Cassilândia, Segunda-feira, 18 de Dezembro de 2017

Últimas Notícias

23/06/2014 09:44

Justiça nega liberdade para servidora que cobrou propina de hospital

Campo Grande News

A Justiça Federal negou pedido de liberdade provisória para Roberlayne Patrícia Alves, 28 anos, presa por cobrar propina de R$ 150 mil do Hospital do Câncer Alfredo Abrão. Ela era servidora do Ministério da Saúde e foi desligada do cargo após a prisão efetivada pela PF (Polícia Federal), em Campo Grande.

O juiz da 3ª Vara Federal, Odilon Oliveira, manteve a prisão preventiva. Agora, a defesa vai entrar com pedido de habeas corpus no TRF 3 (Tribunal Regional Federal da 3ª Região). “Estou aguardando a chegada de alguns documentos e devo entrar com habeas corpus na quarta-feira”, afirma a advogada Maria Luiza Melo Siqueira.

Conforme a denúncia, a chantagem começou no dia 15 de maio, em encontro com o diretor-presidente do Hospital do Câncer, Carlos Coimbra, em Brasília. Primeiro, a servidora exigiu R$ 50 mil para agilizar a liberação de R$ 1 milhão para a compra de dois equipamentos. Depois, cobrou mais R$ 100 mil em troca de emenda de R$ 1,6 milhão para a instituição adquirir acelerador linear, utilizado na radioterapia.

Com a autorização do juiz federal Odilon Oliveira, Coimbra depositou R$ 50 mil em uma conta bancária informada pela servidora. O procedimento permitiu a PF rastrear a conta, de titularidade do pai de ex-namorado da funcionária do Ministério. Roberlayne Patrícia Alves segue presa em Campo Grande.

Envie seu Comentário
Os comentários feitos no Cassilândia News são moderados. Antes de escrever, observe as regras e seja criterioso ao expressar sua opinião. Não serão publicados comentários nas seguintes situações:

1. Sem o remetente identificado com nome, sobrenome e e-mail válido. Codinomes não serão aceitos.
2. Que não tenham relação clara com o conteúdo noticiado.
3. Que tenham teor calunioso, difamatório, injurioso, racista, de incitação à violência ou a qualquer ilegalidade.
4. Que tenham conteúdo que possa ser interpretado como de caráter preconceituoso ou discriminatório a pessoa ou grupo de pessoas.
5. Que contenham linguagem grosseira, obscena e/ou pornográfica.
6. Que transpareçam cunho comercial ou ainda que sejam pertencentes a correntes de qualquer espécie.
7. Que tenham característica de prática de spam.

O Cassilândia News não se responsabiliza pelos comentários dos internautas e se reserva o direito de, a qualquer tempo, e a seu exclusivo critério, retirar qualquer comentário que possa ser considerado contrário às regras definidas acima.
Restamcaracteres.
 
imagem transparente
Últimas notícias
Scroller Top
Segunda, 18 de Dezembro de 2017
Domingo, 17 de Dezembro de 2017
10:00
Receita do dia
Sábado, 16 de Dezembro de 2017
Scroller Bottom

  • Idalus Internet Solutions
  • TOP DataCenter e Internet
  • Disponível na AppStore
  • Disponível no Google Play
Rua Sebastião Leal, 845, CEP: 79.540-000, Cassilândia (MS)