Cassilândia, Segunda-feira, 05 de Dezembro de 2016

Últimas Notícias

24/09/2007 06:36

Leia a íntegra do programa Café com o Presidente

Agência Brasil

Brasília - O presidente Luiz Inácio Lula da Silva comenta na edição de hoje (24) os resultados do último balanço da execução de ações do Programa de Aceleração do Crescimento. Lula também adianta o que dirá esta semana na Assembléia Geral da Nações Unidas sobre o desempenho brasileiro no combate às mudanças climáticas. Leia a seguir a íntegra do programa:

Apresentador: Olá você em todo o Brasil. Eu sou Luiz Fara Monteiro, e começa o programa de rádio do presidente Lula. Tudo bem, presidente?

Presidente: Tudo bem, Luiz.

Apresentador: Falamos aqui direto do estúdio da Radiobrás em Brasília. O presidente Lula está em São Bernardo do Campo. Presidente, na semana passada, foi divulgado o segundo balanço do PAC, o Programa de Aceleração do Crescimento. Dá para dizer que o resultado é positivo, presidente?

Presidente: Luiz, eu acredito que os números são mais do que positivos. Veja, os números apresentados pela coordenação geral mostram que praticamente 80% das obras do PAC estão no ritmo adequado. Ou seja, isso era apenas 52% em abril. Apenas 9,7% das ações do programa foram classificadas como preocupantes, ou seja, aquela que tem uma ação na justiça, aquela que tem uma ação no Tribunal de Contas, aquela que ainda não conseguiu licenciamento prévio.


E nós estamos monitorando até agosto 2014 ações em andamento, ou seja, é quase que 500 ações a mais do que a gente vinha acompanhando em maio do mesmo ano. Significa o quê, Luiz? Significa que o PAC está andando dentro daquilo que nós tínhamos programado, ou seja, é um acompanhamento sistemático, um acompanhamento envolvendo a imprensa, envolvendo a sociedade para que o PAC comece, a partir do ano que vem, a funcionar 100% a todo o vapor.


Porque você veja, nós, quando decidimos um projeto, esse projeto, muitas vezes, precisa do licenciamento prévio, depois desse processo entra a licitação, depois, no processo de licitação, começa, muitas vezes, uma empresa recorre da decisão da Justiça, ou seja, tudo isso está sendo resolvido agora. Algumas obras já estão andando muito bem, outras obras vão começar a andar, e a minha expectativa é que, inclusive, todo o dinheiro que nós colocamos para saneamento básico, que são praticamente R$ 40 bilhões em quatro anos, as obras comecem, quase todas, em fevereiro. Eu tenho conversado com governadores e com prefeitos, e eles estão muito otimistas com relação ao andamento das licitações que estão fazendo nos municípios.

Apresentador: Presidente, por falar em dinheiro, sobre a aplicação do que está previsto no Orçamento, o que foi liberado até agora não é pouco, não?

Presidente: Veja, não é pouco, Luiz, se você levar em conta o seguinte: você vai liberando de acordo com o andamento da obra. Nós temos, para este ano, R$ 14,771 bilhões, ou seja, desse, apenas quase 10% já foram pagos, na verdade, mas já foram empenhados muito mais. E você vai pagando na medida em que você vai executando as obras. Eu acho que nós vamos chegar ao final do ano com uma participação muito maior de pagamento e acho que vamos entrar o próximo ano com o PAC a todo o vapor.

Apresentador: Você está ouvindo o Café com o Presidente. Esta semana falamos sobre o Programa de Aceleração do Crescimento e sobre a viagem do presidente Lula aos Estados Unidos. Esses bons números do PAC, presidente, de alguma forma estão relacionados com o atual quadro da economia brasileira?

