Cassilândia, Domingo, 27 de Maio de 2018

Últimas Notícias

25/03/2009 15:06

Mantido fornecimento de medicamento por parte do Estado

TJMS

A 4ª Turma Cível manteve, na manhã de hoje, a decisão que obriga o Estado de Mato Grosso do Sul a fornecer à paciente S.E.T. medicamentos não distribuídos pela rede pública.

Após ter recorrido a órgãos públicos estaduais e municipais para obter os medicamentos, e devido ao alto custo desses, a paciente ingressou com ação de obrigação de fazer para que o Estado arcasse com essas despesas. Em Primeira Instância, foi concedida liminar com tutela antecipada para o imediato fornecimento do medicamento.

O Estado ingressou com agravo de instrumento com pedido de efeito suspensivo, sob arguição de preliminar de ilegitimidade, na qual aduz que o tratamento aos portadores de doença mental deve ser realizado pelo CAPS, de competência do município. O agravante alegou também que a autora não comprovou a necessidade de medicamento específico ou o fato de ser ele insubstituível, mas se limitou a trazer o receituário médico.

O relator , desembargador Atapoã da Costa Feliz, sustentou em seu voto que o Estado tem o dever de garantir a saúde a todos os que dela necessitam, portanto não é plausível que a edição de portaria restrinja o alcance de norma constitucional. “Ressalte-se que não podem prevalecer, neste caso, as formalidades e previsões burocratas estipuladas pelo Ministério da Saúde quanto às condições para fornecimento de medicação, uma vez que é direito constitucional a garantia à saúde”, ressaltou o relator.

O desembargador entende que “o fato de o Estado dispor de outros medicamentos para o tratamento da doença, não justifica a recusa do fornecimento do referido fármaco, considerando que foi receitado por médico especializado, além do que não se sabe se outro poderá dar reações adversas no paciente”. O relator ressaltou ainda que a Lei Federal nº 10.216/01 implantou a política de proteção e de direitos às pessoas portadoras de transtornos mentais.

Foi rejeitada a preliminar, e negado provimento ao recurso , por maioria, nos termos do voto do relator.

Esse processo está sujeito a novos recursos.

Agravo nº 2009.002837-3

Autoria do Texto:Departamento de Jornalismo

Envie seu Comentário
Os comentários feitos no Cassilândia News são moderados. Antes de escrever, observe as regras e seja criterioso ao expressar sua opinião. Não serão publicados comentários nas seguintes situações:

1. Sem o remetente identificado com nome, sobrenome e e-mail válido. Codinomes não serão aceitos.
2. Que não tenham relação clara com o conteúdo noticiado.
3. Que tenham teor calunioso, difamatório, injurioso, racista, de incitação à violência ou a qualquer ilegalidade.
4. Que tenham conteúdo que possa ser interpretado como de caráter preconceituoso ou discriminatório a pessoa ou grupo de pessoas.
5. Que contenham linguagem grosseira, obscena e/ou pornográfica.
6. Que transpareçam cunho comercial ou ainda que sejam pertencentes a correntes de qualquer espécie.
7. Que tenham característica de prática de spam.

O Cassilândia News não se responsabiliza pelos comentários dos internautas e se reserva o direito de, a qualquer tempo, e a seu exclusivo critério, retirar qualquer comentário que possa ser considerado contrário às regras definidas acima.
Restamcaracteres.
 
imagem transparente
Últimas notícias
Scroller Top
Sábado, 26 de Maio de 2018
14:57
Cassilândia
10:00
Receita do dia
Sexta, 25 de Maio de 2018
Scroller Bottom

  • Idalus Internet Solutions
  • TOP DataCenter e Internet
  • Disponível na AppStore
  • Disponível no Google Play
Rua Sebastião Leal, 845, CEP: 79.540-000, Cassilândia (MS)