Cassilândia, Sábado, 24 de Junho de 2017

Últimas Notícias

17/12/2005 07:24

Líder dos fazendeiros de MS diz que não existe proposta

Alessandra Bastos e Cecília Jorge/ABr

O governo federal nunca propôs indenização aos fazendeiros de Mato Grosso do Sul, para que desocupassem as terras indígenas Ñhan Ru Mandacaru. A afirmação é do líder dos fazendeiros, Dácio Queiroz. "Imagina o quanto nós temos procurado o Incra [Instituto Nacional de Reforma Agrário], nos últimos sete anos", acrescentou.

Segundo a Fundação Nacional do Índio (Funai), nos casos em que é reconhecido um território indígena não cabe indenização, porque a terra passa a ser da União. A indenização concedida é apenas em relação às benfeitorias.

Ontem (15), os índios desocuparam a área, no sudoeste do estado, em cumprimento a decisão judicial de reintegração de posse. Os 9,3 mil hectares haviam sido homologados em março pelo governo federal. A Polícia Federal acompanhou a retirada dos índios, quando os fazendeiros atearam fogo às casas indígenas. "Eu não participei de nada disso", afirmou Dácio Queiroz. "Tive conhecimento da orientação dos policiais de que a utilização das propriedades era para a agricultura e obviamente aqueles ranchinhos, aquelas casinhas fossem removidas", acrescentou.

De acordo com Odenir Oliveira, assessor da presidência da Funai, havia um acordo com o advogado dos três fazendeiros para eles não modificassem a área, até que uma equipe do governo fosse avaliar as fazendas. "Eles não cumpriram esse acordo", disse ontem (15) à Agência Brasil. Para o líder dos fazendeiros, no entanto, "não tem nenhum tipo de acordo". Ele afirma que "essa terra nunca foi dos índios". E acrescenta: "Voltar para os índios? Acabou de retornar para nós. Estou aqui há 50 anos e nunca houve conflito".

Estudo feito por antropólogos contratados pelo Incra comprova que a terra historicamente pertence aos Guarani-Kaiowá. Mas o fazendeiro argumenta que "também temos um estudo antropológico que diz justamente o contrário. Se foi suspenso o decreto do presidente, quer dizer que alguma coisa está em dúvida". Há sete anos, segundo Dácio Queiroz, "os índios tentaram ocupar a terra à força e nós conseguimos na Justiça a reintegração de posse".

De acordo com o fazendeiro na área há 110 famílias de trabalhadores, produtores e habitantes.

Envie seu Comentário
Os comentários feitos no Cassilândia News são moderados. Antes de escrever, observe as regras e seja criterioso ao expressar sua opinião. Não serão publicados comentários nas seguintes situações:

1. Sem o remetente identificado com nome, sobrenome e e-mail válido. Codinomes não serão aceitos.
2. Que não tenham relação clara com o conteúdo noticiado.
3. Que tenham teor calunioso, difamatório, injurioso, racista, de incitação à violência ou a qualquer ilegalidade.
4. Que tenham conteúdo que possa ser interpretado como de caráter preconceituoso ou discriminatório a pessoa ou grupo de pessoas.
5. Que contenham linguagem grosseira, obscena e/ou pornográfica.
6. Que transpareçam cunho comercial ou ainda que sejam pertencentes a correntes de qualquer espécie.
7. Que tenham característica de prática de spam.

O Cassilândia News não se responsabiliza pelos comentários dos internautas e se reserva o direito de, a qualquer tempo, e a seu exclusivo critério, retirar qualquer comentário que possa ser considerado contrário às regras definidas acima.
Restamcaracteres.
 
imagem transparente
Últimas notícias
Scroller Top
Sábado, 24 de Junho de 2017
Sexta, 23 de Junho de 2017
Quinta, 22 de Junho de 2017
10:00
Receita do Dia
Scroller Bottom

  • Idalus Internet Solutions
  • TOP DataCenter e Internet
  • Disponível na AppStore
  • Disponível no Google Play
Rua Sebastião Leal, 845, CEP: 79.540-000, Cassilândia (MS)