Cassilândia, Domingo, 27 de Maio de 2018

Últimas Notícias

23/09/2014 07:45

Menino de 7 anos apanha na saída da escola e diz para a mãe que 'bateu em árvore

Bruna Girotto
Menino de 7 anos apanha na saída da escola e diz para a mãe que 'bateu em árvore

Um garoto, de 7 anos de idade, ficou com o rosto ferido na manhã desta segunda-feira (22), depois de ser agredido na saída da escola, localizada no Parque do Lageado, região sul da Capital. Segundo a mãe do menino, ele ficou com medo do agressor e mentiu, dizendo que tinha se machucado sozinho.

A mãe do aluno afirmou ao Midiamax que o filho chegou em casa por volta das 11 horas, com o rosto lesionado e sangrando muito. Ela perguntou o que ocorreu e ele disse que tinha batido em uma árvore. “O colega que mora na frente de casa e volta junto com meu filho disse que, na verdade, ele tinha apanhado de outro menino e que estava com medo de me contar”, disse a mãe.

Depois de conversar com o filho, a criança confirmou a agressão e disse que o colega de classe, de 9 anos de idade, o agrediu na saída da escola. “Eu conversei com ele, disse que ele tem que me contar quando uma coisa dessas acontece e que isso não está certo, não pode acontecer”, disse a mãe, indignada.

A mulher disse que procurou a escola e que eles a apoiaram em todo o momento e que conversariam com os pais do agressor. O menino, de 7 anos, ainda disse para a mãe que sempre sofre provocações por parte do colega nos intervalos das aulas e que tinha medo de contar para a mãe, pois era ameaçado. “Penso até em trocar meu filho da escola, porque fico com medo dessa situação”, afirma a mulher.

Outro lado

A Semed (Secretaria Municipal de Educação), por meio da assessoria da Prefeitura de Campo Grande, se pronunciou a respeito do caso. De acordo com a secretaria, a mãe do menino agredido foi atendida pela escola e orientada para as medidas que deveriam ser tomadas.

A mãe do garoto agressor foi chamada para ir até a escola e foi ouvida pela direção. A agressão foi confirmada e a mãe disse que vai procurar um psicólogo para fazer acompanhamento do filho. Ela disse que a criança passou por um abalo emocional na família em 2013, mas não informou do que se trata.

Caso de polícia

Segundo a delegada titular da Deaij (Delegacia Especializada de Atendimento à Infância e Juventude), Rozeman Geise Rodrigues de Paula, a criança só é responsabilizada criminalmente, com medidas socioeducativas, a partir dos 12 anos.

Mesmo assim, caso a mãe queira, ela pode procurar a delegacia. “Se a lesão causada na criança for muito grave, a mãe pode registrar o boletim de ocorrência para requisitar o exame de corpo de delito”, diz a delegada. No entanto, como o agressor tem menos de 12 anos, o caso deve ser analisado junto ao Conselho Tutelar.

Acompanhamento

A primeira atitude, assim como a tomada pela mãe da criança agredida, é procurar a escola. Caso o colégio não se posicione, a ouvidoria da Semed pode ser acionada, já que há o risco, em alguns casos, de que o caso não chegue até a secretaria por meio da escola.

Segundo o conselheiro e psicólogo Adriano Ferreira, o Conselho Tutelar deve ser acionado se não houver iniciativa por parte da escola de resolver a situação. “Podemos chamar os pais, a criança e, se necessário, dar uma advertência, conversar com esse aluno e até mesmo acionar o Ministério Público, dependendo do caso”, diz.

Ainda de acordo com o conselheiro, há necessidade de conversar com o agressor. “Por trás de uma criança que agride, pode haver outro agressor. Um pai, um familiar, por isso é importante saber realmente o que acontece”, afirma Adriano.

No caso do menino de 7 anos, a mãe disse que foi orientada a retornar na escola na manhã de terça-feira (23), para conversar com a direção do colégio sobre o assunto e como o caso será resolvido.

Envie seu Comentário
Os comentários feitos no Cassilândia News são moderados. Antes de escrever, observe as regras e seja criterioso ao expressar sua opinião. Não serão publicados comentários nas seguintes situações:

1. Sem o remetente identificado com nome, sobrenome e e-mail válido. Codinomes não serão aceitos.
2. Que não tenham relação clara com o conteúdo noticiado.
3. Que tenham teor calunioso, difamatório, injurioso, racista, de incitação à violência ou a qualquer ilegalidade.
4. Que tenham conteúdo que possa ser interpretado como de caráter preconceituoso ou discriminatório a pessoa ou grupo de pessoas.
5. Que contenham linguagem grosseira, obscena e/ou pornográfica.
6. Que transpareçam cunho comercial ou ainda que sejam pertencentes a correntes de qualquer espécie.
7. Que tenham característica de prática de spam.

O Cassilândia News não se responsabiliza pelos comentários dos internautas e se reserva o direito de, a qualquer tempo, e a seu exclusivo critério, retirar qualquer comentário que possa ser considerado contrário às regras definidas acima.
Restamcaracteres.
 
imagem transparente
Últimas notícias
Scroller Top
Domingo, 27 de Maio de 2018
Sábado, 26 de Maio de 2018
14:57
Cassilândia
Scroller Bottom

  • Idalus Internet Solutions
  • TOP DataCenter e Internet
  • Disponível na AppStore
  • Disponível no Google Play
Rua Sebastião Leal, 845, CEP: 79.540-000, Cassilândia (MS)