Cassilândia, Segunda-feira, 05 de Dezembro de 2016

Últimas Notícias

13/09/2006 16:03

Médicos: suspensão preventiva do registro profissional

Thaís Brianezi/ABr

A suspensão temporária do registro profissional do médico que é alvo de processo ético foi o principal tema de hoje (13) no 2º. Encontro Nacional dos Conselhos de Medicina. A chamada interdição cautelar passou a ser prerrogativa dos conselhos regionais de medicina a partir do último dia 16 de maio, quando foi publicada no Diário Oficial da União a Resolução 1.789, do Conselho Federal de Medicina (CFM).


“O processo ético regular de cassação do registro profissional demora de três a cinco anos para ser concluído”, explicou o corregedor do CFM, o cardiologista Roberto d'Ávila. “A interdição cautelar é a suspensão preventiva da atividade médica, para que o profissional não continue provocando danos à sociedade”.

D´Ávila revelou que, nesses quase quatro meses, a interdição cautelar já foi aplicada em 12 casos: cinco em São Paulo, dois no Amapá, um no Ceará, um no Mato Grosso do Sul, um no Paraná, um no Rio Grande do Sul e um na Baia e Espírito Santo (o profissional tinha registro nos dois estados). As denúncias mais comuns que pesam contra esses médicos são de cirurgias de redução de estômago e de procedimentos estéticos mal sucedidos, excesso de receitas de psicotrópicos, esterilizações com fins eleitorais e uso enganoso de novas tecnologias de eficácia não comprovada.

“A gente suspendeu o registro de um oftmalogista acusado de cegar os pacientes, após operação. Foram cerca de 40 denúncias contra o mesmo médico”, disse o presidente do Conselho Regional de Medicina do Ceará, Ivan de Araújo Moura Fé. “Ele entrou com uma ação na Justiça e conseguiu uma liminar para voltar a trabalhar. Mas nós recorremos e a liminar caiu”.

O corregedor do CFM explicou que a interdição cautelar não aparece na Lei 3.268, de 1957, que atribuiu aos conselhos de medicina o papel de julgadores e disciplinadores da classe médica. “Por isso, alguns juízes concedem liminares aos acusados, por entender que os conselhos estão extrapolando sua função, ao aplicar a suspensão temporária do registro”, acrescentou d'Ávila.

Ele ressaltou que, desde 1992, tramita no Congresso Nacional um projeto de lei que altera as atribuições dos conselhos de medicina. Entre outras coisas, o projeto explicita o mecanismo da interdição cautelar.

A interdição cautelar é válida por apenas seis meses, período no qual se espera que o processo ético contra o médico seja concluído em caráter emergencial. Para que a suspensão seja aplicada, a resolução estabelece a necessidade de “prova inequívoca do procedimento danoso do médico e verossimilhança da acusação com os fatos constatados” ou “fundado receio de dano irreparável ou de difícil reparação, caso o profissional continue a exercer a medicina”.

“Antes da publicação da resolução, o único caso de interdição cautelar havia sido o do pediatra Eugênio Chipkevitch, acusado de pedofilia [gravações revelaram que ele sedava e abusava sexualmente de seus pacientes, em São Paulo]", lembrou d'Ávila. Neste caso, disse o médico, não houve muita polêmica, porque o acusado já estava inclusive preso.

O Brasil tem hoje cerca de 310 mil médicos ativos. “Nos últimos cinco anos, a média anual de cassação de registros profissionais foi de 18 casos”, informou o corregedor. “É um número que eu considero alto”.

O 2º. Encontro Nacional dos Conselhos de Medicina de 2006 tem 353 inscritos, entre médicos e estudantes de medicina. As atividades vão até sexta-feira (15), com debates e cursos de atualização profissional.


Envie seu Comentário
Os comentários feitos no Cassilândia News são moderados. Antes de escrever, observe as regras e seja criterioso ao expressar sua opinião. Não serão publicados comentários nas seguintes situações:

1. Sem o remetente identificado com nome, sobrenome e e-mail válido. Codinomes não serão aceitos.
2. Que não tenham relação clara com o conteúdo noticiado.
3. Que tenham teor calunioso, difamatório, injurioso, racista, de incitação à violência ou a qualquer ilegalidade.
4. Que tenham conteúdo que possa ser interpretado como de caráter preconceituoso ou discriminatório a pessoa ou grupo de pessoas.
5. Que contenham linguagem grosseira, obscena e/ou pornográfica.
6. Que transpareçam cunho comercial ou ainda que sejam pertencentes a correntes de qualquer espécie.
7. Que tenham característica de prática de spam.

O Cassilândia News não se responsabiliza pelos comentários dos internautas e se reserva o direito de, a qualquer tempo, e a seu exclusivo critério, retirar qualquer comentário que possa ser considerado contrário às regras definidas acima.
Restamcaracteres.
 
Últimas notícias
Scroller Top
Segunda, 05 de Dezembro de 2016
Domingo, 04 de Dezembro de 2016
09:00
Maternidade
Sábado, 03 de Dezembro de 2016
Scroller Bottom

  • Idalus Internet Solutions
  • TOP DataCenter e Internet
  • Disponível na AppStore
  • Disponível no Google Play
Rua Sebastião Leal, 845, CEP: 79.540-000, Cassilândia (MS)