Cassilândia, Quinta-feira, 24 de Maio de 2018

Últimas Notícias

27/03/2013 10:12

Língua portuguesa, inculta e bela, por Alcides Silva

Alcides Silva

“Faz um 21”

O técnico Luiz Felipe Scolari que na partida futebolística de segunda-feira, dia 25, pretendia transformar os questionamentos que tinha sobre a formação ideal da seleção brasileira em certezas, deve ter deixado o Estádio
Stamford Bridge, de Londres, com mais dúvidas ainda. O Brasil sofreu para empatar por 1 x 1 com a Rússia (gols marcados por Fayzulin e Fred, no segundo tempo), não mostrou evolução e ainda ouviu algumas vaias do público londrino.

E nós, os telespectadores da Globo, éramos de minuto a minuto incentivados por banners a realizarmos ligações telefônicas interurbanas através de determinada empresa. Até parecia que aquele repetido apelo “Faz um 21” fosse o ‘dono da bola’. 

Até bem pouco, a mais que bela Ana Paula Arósio, com voz melodiosa e cativante, era quem nos sugeria a utilização dos serviços de telefonia interurbana com o seu delicioso “Faz um 21”. Hoje são frios painéis eletrônicos em dia de futebol quase medíocre. 

Sei que para os publicitários, a criatividade deve estar acima da linguagem formal, do padrão culto, do certo (bem) ou do errado (mal) e que a sonoridade de uma frase muitas vezes justifica o atropelo gramatical.

A finalidade é incutir no ouvinte ou leitor, destinatário da propaganda, a mensagem do anúncio. Esse objetivo, porém, justificaria a ausência de lógica ou a falta de concatenação das idéias?

Nem sempre, porém, a mensagem publicitária foi de vocabulário mediocrizado: “Melhoral, melhoral, é melhor e não faz mal!” é um exemplo típico dos tempos em que a correção do texto era um dos pressupostos da propaganda.

Hoje, em nome de uma tal de globalização (banalização, diríamos melhor), a sintaxe que se arda!

Ana Paula Arósio convida “Faz um 21”; o banco chama, “Vem pra Caixa você também”.

“Faz um 21” é uma forma imperativa na terceira pessoa do singular, como também o é o “Vem pra Caixa”, pois os verbos ( ‘fazer’ e ‘vir’) estão exortando o ouvinte ou leitor a cumprir a respectiva ação por eles indicada. Ora, a terceira pessoa do imperativo deriva de igual pessoa do presente do subjuntivo: que ele faça, que ele venha.

Então o correto seria: “Faça um 21” e “ Venha para a Caixa”. Se cuidássemos melhor de nosso falar, de nossa língua, talvez tivéssemos de novo o esplendor do futebol-arte que empolgou multidões décadas atrás.

Envie seu Comentário
Os comentários feitos no Cassilândia News são moderados. Antes de escrever, observe as regras e seja criterioso ao expressar sua opinião. Não serão publicados comentários nas seguintes situações:

1. Sem o remetente identificado com nome, sobrenome e e-mail válido. Codinomes não serão aceitos.
2. Que não tenham relação clara com o conteúdo noticiado.
3. Que tenham teor calunioso, difamatório, injurioso, racista, de incitação à violência ou a qualquer ilegalidade.
4. Que tenham conteúdo que possa ser interpretado como de caráter preconceituoso ou discriminatório a pessoa ou grupo de pessoas.
5. Que contenham linguagem grosseira, obscena e/ou pornográfica.
6. Que transpareçam cunho comercial ou ainda que sejam pertencentes a correntes de qualquer espécie.
7. Que tenham característica de prática de spam.

O Cassilândia News não se responsabiliza pelos comentários dos internautas e se reserva o direito de, a qualquer tempo, e a seu exclusivo critério, retirar qualquer comentário que possa ser considerado contrário às regras definidas acima.
Restamcaracteres.
 
imagem transparente
Últimas notícias
Scroller Top
Quinta, 24 de Maio de 2018
Quarta, 23 de Maio de 2018
10:00
Receita do dia
Terça, 22 de Maio de 2018
Scroller Bottom

  • Idalus Internet Solutions
  • TOP DataCenter e Internet
  • Disponível na AppStore
  • Disponível no Google Play
Rua Sebastião Leal, 845, CEP: 79.540-000, Cassilândia (MS)