Cassilândia, Sábado, 10 de Dezembro de 2016

Últimas Notícias

01/11/2009 10:57

MEC quer adotar modelo de vestibular da Fuvest no Enem

G1

O ministro da Educação, Fernando Haddad, disse em entrevista publicada neste domingo (1º) pelo jornal “O Estado de S. Paulo” que pretende dotar o Ministério da Educação (MEC) de uma entidade própria e capacitada para realizar o Exame Nacional do Ensino Médio (Enem) todos os anos. “Será a Fuvest do MEC”, afirmou, se referindo à fundação responsável por organizar o vestibular da Universidade de São Paulo (USP).

Haddad disse que não seria necessária a criação de uma entidade, pois, segundo ele, o Centro de Seleção e de Promoção de Eventos da Universidade de Brasília (Cespe/UnB) seria o parceiro ideal para a aplicação do Enem. “Já conversei com o reitor [da UnB]. O Cespe é um parceiro antigo do MEC. Ele precisa se preparar para assumir os exames. Assim como o maior vestibular do país tem a Fuvest, o Enem teria sua entidade”, afirmou.

O novo Enem, que servirá como método de ingresso em dezenas de universidades do país, seria realizado no começo de outubro. No entanto, acabou adiado para os dias 5 e 6 de dezembro, após a constatação de uma tentativa de fraude. O contrato para a realização do exame acabou rescindido e o Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais (Inep) firmou novo convênio com o consórcio formado pela Fub/Cespe e Cesgranrio.

Na entrevista ao jornal, Haddad destacou que seu objetivo ao defender uma entidade própria para realizar o Enem a longo prazo é o de eliminar a necessidade de licitações e tornar o processo mais seguro. “Se nós mantivermos o modelo, temo que as pessoas possam desconfiar da segurança da prova”, disse.

Motivação política

Questionado se acredita que houve motivação política para o furto do exame, o ministro evitou especulações, mas disse ter opinião semelhante à do presidente Luiz Inácio Lula da Silva. “Eu, como o presidente Lula, consideramos estranho uma pessoa que quisesse fazer dinheiro com a prova procurar a imprensa, seria a última decisão a tomar. É muito estranho.”

Haddad observou que não avisou a Lula sobre o vazamento da prova. Segundo ele, “o presidente leu [a notícia] no jornal”. O ministro também lamentou não ter insistido para alterar as normas de contratação da empresa responsável pela aplicação do Enem.

Ele ainda elogiou a imprensa por ter levado o caso do vazamento do exame à tona, fato que motivou o cancelamento das provas. “A prova não foi realizada, isso é importante dizer, graças ao bom jornalismo que temos no Brasil.”

Envie seu Comentário
Os comentários feitos no Cassilândia News são moderados. Antes de escrever, observe as regras e seja criterioso ao expressar sua opinião. Não serão publicados comentários nas seguintes situações:

1. Sem o remetente identificado com nome, sobrenome e e-mail válido. Codinomes não serão aceitos.
2. Que não tenham relação clara com o conteúdo noticiado.
3. Que tenham teor calunioso, difamatório, injurioso, racista, de incitação à violência ou a qualquer ilegalidade.
4. Que tenham conteúdo que possa ser interpretado como de caráter preconceituoso ou discriminatório a pessoa ou grupo de pessoas.
5. Que contenham linguagem grosseira, obscena e/ou pornográfica.
6. Que transpareçam cunho comercial ou ainda que sejam pertencentes a correntes de qualquer espécie.
7. Que tenham característica de prática de spam.

O Cassilândia News não se responsabiliza pelos comentários dos internautas e se reserva o direito de, a qualquer tempo, e a seu exclusivo critério, retirar qualquer comentário que possa ser considerado contrário às regras definidas acima.
Restamcaracteres.
 
Últimas notícias
Scroller Top
Sábado, 10 de Dezembro de 2016
10:00
Receita do dia
Sexta, 09 de Dezembro de 2016
Quinta, 08 de Dezembro de 2016
Scroller Bottom

  • Idalus Internet Solutions
  • TOP DataCenter e Internet
  • Disponível na AppStore
  • Disponível no Google Play
Rua Sebastião Leal, 845, CEP: 79.540-000, Cassilândia (MS)