Cassilândia, Sábado, 03 de Dezembro de 2016

Últimas Notícias

02/12/2004 09:24

Língua portuguesa, inculta e bela

Alcides Silva/O Jornal de Santa Fé do Sul

Idioleto

O comodismo é próprio do ser humano; normalmente aceitamos as coisas como elas nos são apresentadas: é a lei do menor esforço. Daí porque volta-e-meia embarcamos em canoas-furadas, compramos quinquilharias e mezinhas salvadoras, ofertamos contribuições a entidades-fantasmas, caímos no conto-do-vigário, comemos gato por lebre, enfim, somos ludibriados por mera preguiça de pesquisar ou de indagar.
Mas em língua portuguesa, o comodismo de aceitar as palavras e expressões sem se lhes buscar a exata significação, a grafia verdadeira ou a correta pronúncia, faz com que costumeiramente caiamos em erro. A isso se dá o nome de idioleto ou barbarismo, que é um vício de linguagem.
Determinado promotor denunciou um cidadão que teria forçado uma moça a praticar com ele relações sexuais “no fundilho da estação rodoviária de Santa Fé”. Fundilho é a parte das calças correspondentes ao acento. Esse mesmo promotor, de outra feita, concluiu seu arrazoado dizendo que estava provado ter o acusado praticado o delito e, por isso, pedia sua condenação “por ato de ‘pulsinânime’ Justiça.” Pusilânime, dentre outros sentidos, significa ‘fraqueza moral’, ‘covardia’, embora naquela peça de acusação o sentido que se lhe quis dar o troca-letras fosse o de “equânime justiça”... Isso é um idioleto, porque o erro é individual. Se fosse de uso comum pelo povo, chamar-se-ia barbarismo.
Tenho visto placas indicativas de minhocários e anúncios de jornais apregoarem a venda de humus e ouvido ilustradas senhoras dizerem que utilizam-no em seus vasos e xaxins (a maioria, aliás, pronuncia “xaxinhos”). Em português castiço, puro, a palavra é humo, derivada do latim húmus-i, significando matéria orgânica que dá fertilidade à terra. Mas o povo consagrou a forma húmus e assim permanecerá, porque consentânea com a estrutura da língua. E há uma razão lógica para a arcaização do termo humo. É que em latim existe o verbo transitivo humo – ãs- ãre- ãvi- ãtum- com significado de “enterrar”, “cobrir com terra”, “fazer os funerais de alguém”.
Com o advento do Renascimento, no século XVI, foram traduzidas obras dos grandes escritores latinos e gregos e essas traduções motivaram o aparecimento de palavras que, com pequenas modificações, já haviam ingressado na língua portuguesa, como o nome da matéria orgânica dos vasos e xaxins. Xaxim, porém, é palavra de origem tupi-guarani, nome de um samambaiaçu da mata atlântica. Isso, porém, é assunto reservado aos doutores em gramática histórica ou botânicos.
Mas não é o caso “fundilho” e do “pulsinâmine” do promotor, idioletos que deturpam e desfiguram as palavras. A esses erros também é dado o nome de barbarismo ou peregrinismo, quando deixa de ser individual e torna-se costume lingüístico de um grupo. Difere da arcaização, que não é erro, pois restaura o termo primitivo. Constitui barbarismo o emprego de palavras estranhas na forma ou na idéia.
Costumeiramente tenho lido ou ouvido expressões que me fazem lembrar daquele promotor, como as que aparecem a seguir, as grafadas em negrito, as corretas, as em itálico, as consideradas erradas: abóbada codorna degote,degotado; empecilho

Envie seu Comentário
Os comentários feitos no Cassilândia News são moderados. Antes de escrever, observe as regras e seja criterioso ao expressar sua opinião. Não serão publicados comentários nas seguintes situações:

1. Sem o remetente identificado com nome, sobrenome e e-mail válido. Codinomes não serão aceitos.
2. Que não tenham relação clara com o conteúdo noticiado.
3. Que tenham teor calunioso, difamatório, injurioso, racista, de incitação à violência ou a qualquer ilegalidade.
4. Que tenham conteúdo que possa ser interpretado como de caráter preconceituoso ou discriminatório a pessoa ou grupo de pessoas.
5. Que contenham linguagem grosseira, obscena e/ou pornográfica.
6. Que transpareçam cunho comercial ou ainda que sejam pertencentes a correntes de qualquer espécie.
7. Que tenham característica de prática de spam.

O Cassilândia News não se responsabiliza pelos comentários dos internautas e se reserva o direito de, a qualquer tempo, e a seu exclusivo critério, retirar qualquer comentário que possa ser considerado contrário às regras definidas acima.
Restamcaracteres.
 
Últimas notícias
Scroller Top
Sábado, 03 de Dezembro de 2016
10:00
Receita do Dia
06:50
Loterias
Sexta, 02 de Dezembro de 2016
10:00
Receita do Dia
Scroller Bottom

  • Idalus Internet Solutions
  • TOP DataCenter e Internet
  • Disponível na AppStore
  • Disponível no Google Play
Rua Sebastião Leal, 845, CEP: 79.540-000, Cassilândia (MS)