Cassilândia, Quinta-feira, 24 de Maio de 2018

Últimas Notícias

17/09/2008 14:59

Lei obriga uso de cadeirinha no banco de trás do carro

Renato Lima/Campo Grande News

Já faz tempo que o uso de cinto de segurança é lei, para motoristas e passageiros, inclusive no banco traseiro. Mas uma nova lei do Contran (Conselho Nacional de Trânsito) determina que todas as crianças de zero a sete anos sejam transportadas no banco traseiro com o uso obrigatório de dispositivos de segurança, popularmente chamadas de cadeirinhas.

A resolução 227 do Contran já foi aprovada, mas só vai entrar em vigor a partir de maio de 2010, por enquanto os motoristas estão sendo orientados. Quando a resolução passar a valer, criança que for pega no carro sem a cadeirinha, o responsável será multado em R$ 574,62 e perder 7 pontos na carteira.

Durante toda a manhã de hoje a PRF (Polícia Rodoviária Federal) fez uma blitz educativa para orientar os pais sobre o uso do dispositivo. Uma antecipação da semana nacional de trânsito que começa amanhã, com o tema “Criança e Trânsito”.

Foram levadas para o posto da PRF na BR-163, saída para São Paulo, dois veículos com quatro modelos de cadeirinhas, para os diferentes pesos e idades das crianças.

Só em Mato Grosso do Sul no ano passado 478 crianças de até 12 anos foram vítimas de acidentes de trânsito por não estarem usando os dispositivos. A falta da cadeirinha levou à morte outras 13 crianças aqui no Estado. No Brasil o número de mortes chega a 1,2 mil por ano.

Segundo as estatísticas da PRF, apenas 20% dos pais usam as cadeirinhas quando transportam os filhos no carro.

Testes mostram que em um acidente com carro a 50 Km/h, uma criança de 10 quilos que não está usando a cadeirinha é arremessada com um peso de aproximadamente 500 quilos. Força e velocidade que nenhum colo de mãe consegue segurar.


Reprovado - O carro de Kelly Santana foi parado na blitz. Hender Henrique, de 3 anos, estava lá ao lado da mãe no banco de trás, dento de uma cadeirinha. Cena politicamente correta se não fosse um detalhe: a cadeirinha de Hender não tinha o selo do Inmetro (Instituto de Metrologia).

A mãe disse que não sabia que o modelo que ela comprou, onde o suporte da cadeira são ganchos presos no encosto do banco, estivesse reprovado pelo órgão que testa a segurança do equipamento.

Essa é uma das situações que os pais devem ficar atentos, explica a empresária Mônica Cervera. “Muitas vezes os pais se preocupam com o preço e compram as cadeiras no Paraguai, mas sem o selo do Inmetro. Isso pode colocar em risco a vida do próprio filho”.

Costume – Muitas mães deixam de priorizar a segurança dos filhos para evitar o choro das crianças que não querem ficar atadas no banco de trás.

Silvanete da Silva, de 32 anos, achava que a cadeirinha fosse só para ser usada na cidade. E trouxe o pequeno Francisco, de 2 anos e meio no colo, de Lagoa Bonita para Campo Grande.

Parada na blitz, ela foi convidada para conhecer as opções das cadeirinhas. Francisco até provou a indicada para o peso dele, com cinto de três pontos.

Mônica que também é mãe de três filhas em idade infantil tem uma teoria “Se a criança não gostar, é melhor que chore a criança do que a mãe”, comparando a dor da perda de um filho em acidente por falta do dispositivo de segurança.

Preços e Modelos – A regulamentação estabelece os modelos que devem ser escolhidos baseados no peso e tamanho da criança.

Até 13 Kg – Deve ser usado o Bebê Conforto, a cadeira é projetada para ser presa com o cinto de segurança e deve ficar de costas para o motorista. O preço varia em torno de R$ 300.

De 9 a 25 Kg – Cadeirão, a criança fica na posição sentada, presa ao cinto de três pontos da própria cadeira. O preço varia em torno de R$ 480.

De 15 a 36 Kg – Cadeira e Assento, pode ser um modelo de cadeira com proteção para a cabeça ou apenas um assento para elevar a criança. Nessa fase a criança já utiliza o próprio cinto de segurança do carro. Pode ser encontrada a partir de R$ 120.

Envie seu Comentário
Os comentários feitos no Cassilândia News são moderados. Antes de escrever, observe as regras e seja criterioso ao expressar sua opinião. Não serão publicados comentários nas seguintes situações:

1. Sem o remetente identificado com nome, sobrenome e e-mail válido. Codinomes não serão aceitos.
2. Que não tenham relação clara com o conteúdo noticiado.
3. Que tenham teor calunioso, difamatório, injurioso, racista, de incitação à violência ou a qualquer ilegalidade.
4. Que tenham conteúdo que possa ser interpretado como de caráter preconceituoso ou discriminatório a pessoa ou grupo de pessoas.
5. Que contenham linguagem grosseira, obscena e/ou pornográfica.
6. Que transpareçam cunho comercial ou ainda que sejam pertencentes a correntes de qualquer espécie.
7. Que tenham característica de prática de spam.

O Cassilândia News não se responsabiliza pelos comentários dos internautas e se reserva o direito de, a qualquer tempo, e a seu exclusivo critério, retirar qualquer comentário que possa ser considerado contrário às regras definidas acima.
Restamcaracteres.
 
imagem transparente
Últimas notícias
Scroller Top
Quinta, 24 de Maio de 2018
Quarta, 23 de Maio de 2018
10:00
Receita do dia
Scroller Bottom

  • Idalus Internet Solutions
  • TOP DataCenter e Internet
  • Disponível na AppStore
  • Disponível no Google Play
Rua Sebastião Leal, 845, CEP: 79.540-000, Cassilândia (MS)