Cassilândia, Quinta-feira, 24 de Janeiro de 2019

Últimas Notícias

27/09/2007 18:46

Maioria dos brasileiros não confia nas instituições

Gláucia Gomes/ABr

Brasília - A maioria dos brasileiros perdeu a confiança nas instituições e órgãos públicos. Este é o resultado de pesquisa divulgada nesta quinta feira (27) pela Associação do Magistrados Brasileiros (AMB), durante audiência pública na Comissão de Legislação Participativa da Câmara dos Deputados.

A pesquisa ouviu 2.011 pessoas em todo o país, com idade acima de 16 anos. O objetivo era o de avaliar a confiança da população nas instituições e órgão públicos; a opinião sobre questões atuais e a imagem do Poder Judiciário.

O presidente da Associação dos Magistrados, Rodrigo Collaço, salientou que a intenção ao promover a pesquisa era a de mostrar a necessidade de uma reforma política, e para isso era preciso avaliar a credibilidade das instituições.

“A pesquisa confirmou que as instituições precisam de mudanças, não há a credibilidade desejada nem por parte do Executivo, do Judiciário e principalmente do Legislativo. A pesquisa também nos confirmou que a sociedade além de não acreditar nas instituições, quer mudanças, quer reformas. Então eu vejo isso como um combustível para animar a todas aquelas entidades, aquela parcela do Congresso e da sociedade que desejam uma mudança completa no perfil das instituições brasileiras”, afirmou.

A pesquisa mostrou que metade dos entrevistados não acredita no Poder Judiciário. Na avaliação de Collaço, a razão dessa descrença é a “demora e a falta de eficácia” nas decisões judiciais. “A sociedade que precisa e vai ao Judiciário sabe que não consegue ter uma decisão em tempo rápido, uma decisão que seja eficaz em pouco tempo”, argumentou.

A Câmara dos Deputados foi apontada como a instituição menos confiável: 83,1% dos entrevistados não acreditam no trabalho dos parlamentares. Em seguida vem o Senado Federal, com 80,7% de rejeição.

Para o professor doutor do Instituto de Ciências Políticas da Universidade de Brasília (UnB) Ricardo Caldas, esse é um “processo histórico”, que já vinha acontecendo ao longo dos anos 90, mas que se agravou nos últimos anos por conta das denúncias de corrupção.

“Em 93 [1993] cerca de 30% da população confiava na Câmara e no Senado; em 2005, apenas 20%, e em 2007, em torno de 12 a 14%”.


Caldas apontou a reforma política como solução para acabar com o descrédito. “Nos precisamos urgentemente de uma reforma política. Não esta que está sendo discutida pelo Congresso, mas uma reforma política mais abrangente, voltada realmente para o cidadão”, defendeu.

As instituições em que a população mais confia foram a Polícia Federal, com 75,5% de aprovação, seguida pelas Forças Armadas, com 74,7%, e o Juizado de Pequenas Causas, com 71,8%.

Outro ponto abordado pela pesquisa foi a corrupção: 84,9% da população acredita que ela pode ser combatida e apontou a Polícia Federal e o Ministério Público como os principais órgãos para esse combate.


Os entrevistados também discordaram do foro privilegiado [que garante ao presidente da República; ministros de Estado e parlamentares que os processos não sejam julgados pela Justiça comum, mas pelos tribunais superiores]. Entre os entrevistados, 94,3% acham que um político processado na Justiça não pode concorrer às eleições.


Quanto à reforma política, 95,4 % dos entrevistados avaliaram a necessidade da reforma.

O deputado Pedro Wilson (PT-GO), que presidiu a audiência, disse que a pesquisa traz uma “forte crítica”. “O que nós temos que fazer é debruçar sobre os dados e superar esses episódios. Nós temos que trabalhar mais, produzir mais e fortalecer as instituições pela produtividade de trabalho, com aprovação de leis, de orçamento e ações em interligação com a população, para que ela possa eleger um deputado e depois cobrar dele os resultados desse mandato”.


Envie seu Comentário
Os comentários feitos no Cassilândia News são moderados. Antes de escrever, observe as regras e seja criterioso ao expressar sua opinião. Não serão publicados comentários nas seguintes situações:

1. Sem o remetente identificado com nome, sobrenome e e-mail válido. Codinomes não serão aceitos.
2. Que não tenham relação clara com o conteúdo noticiado.
3. Que tenham teor calunioso, difamatório, injurioso, racista, de incitação à violência ou a qualquer ilegalidade.
4. Que tenham conteúdo que possa ser interpretado como de caráter preconceituoso ou discriminatório a pessoa ou grupo de pessoas.
5. Que contenham linguagem grosseira, obscena e/ou pornográfica.
6. Que transpareçam cunho comercial ou ainda que sejam pertencentes a correntes de qualquer espécie.
7. Que tenham característica de prática de spam.

O Cassilândia News não se responsabiliza pelos comentários dos internautas e se reserva o direito de, a qualquer tempo, e a seu exclusivo critério, retirar qualquer comentário que possa ser considerado contrário às regras definidas acima.
Restamcaracteres.
 
imagem transparente
Últimas notícias
Scroller Top
Quinta, 24 de Janeiro de 2019
Quarta, 23 de Janeiro de 2019
09:00
Santo do dia
06:34
Cassilândia
Terça, 22 de Janeiro de 2019
09:00
Santo do dia
Segunda, 21 de Janeiro de 2019
Scroller Bottom

  • Idalus Internet Solutions
  • TOP DataCenter e Internet
  • Disponível na AppStore
  • Disponível no Google Play
Rua Sebastião Leal, 845, CEP: 79.540-000, Cassilândia (MS)