Cassilândia, Segunda-feira, 21 de Setembro de 2020

Últimas Notícias

13/11/2003 16:03

Mais de 500 mil crianças estão em trabalho doméstico

Agência Câmara

Mais de 500 mil crianças, com idade entre 5 e 17 anos, estão envolvidas com o trabalho doméstico e a metade delas está abaixo do limite mínimo de idade permitido pela legislação. A informação é do representante da Organização Internacional do Trabalho (OIT), Renato Mendes, em audiência pública da Comissão do Trabalho, Administração e Serviço Público da Câmara Federal.
Também participaram do debate representantes do Ministério Público, da ONG Centro de Referência Estudos e Ações sobre Crianças e Adolescentes (Cecria) e do Programa do Trabalho Infantil (Peti). Para a sub-procuradora-geral do Ministério Público, Eliane dos Santos, o maior problema está no caráter "invisível" do serviço doméstico e na conivência da sociedade.

SOCIEDADE CONIVENTE
"A sociedade acha normal o trabalho de crianças e mais normal ainda o trabalho de adolescentes. Fala-se do trabalho doméstico como se, estando dentro de casa, a criança ou o adolescente estivessem protegidos. E a gente vê que isso não é verdade", observou a procuradora.
O coordenador geral da Cecria, Vicente Faleiros, disse ser preciso conscientizar a família dos menores e quem acolhe crianças e adolescentes em casa sobre os direitos previstos no Estatuto da Criança e do Adolescente. Uma das sugestões é estimular na sociedade a cultura da fiscalização.

TRABALHO DE RISCO
Para a deputada Laura Carneiro (PFL-RJ), que propôs a audiência, o trabalho infantil doméstico é obscuro e pode ser de risco. "Ele é quase invisível, difícil de fiscalizar. E orientar a população é mais difícil ainda. O trabalho doméstico infantil pode ser uma atividade de risco, se estiver ligado à exploração sexual de crianças e adolescentes, como a gente tem visto na CPI Mista da Exploração Sexual" - observou a deputada.
Segundo dados da OIT e do Cecria, estão mais expostas ao trabalho infantil doméstico as crianças ou adolescentes do sexo feminino. Principalmente as pobres e negras, ou pardas.



Reportagem – Teresa Cristina Soares
Edição - Luiz Claudio Pinheiro

Envie seu Comentário
Os comentários feitos no Cassilândia News são moderados. Antes de escrever, observe as regras e seja criterioso ao expressar sua opinião. Não serão publicados comentários nas seguintes situações:

1. Sem o remetente identificado com nome, sobrenome e e-mail válido. Codinomes não serão aceitos.
2. Que não tenham relação clara com o conteúdo noticiado.
3. Que tenham teor calunioso, difamatório, injurioso, racista, de incitação à violência ou a qualquer ilegalidade.
4. Que tenham conteúdo que possa ser interpretado como de caráter preconceituoso ou discriminatório a pessoa ou grupo de pessoas.
5. Que contenham linguagem grosseira, obscena e/ou pornográfica.
6. Que transpareçam cunho comercial ou ainda que sejam pertencentes a correntes de qualquer espécie.
7. Que tenham característica de prática de spam.

O Cassilândia News não se responsabiliza pelos comentários dos internautas e se reserva o direito de, a qualquer tempo, e a seu exclusivo critério, retirar qualquer comentário que possa ser considerado contrário às regras definidas acima.
Restamcaracteres.
 
imagem transparente
Últimas notícias
Scroller Top
Segunda, 21 de Setembro de 2020
09:00
Santo do Dia
Domingo, 20 de Setembro de 2020
Sábado, 19 de Setembro de 2020
Scroller Bottom

  • Idalus Internet Solutions
  • TOP DataCenter e Internet
  • Disponível na AppStore
  • Disponível no Google Play
Rua Sebastião Leal, 845, CEP: 79.540-000, Cassilândia (MS)