Cassilândia, Segunda-feira, 21 de Maio de 2018

Últimas Notícias

20/05/2014 08:35

Leishmaniose mata 35% mais, apesar da queda de 30% nas notificações

Campo Grande News

A doença da leishmaniose matou 27 pessoas em Mato Grosso do Sul em 2013, número 35% maior que os 20 óbitos registrados no ano anterior, conforme boletim da SES (Secretaria Estadual de Saúde), divulgado hoje (19). Por outro lado, no mesmo período houve redução de 30% nas notificações em humanos, de 330 para 232.

Os dados refletem maior conscientização da população, analisa a médica veterinária Cristiane Nogueira, que há treze anos clinica na Vila Progresso, em Campo Grande.

“As pessoas começaram a cuidar mais dos animais, com uso de coleiras contra a leishmaniose e borrifação de inseticida. Alguns moradores passaram a borrifar até mesmo do lado de fora das casas, como forma de prevenção, para se ter uma ideia do nível de cautela contra a doença”, explica.

O último “boom” da leishmaniose no Estado veio em 2012, com o maior número de casos registrados desde 1999, o que levou os donos de animais a tomar medidas de proteção. “Ninguém queria tomar multa ou ver o animal sendo levado para ser sacrificado, por isso, passaram a prevenir ou tratar”, acrescenta a veterinária.

Polêmica – Outro fator que pode ter levado à redução das notificações, opina a médica, é a recusa em permitir que amostras de sangue do animal sejam coletadas, em alguns casos.

“O CCZ passa no imóvel para inspeção de rotina, mas o morador se recusa a deixar o agente de saúde entrar, porque, caso dê positivo, o animal pode ser recolhido e sacrificado”, conta Cristina. Ao se negar a entregá-lo, a multa é pesada, e varia de R$ 100 a R$ 15 mil.

Cidades de risco – Campo Grande é, disparada, a que mais concentra notificações. As 232 de 2013 foram registradas em 25 cidades, 164, ou 70% delas, na Capital. Em seguida, vem Aquidauna e Rio Verde, com sete casos, e Anastácio e Miranda, com 5.

Desde 1999, primeiro ano da compilação dos dados, foram 3.088 casos em humanos, em 58 municípios, com 267 óbitos.

A leishmaniose é transmitida pela picada de um inseto que, se picar um cachorro que tem a doença, pode infectar o homem.

Não há cura, mas a veterinária ressalta que, ao ser tratado, o cão não transmite a leishmaniose caso seja picado. “Por isso, não há necessidade de sacrifício”, ressalta. O Ministério da Saúde proíbe o tratamento e determina a eutanásia, no entanto, em Campo Grande, o TRF-3 autorizou a manutenção da doença.

Envie seu Comentário
Os comentários feitos no Cassilândia News são moderados. Antes de escrever, observe as regras e seja criterioso ao expressar sua opinião. Não serão publicados comentários nas seguintes situações:

1. Sem o remetente identificado com nome, sobrenome e e-mail válido. Codinomes não serão aceitos.
2. Que não tenham relação clara com o conteúdo noticiado.
3. Que tenham teor calunioso, difamatório, injurioso, racista, de incitação à violência ou a qualquer ilegalidade.
4. Que tenham conteúdo que possa ser interpretado como de caráter preconceituoso ou discriminatório a pessoa ou grupo de pessoas.
5. Que contenham linguagem grosseira, obscena e/ou pornográfica.
6. Que transpareçam cunho comercial ou ainda que sejam pertencentes a correntes de qualquer espécie.
7. Que tenham característica de prática de spam.

O Cassilândia News não se responsabiliza pelos comentários dos internautas e se reserva o direito de, a qualquer tempo, e a seu exclusivo critério, retirar qualquer comentário que possa ser considerado contrário às regras definidas acima.
Restamcaracteres.
 
imagem transparente
Últimas notícias
Scroller Top
Segunda, 21 de Maio de 2018
Domingo, 20 de Maio de 2018
15:18
Cassilândia/Itajá
Sábado, 19 de Maio de 2018
Scroller Bottom

  • Idalus Internet Solutions
  • TOP DataCenter e Internet
  • Disponível na AppStore
  • Disponível no Google Play
Rua Sebastião Leal, 845, CEP: 79.540-000, Cassilândia (MS)