Cassilândia, Sábado, 10 de Dezembro de 2016

Últimas Notícias

05/04/2004 16:16

MCT nega dificuldade de acesso a instalações nucleares

Milena Galdino-Nádia Faggiani/ABr

O Ministério de Ciência e Tecnologia nega que o Brasil esteja dificultando o acesso de inspetores de armas nucleares à instalação brasileira de enriquecimento de urânio de Resende, no Rio de Janeiro. "É inaceitável qualquer especulação que ponha em dúvida as intenções pacíficas do projeto nuclear brasileiro", disse o ministro Eduardo Campos, por meio de sua assessoria.

O MCT confirmou a visita de fiscais internacionais à Indústria Nuclear Brasileira (INB), em fevereiro e março deste ano. Segundo o ministério, em toda a instalação, os inspetores não tiveram acesso apenas à centrífuga que produz o urânio enriquecido. É uma forma de "proteger" a tecnologia empregada no equipamento, segundo o governo.

Reportagem do jornal The Washington Post , na edição de domingo, afirma que os técnicos da Agência Internacional de Energia Atômica (AIEA), responsável pela fiscalização do cumprimento de acordos internacionais no setor, não conseguem visualizar todas as máquinas colocadas na usina por causa de uma tela de proteção que as esconde.

O ministério garante que o País está em negociação com a AIEA para a utilização de outros métodos de fiscalização quando a planta industrial de Resende entrar em funcionamento em caráter experimental, em outubro.

Uma das propostas do governo brasileiro para resolver o impasse é a inspeção na entrada e na saída do urânio. "A própria Constituição determina a utilização da energia nuclear apenas para fins pacíficos. O Brasil é signatário de tratados de não-proliferação de armas nucleares e sempre condenou o terrorismo", afirmou ainda o ministro, por meio de sua assessoria.

De acordo com a matéria do Post, assinada pelo repórter Peter Slevin, os especialistas em programas de não-proliferação de armas nucleares afirmam que, se os Estados Unidos e as Nações Unidas não insistirem no acesso ao programa brasileiro, isso comprometerá o esforço da Casa Branca em visitar as instalações de produção do urânio enriquecido da Coréia do Norte e do Irã.

Um ex-negociador do programa nuclear dos Estados Unidos, James Goodby, advertiu, no The Washington Post, que regras valem para adversários tanto quanto para amigos. “Se não queremos urânio enriquecido na Coréia e no Irã, também não queremos no Brasil”, justificou.

Segundo o jornal, causa incômodo a afirmação do presidente Luiz Inácio Lula da Silva, ainda durante sua campanha eleitoral, de que o Tratado de Não-proliferação de Armas é injusto, apesar de o país garantir que não produzirá armamentos nucleares.

Envie seu Comentário
Os comentários feitos no Cassilândia News são moderados. Antes de escrever, observe as regras e seja criterioso ao expressar sua opinião. Não serão publicados comentários nas seguintes situações:

1. Sem o remetente identificado com nome, sobrenome e e-mail válido. Codinomes não serão aceitos.
2. Que não tenham relação clara com o conteúdo noticiado.
3. Que tenham teor calunioso, difamatório, injurioso, racista, de incitação à violência ou a qualquer ilegalidade.
4. Que tenham conteúdo que possa ser interpretado como de caráter preconceituoso ou discriminatório a pessoa ou grupo de pessoas.
5. Que contenham linguagem grosseira, obscena e/ou pornográfica.
6. Que transpareçam cunho comercial ou ainda que sejam pertencentes a correntes de qualquer espécie.
7. Que tenham característica de prática de spam.

O Cassilândia News não se responsabiliza pelos comentários dos internautas e se reserva o direito de, a qualquer tempo, e a seu exclusivo critério, retirar qualquer comentário que possa ser considerado contrário às regras definidas acima.
Restamcaracteres.
 
Últimas notícias
Scroller Top
Sábado, 10 de Dezembro de 2016
10:00
Receita do dia
Sexta, 09 de Dezembro de 2016
Scroller Bottom

  • Idalus Internet Solutions
  • TOP DataCenter e Internet
  • Disponível na AppStore
  • Disponível no Google Play
Rua Sebastião Leal, 845, CEP: 79.540-000, Cassilândia (MS)