Cassilândia, Quinta-feira, 14 de Dezembro de 2017

Últimas Notícias

13/04/2015 16:49

Manifestações: e muda o que agora?

Manoel Afonso

Primeiro é preciso repetir: vários fatores apontam para a inviabilidade do impeachment da presidente Dilma. Prova disso é a ausência de Aécio Neves, exatamente para não dar o tom de golpismo contra quem foi eleita nas urnas.
Posto isso, é inegável que o Governo – ainda recuperando-se das manifestações de 15 março – não contava com a repetição do ato neste domingo. Embora em menor número, ficou patente a marca da indignação, notadamente na capital paulista, local emblemático nos grandes momentos da vida nacional.


Evidente que a crise econômica do Brasil piorou ainda mais depois das manifestações de março. Mas de lá pra cá o Governo mudou a postura, abriu o canal de diálogo com a classe política através do vice Michel Temer. Foi um sinal de abertura e admissão da própria culpa.


Para azar do Planalto, a cada capítulo da Operação Lava Jato, vai contabilizando desgastes incomensuráveis. As recentes prisões de deputados e figuras próximas ao governo, deixam Dilma de saia justa. Aliás, foi um tiro no pé a propaganda do PT exibida na televisão, onde exalta a prisão de corruptos, ‘por coincidência’ integrantes daquele partido. Da mesma forma aquela manifestação de Dilma anunciando que finalmente ‘a corrupção tinha sido extirpada da Petrobras’.


Por sua vez, a classe política – especialmente do PMDB - deve aproveitar a situação para fazer o jogo duplo da conveniência: atenderá os próprios interesses eleitoreiros e venderá a imagem de ‘antenada’ aos reclamos da população. Todos os projetos do Planalto vão sofrer uma análise mais apurada no Congresso Nacional, embora isso não garanta uma postura que atenda aos verdadeiros interesses da nação.


Independentemente do que o PT e os movimentos sociais pretendam organizar para minimizar os estragos destas duas manifestações, a população deve se manter ligada diretamente com seus representantes no Congresso. Deputados e senadores, precisam sentir cada vez mais de perto, o risco de retaliação ou vingança nas urnas. Afinal, cada um deles tem ligações estreitas com determinados segmentos sociais e que estão sentindo na pele a desastrada política econômica.


A alta do custo de vida, o desemprego, a queda do PIB, a alta dos juros, a violência e a falta de investimentos na saúde e educação, são componentes deste quadro e munição para a oposição cobrar transparência do Governo em suas ações.


E sem cobranças fortes, continuaremos justificando a fama de ‘povo bonzinho’.


De leve...

Envie seu Comentário
Os comentários feitos no Cassilândia News são moderados. Antes de escrever, observe as regras e seja criterioso ao expressar sua opinião. Não serão publicados comentários nas seguintes situações:

1. Sem o remetente identificado com nome, sobrenome e e-mail válido. Codinomes não serão aceitos.
2. Que não tenham relação clara com o conteúdo noticiado.
3. Que tenham teor calunioso, difamatório, injurioso, racista, de incitação à violência ou a qualquer ilegalidade.
4. Que tenham conteúdo que possa ser interpretado como de caráter preconceituoso ou discriminatório a pessoa ou grupo de pessoas.
5. Que contenham linguagem grosseira, obscena e/ou pornográfica.
6. Que transpareçam cunho comercial ou ainda que sejam pertencentes a correntes de qualquer espécie.
7. Que tenham característica de prática de spam.

O Cassilândia News não se responsabiliza pelos comentários dos internautas e se reserva o direito de, a qualquer tempo, e a seu exclusivo critério, retirar qualquer comentário que possa ser considerado contrário às regras definidas acima.
Restamcaracteres.
 
imagem transparente
Últimas notícias
Scroller Top
Quinta, 14 de Dezembro de 2017
10:00
Receita do dia
Quarta, 13 de Dezembro de 2017
10:00
Receita do dia
Terça, 12 de Dezembro de 2017
20:48
Loteria
Scroller Bottom

  • Idalus Internet Solutions
  • TOP DataCenter e Internet
  • Disponível na AppStore
  • Disponível no Google Play
Rua Sebastião Leal, 845, CEP: 79.540-000, Cassilândia (MS)