Cassilândia, Domingo, 27 de Maio de 2018

Últimas Notícias

07/04/2006 10:23

Leia a coluna Amplavisão, por Manoel Afonso

Manoel Afonso

É O ORRO? Quando perguntado, ele esconde o leite. Mas há indícios de que poderia ser o candidato à vice de André. Seu perfil calmo somado à experiência de vida pública seriam os predicados ideais para o cargo.

O ACERTO. Os deputados do PDT desconversam e o próprio Orro sai pela tangente. Mas as negociações vem evoluindo e Orro não tem arestas nem dentro do PMDB, onde transita bem. Seu passado é seu passaporte.

ALERTA. Tem gente sonhando com uma cadeira na Assembléia, mas não é bem assim. Pelos cálculos iniciais, o temido quociente eleitoral deve oscilar entre 40 a 45 mil votos. Sonhar é bom, mas ter juízo é melhor.

EXEMPLO de dificuldades reside no PPS. Geraldo Rezende tentará a Assembléia, mas com sérios riscos. Seu companheiro mais forte no partido é Athayde? Os outros nomes, fracos. Alcançarão o quociente?

MAFUCI KADRI. “Cap” dos hospitais El Kadri e Sírio Libanês, recusou proposta para tentar a AL. com tudo pago. Lembra: “quem patrocina vai querer a compensação. E depois, não tenho perfil para ser político.”

O EPISÓDIO revelado ao cronista pelo próprio Mafuci, Grão Mestre da Grande Loja , mostra que o estigma da política está afastando muita gente bem intencionada, com potencial para beneficiar a sociedade.

JOÃO MELÃO: “O negócio mais lucrativo do mundo, se fosse possível, seria comprar petistas pelo tanto que valem e revendê-los por quanto eles julgam valer...Caiu da máscara do governo dos humildes.”

SALVE-SE QUEM... Um deputado do PDT, confessando-me em “off” que reconhecia o futuro sombrio da administração estadual, mas que está realmente preocupado é com sua reeleição. A velha tese: cada um por si.

PERDAS. Na Assembléia fala-se que o deputado Arroyo terá a situação eleitoral complicada caso se confirme a candidatura de Pepê. Haverá divisão de votos na família. A mulher de Arroyo é sobrinha de Pedrossian.

GOLPE. Segundo a Abert, nenhuma emissora de rádio do MS comprou a cota de U$150 mil para transmitir a Copa. No Brasil, só 25. O velho filme: o radialista fica no hotel vendo TV dizendo que está no estádio.

MURILO. Sabe até onde vai seu tiro e do seu fraco PFL no Estado. Joga para ganhar espaço e negociar a sua candidatura à prefeitura de Dourados. Neste caso, quem dançaria, mais uma vez, seria Marçal Filho.

MARÇAL FILHO. Está sendo induzido por André para tentar a Câmara Federal, famoso sumidouro de políticos. O vaidoso radialista bom de voz, não tem tanto prestígio junto aos cacifes do PMDB. Sua vez passou?

ARI ARTUZZI. Está bombando nas pesquisas em Dourados. Seu trabalho social é forte. Ele próprio transporta eleitores aos hospitais da capital e de Dourados. Aqui, tem uma base forte nas Moreninhas. Portanto...

LEMBRO. Aos olhos da mídia da capital, as velhas elites de Dourados perderam espaço, quer por incompetência pessoal ou por fatores diversos. E é aí, com seu jeitão de colono, que Artuzzi cresceu na periferia. Sacou?

ENÉAS. Virou um frango de pescoço pelado. Sua vez já passou, quando teve mais votos que Brizola, Quércia e Ulisses. Daí desandou falar besteiras como bomba atômica. Não vai a lugar algum. Não é mais aquele.

MARCELO MIRANDA. Antes do fim do prazo da desincompatibilização esteve em Paranaíba, conversou com os companheiros e desistiu da candidatura à deputado. Como bom mineiro, fica quieto no Denit.

PERGUNTA-SE: como votaram João Grandão, Geraldo Rezende, Biff, Cruz, Moka e Zauth no processo de cassação do deputado João Paulo? Até aqui, só Nelson Trad não fez segredo e rasgou o verbo. Certo?

O ELEITOR deve ficar atento em momentos como esse, onde o seu deputado se esconde na moita do voto secreto, fica com o partido ou com seus interesses pessoais e dá banana para a opinião pública.

À PROPÓSITO. Foi hilária a tese do sacana João Paulo na tribuna, segundo a qual não os deputados não devem se influenciar pela opinião pública. E onde está o PT que buscava na opinião pública munição de palanque?

DELCÍDIO-1. Surpreendentemente deu a volta por cima, não se curvou aos petistas. Boa foi a frase do Jorge Bittar: “O senador não se portou como um verdadeiro petista.” Ser petista é ser sacana como Zé Dirceu e Cia?

DELCÍDIO-2. Vai se licenciar para se dedicar à campanha. Ele lembra aquele cara que chega atrasado no baile e não tem mais parceira para dançar. Todas comprometidas! Vamos ver como se comporta daqui pra frente.

DO LEITOR. Lamentável! Com aquela imensidão de palhaços “trabalhadores” em Brasília, fomos perder o respeitável Carequinha? Aliás, dizer que o ocorrido na Câmara Federal é palhaçada é ofender o circo.


Coluna de responsabilidade de Manoel Afonso - TV/Record

Envie seu Comentário
Os comentários feitos no Cassilândia News são moderados. Antes de escrever, observe as regras e seja criterioso ao expressar sua opinião. Não serão publicados comentários nas seguintes situações:

1. Sem o remetente identificado com nome, sobrenome e e-mail válido. Codinomes não serão aceitos.
2. Que não tenham relação clara com o conteúdo noticiado.
3. Que tenham teor calunioso, difamatório, injurioso, racista, de incitação à violência ou a qualquer ilegalidade.
4. Que tenham conteúdo que possa ser interpretado como de caráter preconceituoso ou discriminatório a pessoa ou grupo de pessoas.
5. Que contenham linguagem grosseira, obscena e/ou pornográfica.
6. Que transpareçam cunho comercial ou ainda que sejam pertencentes a correntes de qualquer espécie.
7. Que tenham característica de prática de spam.

O Cassilândia News não se responsabiliza pelos comentários dos internautas e se reserva o direito de, a qualquer tempo, e a seu exclusivo critério, retirar qualquer comentário que possa ser considerado contrário às regras definidas acima.
Restamcaracteres.
 
imagem transparente
Últimas notícias
Scroller Top
Domingo, 27 de Maio de 2018
Sábado, 26 de Maio de 2018
14:57
Cassilândia
10:00
Receita do dia
Scroller Bottom

  • Idalus Internet Solutions
  • TOP DataCenter e Internet
  • Disponível na AppStore
  • Disponível no Google Play
Rua Sebastião Leal, 845, CEP: 79.540-000, Cassilândia (MS)