Cassilândia, Segunda-feira, 11 de Dezembro de 2017

Últimas Notícias

03/10/2005 15:58

Leishmaniose já matou como em 2004 no Mato Grosso do Sul

Fernanda Mathias / Campo Grande News

As mortes por leishmaniose de janeiro até duas semanas atrás em Mato Grosso do Sul já totalizam 15, o mesmo número do ano passado, e o período mais crítico para incidência da doença, após as chuvas, mal começou. O avanço da doença, que já acometeu 237 pessoas, este ano, preocupa autoridades de Saúde e por isso médicos estão passando por treinamento em Campo Grande para que o diagnóstico da doença seja mais preciso. Na Capital ocorreram 7 mortes.

O responsável pelo Programa de Controle de Leishmaniose em Mato Grosso do Sul, Paulo Mira Batista, afirma que a doença, quando no início, é muitas vezes confundida com outras, como a hepatite, devido à similaridade dos sintomas. O problema é que quanto mais cedo for tratada, nos primeiros 20 a 30 dias, melhores os resultados. Por isso em Campo Grande médicos já são capacitados para o diagnóstico e a partir deste mês outros 21 municípios receberão os cursos. Dentre as vítimas que morreram em decorrência da doença, as principais são crianças subnutridas e desnutridas de até um ano e idosos com imunidade deprimida.

A realidade e sazonalidade do vetor da doença, o mosquito flebotomíneo, ainda são estudadas pela área de entomologia da Secretaria de Estado de Saúde, mas se sabe que sua procriação e concentração estão diretamente ligados à presença de lixo orgânico ou matéria em decomposição, como folhas, por exemplo. A oferta dessas condições aumenta nos períodos chuvosos e quentes o que coloca a Saúde em condição de alerta, uma vez que o número de mortes se iguala ao do ano passado antes mesmo dos meses com maiores índices pluviométricos.

O cão é o principal hospedeiro do animal e também adoece. Assim como nos humanos, os sintomas também podem ser confundidos com os de outras doenças, como a queda de pêlo, que pode ser associada à sarna. Outros sintomas apresentados são crescimento exagerado de unhas e apatia. A recomendação é que as pessoas que tiverem algum tipo de suspeita levem os animais para serem examinados gratuitamente no CCZ (Centro de Controle de Zoonozes). No caso de o exame ser afirmativo em relação à presença da doença, o animal é sacrificado. Não há tratamento e no caso em que ele é administrado o dono pode responder por desvio de medicamento, uma vez que o tratamento é oferecido pelo SUS (Sistema Único de Saúde). Nos humanos há um aumento do fígado e do baço, combinado com febre arrastada por mais de 10 dias. A doença compromete o funcionamento do fígado progressivamente.

Envie seu Comentário
Os comentários feitos no Cassilândia News são moderados. Antes de escrever, observe as regras e seja criterioso ao expressar sua opinião. Não serão publicados comentários nas seguintes situações:

1. Sem o remetente identificado com nome, sobrenome e e-mail válido. Codinomes não serão aceitos.
2. Que não tenham relação clara com o conteúdo noticiado.
3. Que tenham teor calunioso, difamatório, injurioso, racista, de incitação à violência ou a qualquer ilegalidade.
4. Que tenham conteúdo que possa ser interpretado como de caráter preconceituoso ou discriminatório a pessoa ou grupo de pessoas.
5. Que contenham linguagem grosseira, obscena e/ou pornográfica.
6. Que transpareçam cunho comercial ou ainda que sejam pertencentes a correntes de qualquer espécie.
7. Que tenham característica de prática de spam.

O Cassilândia News não se responsabiliza pelos comentários dos internautas e se reserva o direito de, a qualquer tempo, e a seu exclusivo critério, retirar qualquer comentário que possa ser considerado contrário às regras definidas acima.
Restamcaracteres.
 
imagem transparente
Últimas notícias
Scroller Top
Segunda, 11 de Dezembro de 2017
Domingo, 10 de Dezembro de 2017
10:00
Receita do dia
Sábado, 09 de Dezembro de 2017
09:09
Cassilândia
Scroller Bottom

  • Idalus Internet Solutions
  • TOP DataCenter e Internet
  • Disponível na AppStore
  • Disponível no Google Play
Rua Sebastião Leal, 845, CEP: 79.540-000, Cassilândia (MS)