Cassilândia, Terça-feira, 06 de Dezembro de 2016

Últimas Notícias

12/08/2010 10:33

Marcelândia: aviões ainda não começam combater fogo; mais de 100 casas queimadas

Só Noticias
Cenas da destruição em MarcelândiaSó Noticias/Antonio FariasCenas da destruição em MarcelândiaSó Noticias/Antonio Farias

Os aviões destinados pelo governo estadual para combater o grande incêndio em Marcelândia (210 km) ainda não começaram a jogar água. As chamas continuam no setor industrial onde cerca de 15 madeireiras foram atingidas (parte delas teve toda estrutura destruídas e outras foram parcialmente). A previsão era que o combate iniciasse logo ao amanhecer. Também não há nehum caminhão do Corpo de Bombeiros. No local, há um helicóptero e algumas equipes da Defesa Civil trabalhando, orientando moradores e tentando evitar que o fogo se espalhe. As chamas diminuíram mas ainda venta e há perigo de se espalhar. Na Defesa Civil, em Cuiabá, os coordenadores estão em reunião. Só Notícias tentou contato, mas não foi informado quando começa as duas aeronaves, com capacidade para levar 4,5 mil litros de água, vão combater o fogo.

O prefeito Adalberto Diamante informou, agora há pouco, ao Só Notícias, que cerca de 100 casas (a maioria onde residiam funcionários de madeireiras foram destruídas). As chamas aterrorizam os moradores de Marcelândia desde ontem às 10:30h. Começaram no lixão (onde estão resíduos de madeira) e se espalharam, com o vento forte, atingindo madeireiras e casas.

As primeiras equipes dos bombeiros e defesa civil chegaram ontem à tarde, em Marcelândia. Um helicóptero está dando apoio. Os oficiais sobrevoaram a área e repassaram informações para as cúpulas e a Casa Militar do Governo Estadual que definiram a operação emergencial. \\\"Montamos uma estrutura inicial de combate, orientando a população, atendendo prioridades. As chamas ainda estão e a situação continua crítica. Estamos fazendo combate efetivo ao fogo e trabalho preventivo. Mas ainda não temos em levantamento exato da área destruída. Mas é grande\\\", afirmou, ao Só Notícias, o major Aluizio Metelo Junior, do Corpo Bombeiros, que está no local.

As imagens são semelhantes a de um filme de terror. A destruição deixou rastro quilométricos. Conforme Só Notícias já informou, começou no lixão, perto do setor industrial e passou para algumas áreas rurais. O vento forte fez as chamas se espalharem e atingiram um barracão de madeireira passando para a primeira colônia (conjunto de casas de madeiras usadas pelos funcionários). As madeireiras e casas ficavam próximas uma das outras. As chamas altas e o vento forte fizeram com que, cada vez mais, o fogo aumentasse, causando muito mais destruição e desespero.

Marcelândia não tem Corpo de Bombeiros. Mas, sua gente, tem muita solidariedade. Não demorou muito para que dezenas de pessoas passassem a ajudar os que estavam na \\\"linha do fogo\\\". Móveis, roupas, comida e demais pertences eram retirados das casas e colocados no outro lado da rua. Pás carregadeiras arrastavam madeira e toras que estavam nos pátios de outras madeireiras. Parte dos maquinários também foi salva. Mas com o avanço rápido do jogo, pouco foi salvo. Alguns poucos tanques, rebocados com tratores e com bombas, jogavam pequena quantidade de água. A rede elétrica foi desligada para evitar mais problemas.

O desespero tomava conta de empresários, funcionários, mulheres, crianças. 84 foram encaminhadas para o hospital municipal, com intoxicação da forte fumaça e alguns com queimaduras. Cerca de 14 ainda permancem hospitalizadas para terem outros cuidados. Nenhuma corre risco de morte. Mais de 100 pessoas desabrigadas foram levadas para escolas municipais e salão paroquial da Igreja Católica, onde ficarão nos próximos dias. Precisam de roupas e comida. Posteriormente, contarão com solidariedade para ganharem alguns móveis e recomeçarem a vida.

Ainda não é possível calcular o prejuízo com a destruição das madeireiras. Nesta 5ª, após os focos serem debelados, é que começa ser feito levantamento. A tragédia terá forte impacto na economia de Marcelândia, que tem a atividade florestal como um dos fortes pilares.




Envie seu Comentário
Os comentários feitos no Cassilândia News são moderados. Antes de escrever, observe as regras e seja criterioso ao expressar sua opinião. Não serão publicados comentários nas seguintes situações:

1. Sem o remetente identificado com nome, sobrenome e e-mail válido. Codinomes não serão aceitos.
2. Que não tenham relação clara com o conteúdo noticiado.
3. Que tenham teor calunioso, difamatório, injurioso, racista, de incitação à violência ou a qualquer ilegalidade.
4. Que tenham conteúdo que possa ser interpretado como de caráter preconceituoso ou discriminatório a pessoa ou grupo de pessoas.
5. Que contenham linguagem grosseira, obscena e/ou pornográfica.
6. Que transpareçam cunho comercial ou ainda que sejam pertencentes a correntes de qualquer espécie.
7. Que tenham característica de prática de spam.

O Cassilândia News não se responsabiliza pelos comentários dos internautas e se reserva o direito de, a qualquer tempo, e a seu exclusivo critério, retirar qualquer comentário que possa ser considerado contrário às regras definidas acima.
Restamcaracteres.
 
Últimas notícias
Scroller Top
Segunda, 05 de Dezembro de 2016
21:32
Loteria
13:15
Cassilândia
09:00
Maternidade
Domingo, 04 de Dezembro de 2016
Scroller Bottom

  • Idalus Internet Solutions
  • TOP DataCenter e Internet
  • Disponível na AppStore
  • Disponível no Google Play
Rua Sebastião Leal, 845, CEP: 79.540-000, Cassilândia (MS)