Presidente: Eu acredito que sim, Luiz, porque, veja, na medida em que a economia está estabilizada, na medida em que a indústria cresce, na medida em que o comércio cresce, na medida em que a massa salarial cresce, e a inflação fica controlada, ou seja, o PAC na verdade é um desafio, não apenas para o governo, mas um desafio para a participação da iniciativa privada junto com o governo na construção da infra-estrutura que falta para o país. Eu, particularmente, estou convencido de que o crescimento do PIB, estou convencido de que o aumento do salário, estou convencido de que a queda do desemprego, o crescimento do consumo das famílias brasileiras, ou seja, são coisas extremamente importantes, e elas estão intimamente ligadas ao PAC, sobretudo quando a gente analisa o crescimento da construção civil, que havia 20 anos estava paralisado.


Ou seja, se você pegar as estatísticas da construção civil brasileira, ela ficou paralisada praticamente 20 anos, ou seja, sem crescer nada, só mandando trabalhadores embora. De dois anos para cá, ela começou a se recuperar, nós fizemos uma série de mudanças nas leis para facilitar o funcionamento da construção civil, e hoje eu posso te dizer que estou feliz com o que está acontecendo e o que pode acontecer na economia brasileira.

Apresentador: Presidente, mudando de assunto. O senhor participa amanhã em Nova Iorque da reunião da ONU, a Organização das Nações Unidas, que este ano vai discutir a mudança climática. Que dados o Brasil vai levar para essa reunião?

Presidente: Olha, primeiro, nós temos bons dados para mostrar nesse encontro. Ou seja, o plano de ação para prevenção e controle do desmatamento. Entre agosto de 2005 e julho de 2006, a taxa de desmatamento na Amazônia caiu 25%. A área desmatada no país baixou de 27 mil quilômetros quadrados em 2004, para 14 mil quilômetros em 2006. Só para você ter idéia, Luiz, esse desmatamento evitou a emissão de 410 millhões de toneladas de CO², evitou a destruição de 600 milhões de árvores e de mais de 20 mil aves e 750 mil primatas. Ou seja, numa demonstração de que nós estamos evoluindo de forma vigorosa para combater, cada vez mais, o desmatamento e para manter a preservação da nossa floresta, da nossa fauna. Eu estou convencido de que o Brasil tem o que dizer em qualquer debate no mundo.

Apresentador: Ok, presidente, obrigado e até segunda-feira que vem.

Presidente: Luiz, um grande abraço, e até a próxima segunda-feira.

Apresentador: Um abraço para você em todo o Brasil. O Café com Presidente volta na próxima semana. Até lá.




Envie seu Comentário
Os comentários feitos no Cassilândia News são moderados. Antes de escrever, observe as regras e seja criterioso ao expressar sua opinião. Não serão publicados comentários nas seguintes situações:

1. Sem o remetente identificado com nome, sobrenome e e-mail válido. Codinomes não serão aceitos.
2. Que não tenham relação clara com o conteúdo noticiado.
3. Que tenham teor calunioso, difamatório, injurioso, racista, de incitação à violência ou a qualquer ilegalidade.
4. Que tenham conteúdo que possa ser interpretado como de caráter preconceituoso ou discriminatório a pessoa ou grupo de pessoas.
5. Que contenham linguagem grosseira, obscena e/ou pornográfica.
6. Que transpareçam cunho comercial ou ainda que sejam pertencentes a correntes de qualquer espécie.
7. Que tenham característica de prática de spam.

O Cassilândia News não se responsabiliza pelos comentários dos internautas e se reserva o direito de, a qualquer tempo, e a seu exclusivo critério, retirar qualquer comentário que possa ser considerado contrário às regras definidas acima.
Restamcaracteres.
 
Últimas notícias
Scroller Top
Segunda, 05 de Dezembro de 2016
Domingo, 04 de Dezembro de 2016
09:00
Maternidade
Sábado, 03 de Dezembro de 2016
Scroller Bottom

  • Idalus Internet Solutions
  • TOP DataCenter e Internet
  • Disponível na AppStore
  • Disponível no Google Play
Rua Sebastião Leal, 845, CEP: 79.540-000, Cassilândia (MS)