Cassilândia, Sábado, 10 de Dezembro de 2016

Últimas Notícias

17/07/2008 09:03

Maioria dos brasileiros que vivem na Europa é irregular

Ana Luiza Zenker /ABr

Brasília - Assim como ocorre com os brasileiros que buscam uma situação financeira melhor nos Estados Unidos, também na Europa é expressivo o número de migrantes que não têm documentos, tanto em Portugal, onde a migração já é mais antiga, quanto nos destinos mais recentes, como Espanha e Inglaterra, ou mesmo na Itália, onde grande parte dos imigrantes brasileiros são descendentes de italianos.

“No caso da Europa, a grande maioria de brasileiros que estão lá é migrante irregular, eles não têm a permissão de trabalho ou mesmo o visto para uma permanência mais longa do que aqueles três meses que são conhecidos como o visto de turista”, diz o professor Duval Fernandes, da Pontifícia Universidade Católica de Minas Gerais (PUC-MG).


Com um nível de instrução que, em geral, é superior ao da média no Brasil, os brasileiros que buscam os países europeus ainda almejam um salário melhor. Segundo Fernandes, um dos principais projetos dos migrantes é conseguir dinheiro para construir sua casa própria ou abrir um negócio no Brasil, e “caso ele consiga ficar mais de dois, três anos, conseguir a permissão de trabalho e aí ter a sua situação regularizada”.

Mas isso não quer dizer que todos os brasileiros vêem a Europa como um lugar para se viver, de fato. Como exemplo, o professor cita a resposta que uma senhora brasileira deu ao ser questionada sobre o que era para ela morar na Espanha: “Aqui a gente vem para ganhar dinheiro e ficar trabalhando; para viver, eu tenho que ir para o Brasil, porque aqui eu não tenho vida, só trabalho e ganho dinheiro”.

De acordo com o professor, além da irregularidade migratória, um dos principais problemas enfrentados pelos brasileiros é a discriminação, em diversos setores da sociedade européia. “Em um levantamento que nós fizemos, vimos que, por exemplo, praticamente 40% das pessoas que são impedidas de entrar em Portugal são brasileiras e evidentemente os brasileiros não são 40% das pessoas que descem nos aeroportos.”

No entanto, ele ressalta que não há muito o que o governo brasileiro possa fazer para mudar esse quadro. Com isso, o que se destaca como demanda dos migrantes é a melhoria do atendimento consular, como o aumento do tempo de expediente. Fernandes afirma que ainda falta uma postura do governo, “de ver que o Brasil não é um país mais de imigração, é um país de emigração”.

No que diz respeito à nova lei de imigração aprovada na União Européia, o professor acredita que ela só vai começar a ser aplicada em 2010. Para ele, pode haver, sim, alguma redução, ou um desestímulo à migração. “Mas nós devemos lembrar que a legislação americana é muito pior do que essa, e mesmo assim brasileiros estão tentando chegar aos Estados Unidos, até atravessando de maneira ilegal o México”.

Duval Fernandes destaca também que o retorno de brasileiros que não são aceitos na Espanha, que ganhou a mídia brasileira nos últimos meses, já vinha sendo percebido desde 2007, e só começou a chamar a atenção porque o país começou a devolver também pessoas de classes média e alta.

O professor diz que essa é uma situação comum a vários países, com pessoas de várias nacionalidades, e se tornou patente na Espanha porque o número de brasileiros que vivem lá tem crescido. Segundo ele, esse aumento é de 30% ao ano, "talvez uma das maiores taxas de crescimento de todas as comunidades de estrangeiros na Espanha”.

De acordo com o professor, outro destino que tem sido muito procurado é a Inglaterra. “O sonho de consumo do brasileiro europeu é ir para a Inglaterra e trabalhar lá.”

Envie seu Comentário
Os comentários feitos no Cassilândia News são moderados. Antes de escrever, observe as regras e seja criterioso ao expressar sua opinião. Não serão publicados comentários nas seguintes situações:

1. Sem o remetente identificado com nome, sobrenome e e-mail válido. Codinomes não serão aceitos.
2. Que não tenham relação clara com o conteúdo noticiado.
3. Que tenham teor calunioso, difamatório, injurioso, racista, de incitação à violência ou a qualquer ilegalidade.
4. Que tenham conteúdo que possa ser interpretado como de caráter preconceituoso ou discriminatório a pessoa ou grupo de pessoas.
5. Que contenham linguagem grosseira, obscena e/ou pornográfica.
6. Que transpareçam cunho comercial ou ainda que sejam pertencentes a correntes de qualquer espécie.
7. Que tenham característica de prática de spam.

O Cassilândia News não se responsabiliza pelos comentários dos internautas e se reserva o direito de, a qualquer tempo, e a seu exclusivo critério, retirar qualquer comentário que possa ser considerado contrário às regras definidas acima.
Restamcaracteres.
 
Últimas notícias
Scroller Top
Sexta, 09 de Dezembro de 2016
Quinta, 08 de Dezembro de 2016
Scroller Bottom

  • Idalus Internet Solutions
  • TOP DataCenter e Internet
  • Disponível na AppStore
  • Disponível no Google Play
Rua Sebastião Leal, 845, CEP: 79.540-000, Cassilândia (MS)