Cassilândia, Sábado, 16 de Dezembro de 2017

Últimas Notícias

07/02/2010 12:19

Mato Grosso tem 2 milhões de hectares de terras em litígio

24horasnews

A Confederação Nacional da Agricultura concluiu um amplo mapeamento da situação jurídica no meio rural em quatro Estados - Bahia, Maranhão, Mato Grosso e Pará. E os dados são preopantes, na avaliação da classe. Em Mato Grosso existem 2 milhões de hectares de terras que estão em litígio. “São áreas invadidas onde o dono não consegue a reintegração de posse. Áreas em que a Justiça concedeu a reintegração, mas ele não foi executada pela Polícia Militar. E áreas em que a liminar foi concedida e executada, mas o processo não andou, não houve uma sentença final” - disse a presidente da CNA, senadora Kátia Abreu.

Na próxima terça-feira, dia 9, a CNA lançará o Observatório das Inseguranças Jurídicas no Campo. A iniciativa visa levantar dados sobre ações identificadas em todo o Brasil que representem, principalmente, ameaças ao Direito de Propriedade. O evento ocorre às 19h30 da próxima terça-feira, na sede da CNA, em Brasília, com a presença do presidente do Supremo Tribunal Federal (STF) e do Conselho Nacional de Justiça (CNJ), ministro Gilmar Mendes, que fará uma palestra sobre a Modernização do Poder Judiciário.

Esta semana, ao fazer a reintegração de posse de área de preservação permanente da Fazenda Bordolândia, no Leste do Estado, a Polícia Federal informou que existem em Mato Grosso pelo nove grandes áreas sendo monitoradas constantemente, sob risco de conflitos agrários. As áreas monitoradas são Urubu Branco, Terra Indígena de Piripicura, Gleba Mercedes, assentamento ENA, Reserva Indígena do Xingú (região de Marcelândia), Assentamento Jonas Pinheiro em Sinop, Gleba Cinco Mil, em Novo Mundo e Guarantã do Norte e Gleba Nhandu, em Guarantã do Norte.

O Observatório das Inseguranças Jurídicas no Campo será um núcleo de pesquisas estratégicas responsável por sistematizar um mapeamento consolidado das invasões de propriedades rurais efetivas ou iminentes, entre outras análises. A iniciativa permitirá a formação de um banco de dados capaz de informar a sociedade e os órgãos de governo sobre situações que prejudiquem o setor agropecuário, principalmente nas áreas fundiária e ambiental.

Um núcleo de pesquisas estratégicas da CNA vai mapear os dados e mensurar os prejuízos causados pelo desrespeito à ordem jurídica no campo. Haverá, por exemplo, cálculos sobre quantos empregos são eliminados por conta das invasões de terras e o valor de produção perdido devido a esse tipo de dificuldade. A CNA divulgará os resultados consolidados no site do Canal do Produtor e também enviará relatórios aos órgãos do Poder Judiciário, denunciando situações que causem danos não apenas ao setor rural, mas a todo o País.

A análise será ampliada gradativamente para todas 27 unidades da Federação. A CNA avalia que a maior parte dos problemas de insegurança jurídica no mundo rural envolve questões sobre o Direito de Propriedade e por isso as invasões de terras recebem forte atenção.

O Observatório das Inseguranças Jurídicas no Campo irá além da consolidação de dados sobre as invasões de propriedades rurais. Também haverá informações sobre a quantidade de pedidos de reintegração de posse e o tempo de tramitação desses pedidos. Será feito também um balanço sobre o índice de cumprimento das decisões judiciais que determinam a reintegração de posse pelos governos estaduais.


Envie seu Comentário
Os comentários feitos no Cassilândia News são moderados. Antes de escrever, observe as regras e seja criterioso ao expressar sua opinião. Não serão publicados comentários nas seguintes situações:

1. Sem o remetente identificado com nome, sobrenome e e-mail válido. Codinomes não serão aceitos.
2. Que não tenham relação clara com o conteúdo noticiado.
3. Que tenham teor calunioso, difamatório, injurioso, racista, de incitação à violência ou a qualquer ilegalidade.
4. Que tenham conteúdo que possa ser interpretado como de caráter preconceituoso ou discriminatório a pessoa ou grupo de pessoas.
5. Que contenham linguagem grosseira, obscena e/ou pornográfica.
6. Que transpareçam cunho comercial ou ainda que sejam pertencentes a correntes de qualquer espécie.
7. Que tenham característica de prática de spam.

O Cassilândia News não se responsabiliza pelos comentários dos internautas e se reserva o direito de, a qualquer tempo, e a seu exclusivo critério, retirar qualquer comentário que possa ser considerado contrário às regras definidas acima.
Restamcaracteres.
 
imagem transparente
Últimas notícias
Scroller Top
Sábado, 16 de Dezembro de 2017
Sexta, 15 de Dezembro de 2017
10:00
Receita do dia
Quinta, 14 de Dezembro de 2017
21:14
Loteria
10:00
Receita do dia
Quarta, 13 de Dezembro de 2017
Scroller Bottom

  • Idalus Internet Solutions
  • TOP DataCenter e Internet
  • Disponível na AppStore
  • Disponível no Google Play
Rua Sebastião Leal, 845, CEP: 79.540-000, Cassilândia (MS)