Cassilândia, Sábado, 16 de Dezembro de 2017

Últimas Notícias

25/03/2009 15:06

Mantido fornecimento de medicamento por parte do Estado

TJMS

A 4ª Turma Cível manteve, na manhã de hoje, a decisão que obriga o Estado de Mato Grosso do Sul a fornecer à paciente S.E.T. medicamentos não distribuídos pela rede pública.

Após ter recorrido a órgãos públicos estaduais e municipais para obter os medicamentos, e devido ao alto custo desses, a paciente ingressou com ação de obrigação de fazer para que o Estado arcasse com essas despesas. Em Primeira Instância, foi concedida liminar com tutela antecipada para o imediato fornecimento do medicamento.

O Estado ingressou com agravo de instrumento com pedido de efeito suspensivo, sob arguição de preliminar de ilegitimidade, na qual aduz que o tratamento aos portadores de doença mental deve ser realizado pelo CAPS, de competência do município. O agravante alegou também que a autora não comprovou a necessidade de medicamento específico ou o fato de ser ele insubstituível, mas se limitou a trazer o receituário médico.

O relator , desembargador Atapoã da Costa Feliz, sustentou em seu voto que o Estado tem o dever de garantir a saúde a todos os que dela necessitam, portanto não é plausível que a edição de portaria restrinja o alcance de norma constitucional. “Ressalte-se que não podem prevalecer, neste caso, as formalidades e previsões burocratas estipuladas pelo Ministério da Saúde quanto às condições para fornecimento de medicação, uma vez que é direito constitucional a garantia à saúde”, ressaltou o relator.

O desembargador entende que “o fato de o Estado dispor de outros medicamentos para o tratamento da doença, não justifica a recusa do fornecimento do referido fármaco, considerando que foi receitado por médico especializado, além do que não se sabe se outro poderá dar reações adversas no paciente”. O relator ressaltou ainda que a Lei Federal nº 10.216/01 implantou a política de proteção e de direitos às pessoas portadoras de transtornos mentais.

Foi rejeitada a preliminar, e negado provimento ao recurso , por maioria, nos termos do voto do relator.

Esse processo está sujeito a novos recursos.

Agravo nº 2009.002837-3

Autoria do Texto:Departamento de Jornalismo

Envie seu Comentário
Os comentários feitos no Cassilândia News são moderados. Antes de escrever, observe as regras e seja criterioso ao expressar sua opinião. Não serão publicados comentários nas seguintes situações:

1. Sem o remetente identificado com nome, sobrenome e e-mail válido. Codinomes não serão aceitos.
2. Que não tenham relação clara com o conteúdo noticiado.
3. Que tenham teor calunioso, difamatório, injurioso, racista, de incitação à violência ou a qualquer ilegalidade.
4. Que tenham conteúdo que possa ser interpretado como de caráter preconceituoso ou discriminatório a pessoa ou grupo de pessoas.
5. Que contenham linguagem grosseira, obscena e/ou pornográfica.
6. Que transpareçam cunho comercial ou ainda que sejam pertencentes a correntes de qualquer espécie.
7. Que tenham característica de prática de spam.

O Cassilândia News não se responsabiliza pelos comentários dos internautas e se reserva o direito de, a qualquer tempo, e a seu exclusivo critério, retirar qualquer comentário que possa ser considerado contrário às regras definidas acima.
Restamcaracteres.
 
imagem transparente
Últimas notícias
Scroller Top
Sábado, 16 de Dezembro de 2017
Sexta, 15 de Dezembro de 2017
10:00
Receita do dia
Quinta, 14 de Dezembro de 2017
21:14
Loteria
10:00
Receita do dia
Scroller Bottom

  • Idalus Internet Solutions
  • TOP DataCenter e Internet
  • Disponível na AppStore
  • Disponível no Google Play
Rua Sebastião Leal, 845, CEP: 79.540-000, Cassilândia (MS)