Cassilândia, Segunda-feira, 18 de Dezembro de 2017

Últimas Notícias

28/12/2004 15:08

Mãe da diplomata morta viaja para a Tailândia

Cristiane Ribeiro/ABr

A esperança de encontrar a filha e o neto vivos se transformou em dor para Tereza Amayo, às 6h30 de hoje, quando um telefonema da embaixada do Brasil em Bancoc, capital da Tailândia, confirmou a morte e a identificação dos corpos de Lys Amayo de Benedek e de seu filho Gianluca, de 10 anos, durante o maremoto que atingiu nove países asiáticos no último fim de semana.

Sem conter as lágrimas, Tereza disse que já falou por telefone com a outra neta, Thais, de 20 anos, que preferiu ficar no hotel a ir ao passeio com os pais, o irmão e um casal de amigos na praia de Phi Phi, onde o grupo passava as festas de fim de ano. A jovem informou que ainda não encontrou o pai, o empresário italiano Antônio D’Avola, que estaria internado em um hospital do balneário. Ela disse que como as centenas de pessoas feridas e vestindo shorts ou maiôs, ele estaria sem documento de identidade.

Thais, que já está em Bancoc, teria pedido à avó que não fosse até lá para não ver o cenário de destruição e de calamidade, mas a mãe de Lys embarca hoje à noite, em vôo com escala em Frankfurt, na Alemanha. Tereza Amayo pretende trazer os corpos para o Brasil, mas disse que vai respeitar a vontade da neta e do genro. "Eu sou apenas a mãe. Eu não quero chegar lá e impor minha vontade. Eu quero ajudar. Eu gostaria que fosse no Brasil, aqui no Rio, que era a casa oficial dela, o seu ninho, como ela dizia".

A diplomata carioca Lys Amayo morava com o marido e os filhos em Bancoc, onde trabalhava na embaixada do Brasil como primeira secretária e conselheira. Ela estaria retornando para o Brasil no próximo ano.

"A Lys terminaria sua missão na Tailândia na metade do próximo ano e meu genro tinha comprado uma casa em Brasília, porque sempre que eles viajavam ela carregava tudo, feito tartaruguinha, caramujinho, com casinha nas costas. Ela estava muito feliz de voltar ao Brasil, porque estava há alguns anos fora do país", lembrou Tereza. "Eu agradeço a todos os amigos, aos colegas, a todas as pessoas que oraram pedindo que minha filha estivesse viva", completou.


Envie seu Comentário
Os comentários feitos no Cassilândia News são moderados. Antes de escrever, observe as regras e seja criterioso ao expressar sua opinião. Não serão publicados comentários nas seguintes situações:

1. Sem o remetente identificado com nome, sobrenome e e-mail válido. Codinomes não serão aceitos.
2. Que não tenham relação clara com o conteúdo noticiado.
3. Que tenham teor calunioso, difamatório, injurioso, racista, de incitação à violência ou a qualquer ilegalidade.
4. Que tenham conteúdo que possa ser interpretado como de caráter preconceituoso ou discriminatório a pessoa ou grupo de pessoas.
5. Que contenham linguagem grosseira, obscena e/ou pornográfica.
6. Que transpareçam cunho comercial ou ainda que sejam pertencentes a correntes de qualquer espécie.
7. Que tenham característica de prática de spam.

O Cassilândia News não se responsabiliza pelos comentários dos internautas e se reserva o direito de, a qualquer tempo, e a seu exclusivo critério, retirar qualquer comentário que possa ser considerado contrário às regras definidas acima.
Restamcaracteres.
 
imagem transparente
Últimas notícias
Scroller Top
Segunda, 18 de Dezembro de 2017
Domingo, 17 de Dezembro de 2017
10:00
Receita do dia
Sábado, 16 de Dezembro de 2017
Scroller Bottom

  • Idalus Internet Solutions
  • TOP DataCenter e Internet
  • Disponível na AppStore
  • Disponível no Google Play
Rua Sebastião Leal, 845, CEP: 79.540-000, Cassilândia (MS)