Cassilândia, Sábado, 03 de Dezembro de 2016

Últimas Notícias

03/09/2004 09:03

MEC debate ensino superior

Agência Brasil

Formar um profissional que tenha uma visão ampla da sociedade e possa atuar tanto em situações do campo, quanto da cidade.
Essa foi uma das sugestões feitas pelos representantes de movimentos sociais ligados à educação no campo, durante o seminário “A Educação do Campo contribuindo na Reforma do Ensino Superior”, realizado ontem pelo Ministério da Educação (MEC).

“É importante que qualquer que seja a profissão ou a carreira, que o profissional tenha uma visão abrangente da territorialidade brasileira. Não só da questão urbana”, ressaltou o professor Ronaldo Motta, secretário-executivo do Conselho Nacional de Educação.

Representante de grupos como Movimento dos Pequenos Agricultores (MPA), Movimentos dos Atingidos por Barragens (MAB), Movimento dos Trabalhadores Sem-Terra (MST), Confederação Nacional dos Trabalhadores da Agricultura (Contag), Conferência Nacional dos Bispos do Brasil (CNBB) e Via Campesina, entre outros, foram reunidos pelo MEC para apresentar as principais diretrizes da Reforma Universitária e recolher sugestões e experiências para contribuir na elaboração do projeto de lei da reforma, que deverá ser enviado ao Congresso Nacional até o final do ano. “Cada um desses movimentos tem um conjunto de anseios e expectativas e de experiências que precisam ser incorporadas em qualquer tratamento da questão educacional”, disse ele.

O professor, membro do grupo executivo responsável pela proposta da reforma, ressaltou que a questão do campo contém especificidades que requerem um tratamento próprio. Segundo ele, mais que ser atendidos, os movimentos trouxeram ao MEC experiências bem sucedidas, que podem ser implantadas em projetos do governo. “Eles trazem um conjunto de experiências que qualificam a proposta da reforma, mesmo quando não se trata, exclusivamente, da questão do campo”, explicou Motta.

Ele destaca que a formação de professores precisa ser voltada para um perfil de profissional que saiba integrar as várias áreas do conhecimento e não apenas distribuir um conhecimento fragmentado aos alunos. Como um médico que pode ter obtido as melhores notas e ter se formado numa faculdade da cidade, mas não consegue entender as necessidades especiais da população do campo, ou vice-versa. “Ele certamente vai ser um profissional formado com uma limitação muito grande de entender uma diversidade e um poder social que ele desconhece”, finalizou.

Envie seu Comentário
Os comentários feitos no Cassilândia News são moderados. Antes de escrever, observe as regras e seja criterioso ao expressar sua opinião. Não serão publicados comentários nas seguintes situações:

1. Sem o remetente identificado com nome, sobrenome e e-mail válido. Codinomes não serão aceitos.
2. Que não tenham relação clara com o conteúdo noticiado.
3. Que tenham teor calunioso, difamatório, injurioso, racista, de incitação à violência ou a qualquer ilegalidade.
4. Que tenham conteúdo que possa ser interpretado como de caráter preconceituoso ou discriminatório a pessoa ou grupo de pessoas.
5. Que contenham linguagem grosseira, obscena e/ou pornográfica.
6. Que transpareçam cunho comercial ou ainda que sejam pertencentes a correntes de qualquer espécie.
7. Que tenham característica de prática de spam.

O Cassilândia News não se responsabiliza pelos comentários dos internautas e se reserva o direito de, a qualquer tempo, e a seu exclusivo critério, retirar qualquer comentário que possa ser considerado contrário às regras definidas acima.
Restamcaracteres.
 
Últimas notícias
Scroller Top
Sábado, 03 de Dezembro de 2016
06:50
Loterias
Sexta, 02 de Dezembro de 2016
10:00
Receita do Dia
Quinta, 01 de Dezembro de 2016
Scroller Bottom

  • Idalus Internet Solutions
  • TOP DataCenter e Internet
  • Disponível na AppStore
  • Disponível no Google Play
Rua Sebastião Leal, 845, CEP: 79.540-000, Cassilândia (MS)