Cassilândia, Quinta-feira, 24 de Maio de 2018

Últimas Notícias

18/02/2008 07:45

Manoel Afonso - Eleição: nem sempre ganha o melhor

Manoel Afonso

Sem rodeios. Vou logo dando o melhor e talvez o mais conhecido exemplo de resultado incoerente de eleição. Foi naquela disputa entre Orestes Quércia, vice de Franco Montoro, contra o empresário Antônio Ermírio de Moraes. Quércia conseguiu convencer o eleitor de que o adversário era um tremendo mau caráter, péssimo patrão, explorador da mão de obra barata e que se beneficiava de favores do poder público para pagar menos impostos. Resultado: Quércia acabou virando governador do Estado mais importante da União.
Quanto as consequências todos sabem: Quércia quebrou São Paulo mas elegeu Fleury seu sucessor. E o Estado é que se danou durante oito anos (Covas-Alckmin) para pagar as contas e recolocar a locomotiva paulista nos trilhos.
Infelizmente esse é apenas mais um, dentre centenas de casos, onde os resultados contrariaram pelo menos as pesquisas iniciais e os prognósticos de observadores abalizados que se norteiam pelos princípios da administração competente e moralmente sadia.
Isso demonstra que não existe eleição ganha e nem eleição perdida. Quem morre na véspera (do Dia de Ação de Graças nos Estados Unidos) é o peru, diz o velho ditado. Esse papo de encomendar a faixa e o terno é um perigo. Quem não se lembra daquele gesto inoportuno de FHC ao usar um spray para desinfetar a cadeira de prefeito da cidade de São Paulo? A eleição estava quase ganha, mas o velho Jânio acabou surpreendendo nos últimos dias e acabou virando prefeito da maior cidade do país. Ao FHC restou aprender a dura lição.
Não basta ao candidato ser o melhor, portador dos predicados indispensáveis ao exercício do cargo que se pretende. É preciso também ter a competência de passar corretamente sua mensagem ao eleitor, fazendo deste uma espécie de cúmplice. Toda essa operação, processada quase toda durante a campanha, é complexa; exige cuidados e dedicação impar. Um simples deslize, como foi esse de Fernando Henrique contra Jânio, pode ser cruel e determinante para que não alcance o objetivo desejado.
Assim, o vencedor pode não ser o melhor, mas sim aquele que erra menos ao longo do processo e consegue se aproveitar bem das falhas do adversário. Provado está que currículo nota 10 não pode ser considerado passaporte para a vitória. Não basta só ser o melhor, é preciso ser competente. A política tem dessas coisas. É caprichosa! É traiçoeira!

Manoel Afonso




Envie seu Comentário
Os comentários feitos no Cassilândia News são moderados. Antes de escrever, observe as regras e seja criterioso ao expressar sua opinião. Não serão publicados comentários nas seguintes situações:

1. Sem o remetente identificado com nome, sobrenome e e-mail válido. Codinomes não serão aceitos.
2. Que não tenham relação clara com o conteúdo noticiado.
3. Que tenham teor calunioso, difamatório, injurioso, racista, de incitação à violência ou a qualquer ilegalidade.
4. Que tenham conteúdo que possa ser interpretado como de caráter preconceituoso ou discriminatório a pessoa ou grupo de pessoas.
5. Que contenham linguagem grosseira, obscena e/ou pornográfica.
6. Que transpareçam cunho comercial ou ainda que sejam pertencentes a correntes de qualquer espécie.
7. Que tenham característica de prática de spam.

O Cassilândia News não se responsabiliza pelos comentários dos internautas e se reserva o direito de, a qualquer tempo, e a seu exclusivo critério, retirar qualquer comentário que possa ser considerado contrário às regras definidas acima.
Restamcaracteres.
 
imagem transparente
Últimas notícias
Scroller Top
Quinta, 24 de Maio de 2018
10:00
Receita do dia
Quarta, 23 de Maio de 2018
10:00
Receita do dia
Scroller Bottom

  • Idalus Internet Solutions
  • TOP DataCenter e Internet
  • Disponível na AppStore
  • Disponível no Google Play
Rua Sebastião Leal, 845, CEP: 79.540-000, Cassilândia (MS)