Cassilândia, Domingo, 11 de Dezembro de 2016

Últimas Notícias

21/10/2007 16:51

Médicos realizam manifestação por melhores salários

Alana Gandra/ABr

Rio de Janeiro - O Conselho Regional de Medicina do Estado do Rio de Janeiro (Cremerj) realizou hoje (21) na orla de Ipanema, zona sul da capital fluminense, manifestação por melhores condições de trabalho e reajuste salarial para os médicos da rede pública de saúde.

A presidente do Cremerj, Márcia Rosa de Araújo, disse à Agência Brasil que a categoria levará as reivindicações às autoridades municipais, ao governador Sérgio Cabral Filho e também ao presidente da República, Luiz Inácio Lula da Silva.

“Estamos vivendo uma situação crítica porque os últimos concursados estão sendo chamados para ganhar R$ 1.300 em plantões de emergência e plantões em Centros de Tratamento Intensivo (CTIs). E aqueles que estão contratados temporários ainda não receberam os salários de abril e maio. Então, nós temos a seguinte situação: os que são jovens não estão entrando porque não aceitam mais esse tipo de salário. E os que estão lá dentro [da rede pública] estão saindo”, informou Araújo.

Segundo revelou a presidente do Cremerj, não há médicos suficientes para fazer o pré-natal na zona oeste, para atender nos postos de saúde, nem para o Programa Saúde da Família. O que acontece é a superlotação das emergências e até das CTIs, “que são questões muito mais caras do que se fazer a prevenção das doenças”, analisou.

O clima de insatisfação é generalizado em todo o país, assegurou a presidente do Cremerj. Ela afirmou que os médicos fluminenses da rede pública de saúde, nos três níveis de governo, pleiteiam um salário inicial equiparado ao de um policial rodoviário de nível médio, que atinge cerca de R$ 5 mil mensais.Ela recordou que, em 1984, o salário inicial de um médico alcançava US$ 3 mil, o que corresponderia hoje a cerca de R$ 6 mil.

Araújo informou que um médico aposentado do estado, com 35 anos de profissão, tem um vencimento básico de R$ 1.620. “Daqui a pouco, o médico vai ter que pedir Bolsa Família”, criticou.


Dos 50 mil médicos ativos filiados ao Conselho no Rio de Janeiro, 71% trabalham na rede pública de saúde, que engloba hospitais municipais, estaduais e federais.

Além da falta de profissionais, a presidente do conselho afirmou que a população enfrenta escassez de medicamentos e de equipamentos. A situação é agravada, segundo explicou, pelo aumento da violência, da incidência de balas perdidas e dos confrontos entre bandidos e policiais.


“Onde é que tem cirurgião vascular para atender isso?”, indagou. E acrescentou que um cirurgião especializado, que leva de cinco a sete anos para fazer uma residência, não pode ganhar R$ 1.300 para trabalhar a 70 quilômetros da capital do estado. “Isso é irreal”, sentenciou.

Se o trabalho não for estimulado, a presidente do Cremerj avaliou que “é melhor então abrir mão do Sistema Único de Saúde (SUS) e dizer que não tem [médico]. Também não tem aparelho de ultrasom, não tem aparelho de pressão, não tem médico para fazer as coisas que são básicas”, concluiu.

No próximo domingo (28), o Cremerj pretende fazer nova passeata em Niterói, em frente à reitoria da Universidade Federal Fluminense (UFF).



Envie seu Comentário
Os comentários feitos no Cassilândia News são moderados. Antes de escrever, observe as regras e seja criterioso ao expressar sua opinião. Não serão publicados comentários nas seguintes situações:

1. Sem o remetente identificado com nome, sobrenome e e-mail válido. Codinomes não serão aceitos.
2. Que não tenham relação clara com o conteúdo noticiado.
3. Que tenham teor calunioso, difamatório, injurioso, racista, de incitação à violência ou a qualquer ilegalidade.
4. Que tenham conteúdo que possa ser interpretado como de caráter preconceituoso ou discriminatório a pessoa ou grupo de pessoas.
5. Que contenham linguagem grosseira, obscena e/ou pornográfica.
6. Que transpareçam cunho comercial ou ainda que sejam pertencentes a correntes de qualquer espécie.
7. Que tenham característica de prática de spam.

O Cassilândia News não se responsabiliza pelos comentários dos internautas e se reserva o direito de, a qualquer tempo, e a seu exclusivo critério, retirar qualquer comentário que possa ser considerado contrário às regras definidas acima.
Restamcaracteres.
 
Últimas notícias
Scroller Top
Sábado, 10 de Dezembro de 2016
10:00
Receita do dia
Sexta, 09 de Dezembro de 2016
Scroller Bottom

  • Idalus Internet Solutions
  • TOP DataCenter e Internet
  • Disponível na AppStore
  • Disponível no Google Play
Rua Sebastião Leal, 845, CEP: 79.540-000, Cassilândia (MS)