Cassilândia, Domingo, 27 de Maio de 2018

Últimas Notícias

23/06/2014 09:44

Justiça nega liberdade para servidora que cobrou propina de hospital

Campo Grande News

A Justiça Federal negou pedido de liberdade provisória para Roberlayne Patrícia Alves, 28 anos, presa por cobrar propina de R$ 150 mil do Hospital do Câncer Alfredo Abrão. Ela era servidora do Ministério da Saúde e foi desligada do cargo após a prisão efetivada pela PF (Polícia Federal), em Campo Grande.

O juiz da 3ª Vara Federal, Odilon Oliveira, manteve a prisão preventiva. Agora, a defesa vai entrar com pedido de habeas corpus no TRF 3 (Tribunal Regional Federal da 3ª Região). “Estou aguardando a chegada de alguns documentos e devo entrar com habeas corpus na quarta-feira”, afirma a advogada Maria Luiza Melo Siqueira.

Conforme a denúncia, a chantagem começou no dia 15 de maio, em encontro com o diretor-presidente do Hospital do Câncer, Carlos Coimbra, em Brasília. Primeiro, a servidora exigiu R$ 50 mil para agilizar a liberação de R$ 1 milhão para a compra de dois equipamentos. Depois, cobrou mais R$ 100 mil em troca de emenda de R$ 1,6 milhão para a instituição adquirir acelerador linear, utilizado na radioterapia.

Com a autorização do juiz federal Odilon Oliveira, Coimbra depositou R$ 50 mil em uma conta bancária informada pela servidora. O procedimento permitiu a PF rastrear a conta, de titularidade do pai de ex-namorado da funcionária do Ministério. Roberlayne Patrícia Alves segue presa em Campo Grande.

Envie seu Comentário
Os comentários feitos no Cassilândia News são moderados. Antes de escrever, observe as regras e seja criterioso ao expressar sua opinião. Não serão publicados comentários nas seguintes situações:

1. Sem o remetente identificado com nome, sobrenome e e-mail válido. Codinomes não serão aceitos.
2. Que não tenham relação clara com o conteúdo noticiado.
3. Que tenham teor calunioso, difamatório, injurioso, racista, de incitação à violência ou a qualquer ilegalidade.
4. Que tenham conteúdo que possa ser interpretado como de caráter preconceituoso ou discriminatório a pessoa ou grupo de pessoas.
5. Que contenham linguagem grosseira, obscena e/ou pornográfica.
6. Que transpareçam cunho comercial ou ainda que sejam pertencentes a correntes de qualquer espécie.
7. Que tenham característica de prática de spam.

O Cassilândia News não se responsabiliza pelos comentários dos internautas e se reserva o direito de, a qualquer tempo, e a seu exclusivo critério, retirar qualquer comentário que possa ser considerado contrário às regras definidas acima.
Restamcaracteres.
 
imagem transparente
Últimas notícias
Scroller Top
Sábado, 26 de Maio de 2018
14:57
Cassilândia
10:00
Receita do dia
Sexta, 25 de Maio de 2018
Scroller Bottom

  • Idalus Internet Solutions
  • TOP DataCenter e Internet
  • Disponível na AppStore
  • Disponível no Google Play
Rua Sebastião Leal, 845, CEP: 79.540-000, Cassilândia (MS)