Cassilândia, Domingo, 27 de Maio de 2018

Últimas Notícias

19/06/2009 14:39

Marquinhos Trad escreve sobre o diploma de jornalista

Marquinhos Trad

Depois de usarem nariz de palhaço, tampas de panela e a “as caras pintadas”, jovens do país agora serão conhecidos por manifestações usando uma colher de pau. Isso mesmo, uma colher de pau. Tudo porque o Supremo Tribunal Federal decidiu, na última quarta-feira, extinguir a obrigatoriedade do diploma de Jornalismo no Brasil. Após 70 anos de regulamentação e 40 anos da criação dos cursos universitários, derrubar este requisito é considerado por milhares de profissionais e acadêmicos um retrocesso a uma época em que bastava escrever textos curtos e tendenciosos, para ser respeitado em toda alta sociedade como um intelectual (pseudo) jornalista. Velha e arcaica época.
Tanto tempo de conquistas, tantas pessoas memoráveis doaram suas vidas às redações e às salas de aula, barrados e apagados da história em um único dia, por apenas oito pessoas. Um membro ainda tentou defender a classe, mas obviamente não obteve sucesso.
Bem, o fato já foi explicado, mas ainda fica a pergunta: por que a colher de pau servir como principal referência nas manifestações dos jornalistas? É simples. O presidente do STF e relator do recurso, Gilmar Mendes, que defendeu a extinção da obrigatoriedade do diploma, teve a brilhante e inescrupulosa idéia de comparar jornalistas a cozinheiros. Nada contra os profissionais da arte da alimentação. No entanto, errar uma nova experiência de massas, não pode ser equiparado a um erro envolvendo a informação veiculada para massa (leitores, ouvintes, telespectadores), que pode fracassar empresas, pessoas e até mesmo destruir vidas. É algo bem mais sério do que o Ministro imagina.
De acordo com Beth Costa, membro da diretoria da FENAJ, a “tarefa do jornalista inclui RESPONSABILIDADE social, escolhas morais PROFISSIONAIS e DOMÍNIO da linguagem ESPECIALIZADA, da simples notícia à grande reportagem”. Portanto, o senhor Ministro precisa diferenciar de qual massa estamos discutindo.
Infelizmente, a decisão é fato. E para fatos não há argumentos. E quando se trata do maior poder jurídico brasileiro, não há argumentos nem mesmo aos profissionais diplomados da notícia. Resta apenas o título, que dispensa lead, pirâmide invertida, imparcialidade e outras expressões técnicas: COMEÇA UMA NOVA ERA DO JORNALISMO, SEM PRINCÍPIOS E SEM ESTUDO.
Talvez o fim da Lei de Imprensa, há poucos meses atrás, veio para avisar. Todavia, os jornalistas já estavam de sobreaviso, como um refém aguardando o bote certeiro de seu predador.
Neste momento, o país se divide entre os ‘colheres de pau’ e as futuras vítimas de notícias sem ética, sem técnica ou embasamento.
E como parece mesmo uma história inventada, que em sua maioria tem um final feliz, temos o consolo de podermos, como em todo país subdesenvolvido, nos espelhar nas potências mundiais. Por isso, mesmo onde a obrigatoriedade do diploma não existe como em países europeus, cresce o número de escolas de jornalismo. E com isso surgem, a cada ano, documentos reforçando a necessidade de formação na área. Tomara que no Brasil não seja diferente afinal, a ascensão depende da educação.
Viva a liberdade de expressão, mas vitória aos “colheres de pau”!
Nada mais a declarar.

Marquinhos Trad











O Cassilândianews não se responsabiliza por artigos com autoria

Envie seu Comentário
Os comentários feitos no Cassilândia News são moderados. Antes de escrever, observe as regras e seja criterioso ao expressar sua opinião. Não serão publicados comentários nas seguintes situações:

1. Sem o remetente identificado com nome, sobrenome e e-mail válido. Codinomes não serão aceitos.
2. Que não tenham relação clara com o conteúdo noticiado.
3. Que tenham teor calunioso, difamatório, injurioso, racista, de incitação à violência ou a qualquer ilegalidade.
4. Que tenham conteúdo que possa ser interpretado como de caráter preconceituoso ou discriminatório a pessoa ou grupo de pessoas.
5. Que contenham linguagem grosseira, obscena e/ou pornográfica.
6. Que transpareçam cunho comercial ou ainda que sejam pertencentes a correntes de qualquer espécie.
7. Que tenham característica de prática de spam.

O Cassilândia News não se responsabiliza pelos comentários dos internautas e se reserva o direito de, a qualquer tempo, e a seu exclusivo critério, retirar qualquer comentário que possa ser considerado contrário às regras definidas acima.
Restamcaracteres.
 
imagem transparente
Últimas notícias
Scroller Top
Sábado, 26 de Maio de 2018
14:57
Cassilândia
10:00
Receita do dia
Sexta, 25 de Maio de 2018
Scroller Bottom

  • Idalus Internet Solutions
  • TOP DataCenter e Internet
  • Disponível na AppStore
  • Disponível no Google Play
Rua Sebastião Leal, 845, CEP: 79.540-000, Cassilândia (MS)