Cassilândia, Sexta-feira, 25 de Maio de 2018

Últimas Notícias

03/10/2005 15:58

Leishmaniose já matou como em 2004 no Mato Grosso do Sul

Fernanda Mathias / Campo Grande News

As mortes por leishmaniose de janeiro até duas semanas atrás em Mato Grosso do Sul já totalizam 15, o mesmo número do ano passado, e o período mais crítico para incidência da doença, após as chuvas, mal começou. O avanço da doença, que já acometeu 237 pessoas, este ano, preocupa autoridades de Saúde e por isso médicos estão passando por treinamento em Campo Grande para que o diagnóstico da doença seja mais preciso. Na Capital ocorreram 7 mortes.

O responsável pelo Programa de Controle de Leishmaniose em Mato Grosso do Sul, Paulo Mira Batista, afirma que a doença, quando no início, é muitas vezes confundida com outras, como a hepatite, devido à similaridade dos sintomas. O problema é que quanto mais cedo for tratada, nos primeiros 20 a 30 dias, melhores os resultados. Por isso em Campo Grande médicos já são capacitados para o diagnóstico e a partir deste mês outros 21 municípios receberão os cursos. Dentre as vítimas que morreram em decorrência da doença, as principais são crianças subnutridas e desnutridas de até um ano e idosos com imunidade deprimida.

A realidade e sazonalidade do vetor da doença, o mosquito flebotomíneo, ainda são estudadas pela área de entomologia da Secretaria de Estado de Saúde, mas se sabe que sua procriação e concentração estão diretamente ligados à presença de lixo orgânico ou matéria em decomposição, como folhas, por exemplo. A oferta dessas condições aumenta nos períodos chuvosos e quentes o que coloca a Saúde em condição de alerta, uma vez que o número de mortes se iguala ao do ano passado antes mesmo dos meses com maiores índices pluviométricos.

O cão é o principal hospedeiro do animal e também adoece. Assim como nos humanos, os sintomas também podem ser confundidos com os de outras doenças, como a queda de pêlo, que pode ser associada à sarna. Outros sintomas apresentados são crescimento exagerado de unhas e apatia. A recomendação é que as pessoas que tiverem algum tipo de suspeita levem os animais para serem examinados gratuitamente no CCZ (Centro de Controle de Zoonozes). No caso de o exame ser afirmativo em relação à presença da doença, o animal é sacrificado. Não há tratamento e no caso em que ele é administrado o dono pode responder por desvio de medicamento, uma vez que o tratamento é oferecido pelo SUS (Sistema Único de Saúde). Nos humanos há um aumento do fígado e do baço, combinado com febre arrastada por mais de 10 dias. A doença compromete o funcionamento do fígado progressivamente.

Envie seu Comentário
Os comentários feitos no Cassilândia News são moderados. Antes de escrever, observe as regras e seja criterioso ao expressar sua opinião. Não serão publicados comentários nas seguintes situações:

1. Sem o remetente identificado com nome, sobrenome e e-mail válido. Codinomes não serão aceitos.
2. Que não tenham relação clara com o conteúdo noticiado.
3. Que tenham teor calunioso, difamatório, injurioso, racista, de incitação à violência ou a qualquer ilegalidade.
4. Que tenham conteúdo que possa ser interpretado como de caráter preconceituoso ou discriminatório a pessoa ou grupo de pessoas.
5. Que contenham linguagem grosseira, obscena e/ou pornográfica.
6. Que transpareçam cunho comercial ou ainda que sejam pertencentes a correntes de qualquer espécie.
7. Que tenham característica de prática de spam.

O Cassilândia News não se responsabiliza pelos comentários dos internautas e se reserva o direito de, a qualquer tempo, e a seu exclusivo critério, retirar qualquer comentário que possa ser considerado contrário às regras definidas acima.
Restamcaracteres.
 
imagem transparente
Últimas notícias
Scroller Top
Sexta, 25 de Maio de 2018
10:00
Receita do dia
Quinta, 24 de Maio de 2018
10:00
Receita do dia
Quarta, 23 de Maio de 2018
Scroller Bottom

  • Idalus Internet Solutions
  • TOP DataCenter e Internet
  • Disponível na AppStore
  • Disponível no Google Play
Rua Sebastião Leal, 845, CEP: 79.540-000, Cassilândia (MS)