Cassilândia, Domingo, 11 de Dezembro de 2016

Últimas Notícias

25/03/2008 09:11

Manoel Afonso - Eleição: oratória ajuda muito!

Manoel Afonso

“Quem não se comunica...”

Claro que a outra metade do caminho do candidato é indispensável: propostas, passado, rejeição mínima, boa imagem, companheiros, bom partido e condição financeira compatível com as necessidades. Quando se fala em boa oratória não se tem mais como parâmetro aqueles discursos que se tornaram famosos ao longo da história da humanidade. O discurso funciona hoje como mais um canal de comunicação com o público.
A oratória é indispensável para qualquer líder. Churchill usou da palavra na BBC para expressar sua convicção na vitória final contra os alemães que bombardeavam Londres dia e noite. Firme, orgulhoso, ele falava com emoção, falava como vitorioso e não como vencido. Outro bom exemplo é de Péricles, na Guerra do Peloponeso. Proferiu um discurso motivador no sepultamento das primeiras vítimas, demonstrando que a causa era nobre e isso pesou no ânimo dos soldados e no resultado do embate.
Ninguém pode exigir um fulminante Carlos Lacerda ou um Ruy Barbosa nos dias de hoje. Os comícios perderam o papel espetacular que exerciam e o eleitor é mais pratico, está acostumado com mensagens rápidas, praticas e que não exigem esforço de raciocínio. Mas mesmo assim, o candidato tem que se comunicar verbalmente. Lembram-se do Collor? Matou os adversários com seu estilo rápido nas entrevistas e debates.
Um exemplo negativo recente foi de Alckimin na eleição presidencial. Enquanto Lula soltava o verbo, o candidato tucano insistia no modelo introvertido, falando no mesmo tom, sem pelo menos demonstrar indignação nos debates na televisão. Parecia anestesiado, não passava emoção alguma na sua fala.
Claro que cada candidato tem seu potencial e dentro das suas limitações deve ir se preparando. Falar em solenidades de ambiente fechado é uma coisa. Até a acústica ajuda. Agora – falar em praça pública é complicado.Imagine um orador fanho! Exige no mínimo preparo para impor ritmo e tom ao discurso. O candidato tem que falar para todos como se fosse falar para cada um. O candidato tem que valorizar a palavra – ou seja – sempre falar menos do que gosta. Ele tem que mostrar segurança sem se deixar passar por arrogante.
Arremate: é possível até que um bom orador venha a perder a eleição, mas com certeza não terá sido pela falta de comunicação com eleitor.

Manoel Afonso



Envie seu Comentário
Os comentários feitos no Cassilândia News são moderados. Antes de escrever, observe as regras e seja criterioso ao expressar sua opinião. Não serão publicados comentários nas seguintes situações:

1. Sem o remetente identificado com nome, sobrenome e e-mail válido. Codinomes não serão aceitos.
2. Que não tenham relação clara com o conteúdo noticiado.
3. Que tenham teor calunioso, difamatório, injurioso, racista, de incitação à violência ou a qualquer ilegalidade.
4. Que tenham conteúdo que possa ser interpretado como de caráter preconceituoso ou discriminatório a pessoa ou grupo de pessoas.
5. Que contenham linguagem grosseira, obscena e/ou pornográfica.
6. Que transpareçam cunho comercial ou ainda que sejam pertencentes a correntes de qualquer espécie.
7. Que tenham característica de prática de spam.

O Cassilândia News não se responsabiliza pelos comentários dos internautas e se reserva o direito de, a qualquer tempo, e a seu exclusivo critério, retirar qualquer comentário que possa ser considerado contrário às regras definidas acima.
Restamcaracteres.
 
Últimas notícias
Scroller Top
Sábado, 10 de Dezembro de 2016
10:00
Receita do dia
Sexta, 09 de Dezembro de 2016
Scroller Bottom

  • Idalus Internet Solutions
  • TOP DataCenter e Internet
  • Disponível na AppStore
  • Disponível no Google Play
Rua Sebastião Leal, 845, CEP: 79.540-000, Cassilândia (MS)