Cassilândia, Quarta-feira, 07 de Dezembro de 2016

Últimas Notícias

02/07/2016 14:00

Manifestantes marcham em Londres contra saída do Reino Unido da União Europeia

Agência Brasil

Milhares de pessoas se reuniram em Londres em manifetação contra a decisão pela saída do Reino Unido da União Europeia (UE). A chamada Marcha AntiBrexit foi convocada pelas redes sociais. Na página do Facebook, aqueles que participaram da marcha postaram fotos e vídeos defendendo a permanência na UE.

Com 52% dos votos a favor em referendo, o Reino Unido decidiu deixar a União Europeia (UE) após 43 anos de participação no bloco. A taxa de participação no referendo foi de 71,8%, a maior em votações no Reino Unido desde 1992.

Londres está entre os locais que votaram majoritariamente pela permanência na UE, junto com Escócia e Irlanda do Norte. Já Inglaterra e Gales apoiaram majoritariamente o chamado Brexit, a saída do bloco.

Entre as publicações na rede social, há o argumento de que permanecer na UE significa lutar pela inclusão e humanidade. "Somos mais de 40 mil dizendo sim para a UE", diz um usuário. A página recebeu manifestações contrárias. Um internauta diz que a marcha é uma demonstração contra a democracia: "Realmente triste, se eles amam tanto a União Europeia, então vão viver lá!".

O Reino Unido faz parte da Comunidade Europeia desde 1973, mas sempre manteve algumas posições, como a de não aderir ao euro – mantendo como moeda nacional a libra –, e de não aderir ao Acordo Schengen, tratado de livre circulação de pessoas em territórios europeus.

Entre os que defendem a saída do Reino Unido da União Europeia, um dos principais argumentos é econômico. Eles afirmam que, com o Brexit, o Reino Unido ficaria livre para estabelecer relações comerciais com outros países, por exemplo, a China. Os favoráveis ao Brexit afirmam que a taxação sobre as exportações para países de fora da UE é extremamente alta.

Além disso, a saída poderá permitir a alteração das políticas de migração e a criação de um regulamento próprio para a entrada de refugiados. Esse último ponto é polêmico e teve peso na votação, em um momento de grave crise migratória e em que os países europeus não conseguem chegar a um acordo sobre como deve ser a política para os refugiados.

Envie seu Comentário
Os comentários feitos no Cassilândia News são moderados. Antes de escrever, observe as regras e seja criterioso ao expressar sua opinião. Não serão publicados comentários nas seguintes situações:

1. Sem o remetente identificado com nome, sobrenome e e-mail válido. Codinomes não serão aceitos.
2. Que não tenham relação clara com o conteúdo noticiado.
3. Que tenham teor calunioso, difamatório, injurioso, racista, de incitação à violência ou a qualquer ilegalidade.
4. Que tenham conteúdo que possa ser interpretado como de caráter preconceituoso ou discriminatório a pessoa ou grupo de pessoas.
5. Que contenham linguagem grosseira, obscena e/ou pornográfica.
6. Que transpareçam cunho comercial ou ainda que sejam pertencentes a correntes de qualquer espécie.
7. Que tenham característica de prática de spam.

O Cassilândia News não se responsabiliza pelos comentários dos internautas e se reserva o direito de, a qualquer tempo, e a seu exclusivo critério, retirar qualquer comentário que possa ser considerado contrário às regras definidas acima.
Restamcaracteres.
 
Últimas notícias
Scroller Top
Quarta, 07 de Dezembro de 2016
10:00
Receita do dia
09:00
Maternidade
03:14
Loteria
Terça, 06 de Dezembro de 2016
10:00
Receita do Dia
09:00
Maternidade
Scroller Bottom

  • Idalus Internet Solutions
  • TOP DataCenter e Internet
  • Disponível na AppStore
  • Disponível no Google Play
Rua Sebastião Leal, 845, CEP: 79.540-000, Cassilândia (MS)