Cassilândia, Domingo, 04 de Dezembro de 2016

Últimas Notícias

01/06/2008 16:31

Mais de sete mil colunas do Castello estão disponíveis

Jorge Wamburg /ABr

Brasília - Quem foi leitor da Coluna do Castello pode, a partir de agora, reler na internet os textos de Carlos Castello Branco, o Castellinho, como o cronista era carinhosamente tratado pelos amigos, que foi o jornalista político mais importante do país entre os anos 1960 e 90. Nesse período, ele publicou em dois jornais do Rio - Tribuna da Imprensa e Jornal do Brasil - as crônicas que traçaram um panorama da política brasileira, em tempos de democracia e ditadura, sempre com um estilo forte, preciso e elegante que o tornou o mestre dos colunistas do gênero no país.

E quem não teve oportuniade de ler à época suas crônicas políticas diárais tem agora a oportunidade de conhecer o melhor da política do país naqueles agitados anos. O endereço eletrônico www.carloscastellobranco.com.br coloca à disposição do público 7.849 colunas, escritas entre 1963 e 1993, pelo jornalista piauiense, nascido em Teresina, no dia 25 de junho de 1920.

Todo o material que compõe a página foi organizado pela filha de Carlos Castello Branco, Luciana, que destaca outras peças do acervo, como uma entrevista concedida pelo pai a Adriana Zarvos, sobre temas políticos e históricos, com importantes revelações sobre os bastidores da política brasileira no período de 1963 a 1993, ano em que ele faleceu, aos 72 anos de idade, após mais de 50 anos de trabalho como jornalista. Os 15 anos da morte de Castello Branco, completados hoje (1º), marcam também a entrada na grande rede, em definitivo, de sua página, que estava no ar desde novembro do ano passado, mas em caráter experimental.

Castello começou a escrever uma coluna política após deixar a Secretaria de Imprensa da Presidência da República, com a renúncia do presidente Jânio Quadros, em agosto de 1961, primeiro na Tribuna da Imprensa, até dezembro, quando se transferiu para o Jornal do Brasil, onde, a partir do dia 3 de janeiro de 1963 começou a assinar a Coluna do Castello. Durante os 32 anos em que trabalhou no JB - cuja Sucursal em Brasília chefiou até 1972 - tornou o espaço ocupado na página 2 uma verdadeira referência em matéria de jornalismo político no país. A coluna foi publicada pela última vez em 20 de maio de 1993, dez dias antes de sua morte, ocorrida no Rio de Janeiro, onde foi sepultado, no Cemitério São João Batista (Zona Sul), no Mausoléu dos Imortais da Academia de Brasileira de Letras, da qual era membro.

Além de brilhar como o mais importante jornalista político do país por 30 anos, Carlos Castello Branco também teve uma importante participação na luta pela liberdade de imprensa do país, ao presidir o Sindicato dos Jornalistas do Distrito Federal em plena ditadura e defender a categoria sempre contra a censura e o arbítrio dos militares.

Jornalista da era pré-computador, Castello Branco escreveu todas as suas colunas a máquina e o internauta encontrará na página eletrônica reprodução de seus textos com as correções que fazia à mão. Segundo Luciana Castello Branco, ele havia começado a aprender a trabalhar com computador pouco antes de sua morte, em 1993, e todas suas crônicas foram digitalizadas para a publicação virtual.

Além das Colunas do Castello, o internauta encontrará no endereço virtual da obra do jornalista sua correspondência com diversas personalidades da política e do jornalismo, como o jornalista M.F. do Nascimento Brito, genro da Condessa Pereira Carneiro, diretora-presidente do Jornal do Brasil na época, e principal dirigente do periódico na época de Castellinho. O site contém ainda crônicas e contos de Castello, além de depoimentos a seu respeito, desde Roberto Marinho, ex-presidente das Organizações Globo, ao presidente Luiz Inácio Lula da Silva

Sobre Castello Branco, os depoimentos de dois importantes jornalistas do país sintetizam bem sua importância para o jornalismo e para a vida política brasileiros:

"Falava por frases curtas, mas tinha a prodigiosa capacidade de se informar, de fazer relações, de inspirar confiança às fontes. Ele foi um articulador das jogadas políticas, que colocava as coisas em textos de alta qualidade literária" (Villas-Bôas Correia, jornalista político).

"Tinha um senso de humor arrasador, sarcástico. Não era o humor hilariante, falava pouco e, quando falava, destruía" (Alberto Dines, ex-editor-chefe do Jornal do Brasil, que convidou Castello para trabalhar no JB).



Envie seu Comentário
Os comentários feitos no Cassilândia News são moderados. Antes de escrever, observe as regras e seja criterioso ao expressar sua opinião. Não serão publicados comentários nas seguintes situações:

1. Sem o remetente identificado com nome, sobrenome e e-mail válido. Codinomes não serão aceitos.
2. Que não tenham relação clara com o conteúdo noticiado.
3. Que tenham teor calunioso, difamatório, injurioso, racista, de incitação à violência ou a qualquer ilegalidade.
4. Que tenham conteúdo que possa ser interpretado como de caráter preconceituoso ou discriminatório a pessoa ou grupo de pessoas.
5. Que contenham linguagem grosseira, obscena e/ou pornográfica.
6. Que transpareçam cunho comercial ou ainda que sejam pertencentes a correntes de qualquer espécie.
7. Que tenham característica de prática de spam.

O Cassilândia News não se responsabiliza pelos comentários dos internautas e se reserva o direito de, a qualquer tempo, e a seu exclusivo critério, retirar qualquer comentário que possa ser considerado contrário às regras definidas acima.
Restamcaracteres.
 
Últimas notícias
Scroller Top
Domingo, 04 de Dezembro de 2016
09:00
Maternidade
Sábado, 03 de Dezembro de 2016
Scroller Bottom

  • Idalus Internet Solutions
  • TOP DataCenter e Internet
  • Disponível na AppStore
  • Disponível no Google Play
Rua Sebastião Leal, 845, CEP: 79.540-000, Cassilândia (MS)