Cassilândia, Segunda-feira, 05 de Dezembro de 2016

Últimas Notícias

01/12/2009 06:59

Justiça nega pedido para cremar corpo de Neide Mota

João Humberto e Denis Matos, Campo Grande News

A juíza de direito da 3ª Vara de Fazenda Pública, Maria Isabel de Matos Rocha, indeferiu ontem o pedido de autorização para cremação e translado do corpo da ex-médica Neide Mota Machado, encontrada morta dentro de seu veículo Cross Fox, anteontem à tarde, em frente a propriedade rural Capril Primavera, no Jardim Veraneio, em Campo Grande.

A advogada da família de Neide Mota, Nathália Azambuja Falcão Novaes, entrou com pedido de autorização judicial para o traslado e cremação do corpo da ex-médica, em São Paulo (SP). A requerente do pedido é Glicemia Fonseca Mota.

Como as circunstâncias do caso determinam que houve "morte violenta", as decisões a respeito do corpo devem ser tomadas pela Justiça, já que existe uma investigação e a cremação poderia eliminar a prova principal, que é o corpo.

Conforme a juíza Maria Isabel, caso haja necessidade de uma investigação criminal mais aprofundada, visando a elucidação do caso, é necessária a análise do corpo de Neide e por isso a cremação, nesse instante, não foi liberada.

A magistrada ainda frisa que durante as investigações ou mesmo na fase processual, é perfeitamente cogitável a realização de exumação cadavérica visando à efetivação de exames médicos legais complementares em virtude do surgimento de dúvidas sobre questões ocasionalmente não esclarecidas.

Com a cremação, provas criminais podem ser eliminadas e isso inviabilizaria ou dificultaria o esclarecimento do caso. Para a realização de cremação, segundo a juíza, também é conveniente que seja ouvida a autoridade policial responsável pelas investigações sobre o caso Neide Mota, até mesmo para consentir sobre a liberação do corpo para traslado e cremação.

Como até o momento não foi identificada qual a real causa da morte da ex-médica, a magistrada explica que para a liberação para traslado e cremação do corpo, é de significativa importância um atestado firmado por médico legista que defina a causa da morte.

Ainda de acordo com a juíza Maria Isabel, não existe prova concreta se era mesmo a vontade da ex-médica ser cremada. A autorização também não pode ser concedida, já que a declaração de óbito aponta a pendência do resultado do exame toxicológico.

Quanto aos inconvenientes de persistir o corpo sem sepultamento, a Justiça entende que existem meios de conservação que são utilizados em muitos casos onde não é possível o sepultamento imediato.

Envie seu Comentário
Os comentários feitos no Cassilândia News são moderados. Antes de escrever, observe as regras e seja criterioso ao expressar sua opinião. Não serão publicados comentários nas seguintes situações:

1. Sem o remetente identificado com nome, sobrenome e e-mail válido. Codinomes não serão aceitos.
2. Que não tenham relação clara com o conteúdo noticiado.
3. Que tenham teor calunioso, difamatório, injurioso, racista, de incitação à violência ou a qualquer ilegalidade.
4. Que tenham conteúdo que possa ser interpretado como de caráter preconceituoso ou discriminatório a pessoa ou grupo de pessoas.
5. Que contenham linguagem grosseira, obscena e/ou pornográfica.
6. Que transpareçam cunho comercial ou ainda que sejam pertencentes a correntes de qualquer espécie.
7. Que tenham característica de prática de spam.

O Cassilândia News não se responsabiliza pelos comentários dos internautas e se reserva o direito de, a qualquer tempo, e a seu exclusivo critério, retirar qualquer comentário que possa ser considerado contrário às regras definidas acima.
Restamcaracteres.
 
Últimas notícias
Scroller Top
Segunda, 05 de Dezembro de 2016
Domingo, 04 de Dezembro de 2016
09:00
Maternidade
Sábado, 03 de Dezembro de 2016
Scroller Bottom

  • Idalus Internet Solutions
  • TOP DataCenter e Internet
  • Disponível na AppStore
  • Disponível no Google Play
Rua Sebastião Leal, 845, CEP: 79.540-000, Cassilândia (MS)