando com a maior parte do bolo, foi apresentada por pecuarista campograndense. Trata-se de uma proposta simples, muito embora para dar resultado seja necessária uma boa dose de vontade de todos os elos da cadeia, de forma a alterar o funcionamento atual do mercado.

A proposta seria de reduzir, assim como foi reduzido o preço da arroba do boi para o produtor, o preço da carne nos açougues e supermercados, de forma que pudesse haver um crescimento no consumo pela população. E em havendo uma significativa alta no consumo de carne, o mercado exigiria mais produto e com o aquecimento do mercado todos os segmentos da cadeia ganhariam.

Audiência pública

O assunto do mercado da carne, e mais especificamente a reclamação dos produtores quanto a baixa remeneração que vem sendo paga pelos frigoríficos pelo boi gordo, foi tema de uma audiência pública na Assembléia Legislativa do Estado na segunda-feira, dia 11 último.

E um ponto importante em destaque nos debates foi o fato de que não se restringe aos frigoríficos a composição dos preços pagos pelo boi, e inclusive uma pesquisa foi apresentada para comprovar esse fato.

Estiveram presentes, frente a frente, representantes de entidades do agronegócio e diretores de três frigoríficos que trabalham com o mercado externo. A proposta foi de ampliar as discussões sobre a distribuição dos lucros da pecuária de corte e foi de autoria dos deputados Paulo Corrêa e Waldir Neves, respectivos presidentes das comissões de Agricultura, Pecuária e Desenvolvimento Agrário e do Meio Ambiente.

Pelas entidades de classe estavam presentes dirigentes da Famasul, Leôncio Brito; da Acrissul, Laucídio Coelho Neto; do Sindicato Rural de Campo Grande, Rodolfo Vaz de Carvalho, dos professores da UFMS, Ido Michels, e da Universidade de Brasília, Argemiro Procópio; e dos frigoríficos Bertin, Fernando Bertin; Independência, Miguel Graziano Russo Neto, e Friboi, José Batista Júnior.

Pontos principais

O excesso de oferta de carne no mercado, a informalidade tributária de 90% no setor e a alta tributação sobre a produção, o veto nos principais mercados internacionais, o controle do mercado de insumos pelas empresas transnacionais e o domínio do mercado interno da carne pelos grandes supermercadistas. Estas, no geral, seriam as dificuldades da cadeia da carne. Pelo menos foram esses os pontos elencados e debatidos durante a audiência pública.

Durante o debate, representantes das indústrias garantiram que os frigoríficos não tiveram, em momento algum, intuito de prejudicar os produtores e, pelo contrário, disseram que sempre estão buscando ampliar os mercados consumidores dos produtos brasileiros e desenvolver maior tecnologia nos processos industriais. “O maior problema é que vivemos numa constante pressão. De um lado, os pecuaristas que querem melhores preços, de outro, os consumidores, principalmente internacionais, que querem pagar cada vez menos”, disse o presidente do Friboi, José Antônio Batista Júnior, ao lembrar que o preço da arroba continua em R$ 52 graças à ampliação do mercado externo. Ele comentou ainda que o setor trabalha para ampliar ainda mais o mercado visando, principalmente, o bloco formado pelos Estados Unidos, Canadá e México (Nafta), Japão e Coréia do Sul.

Fonte: Jornal Correio do Estado

Envie seu Comentário
Os comentários feitos no Cassilândia News são moderados. Antes de escrever, observe as regras e seja criterioso ao expressar sua opinião. Não serão publicados comentários nas seguintes situações:

1. Sem o remetente identificado com nome, sobrenome e e-mail válido. Codinomes não serão aceitos.
2. Que não tenham relação clara com o conteúdo noticiado.
3. Que tenham teor calunioso, difamatório, injurioso, racista, de incitação à violência ou a qualquer ilegalidade.
4. Que tenham conteúdo que possa ser interpretado como de caráter preconceituoso ou discriminatório a pessoa ou grupo de pessoas.
5. Que contenham linguagem grosseira, obscena e/ou pornográfica.
6. Que transpareçam cunho comercial ou ainda que sejam pertencentes a correntes de qualquer espécie.
7. Que tenham característica de prática de spam.

O Cassilândia News não se responsabiliza pelos comentários dos internautas e se reserva o direito de, a qualquer tempo, e a seu exclusivo critério, retirar qualquer comentário que possa ser considerado contrário às regras definidas acima.
Restamcaracteres.
 
imagem transparente
Últimas notícias
Scroller Top
Quinta, 14 de Dezembro de 2017
Quarta, 13 de Dezembro de 2017
10:00
Receita do dia
Terça, 12 de Dezembro de 2017
20:48
Loteria
Segunda, 11 de Dezembro de 2017
20:42
Loteria
Scroller Bottom

  • Idalus Internet Solutions
  • TOP DataCenter e Internet
  • Disponível na AppStore
  • Disponível no Google Play
Rua Sebastião Leal, 845, CEP: 79.540-000, Cassilândia (MS)