Cassilândia, Segunda-feira, 06 de Julho de 2020

Últimas Notícias

03/06/2020 15:20

Justiça julga improcedente ação de improbidade do MP contra o Prefeito Jair Boni

O Ministério Público informou já ter recorrido da decisão

Redação
Justiça julga improcedente ação de improbidade do MP contra o Prefeito Jair Boni

O Ministério Público Estadual, por intermédio do Promotor de Justiça Dr. Pedro Magalhães, ingressou com ação civil de improbidade administrativa contra o Prefeito Jair Boni Cogo, distribuída sob o número nº º 0900055-31.2019.8.12.0007, alegando, em síntese, que:

"o Tribunal de Justiça do Estado de Mato Grosso do Sul encaminhou à Procuradoria Geral de Justiça um expediente, relatando que o prefeito retirou da subconta de terceiros, a quantia de R$ 7.385.357,87, a qual deve ser restituída, nos termos do artigo 3.º, § 3.º, da LC 151. Informa que, nos autos, consta termo de compromisso firmado pelo requerido, comprometendo-se a diversas obrigações, tendo o Município sido intimado para, em 48 horas, cumprir uma das obrigações a que se comprometeu, ou seja, a de efetuar a restituição do valor de R$ 7.149.656,34 e R$ 12.404,88, entretanto, manteve-se inerte. Sustenta que os fatos demonstram descumprimento deliberado pelo requerido Jair Boni Cogo, na função de Prefeito de Cassilândia/MS, de suas responsabilidades assumidas expressamente em termo de compromisso, para receber os depósitos judiciais de que trata o artigo 3.º da Lei n. 151/2015, causando dano ao erário, caracterizando improbidade administrativa, pela gestão irresponsável dos recursos públicos."

O Prefeito Jair Boni Cogo apresentou defesa sustentando que:

"O requerido apresentou defesa prévia nas fls. 421/428, alegando que o único ato supostamente ímprobo imputado ao requerido é o descumprimento do prazo para devolução da importância levantada, não lhe sendo imputada a acusação de desvio de verba pública, já que todo o montante levantado foi utilizado para pagamento de despesas correntes do Município, destacando que o mero descumprimento de prazo para restituição, por circunstâncias alheias à vontade do réu, não pode implicar em ofensa aos princípios administrativos, capaz de se traduzir em ato de improbidade. Aduz ainda que, reconhecendo o débito, o Município formalizou acordo com o Tribunal de Justiça, para fins de viabilizar o pagamento do montante devido, em parcelas a serem descontadas das transferências obrigatórias realizadas pelo Estado de Mato Grosso do Sul."

A Magistrada Flávia Simone Cavalcante, Juíza titular da 1ª Vara de Cassilândia, após a análise das provas, proferiu no dia 24 de abril do corrente ano, a senteça julgando improcedente os pedidos iniciais do Ministério Público Estadual, mediante os seguintes fundamentos:

"No caso, apesar de o prefeito municipal ter assinado termo de compromisso (fl. 28), obrigando-se a recompor o fundo de reserva, em até 48 (quarenta e oito) horas, entendo que, diante da situação inesperada do caso em específico - cancelamento da penhora em execução fiscal -, o requerido não agiu com dolo de causar prejuízo ao erário, já que, utilizando-se da prerrogativa da utilização dos depósitos, sacou os valores e os aplicou na administração do município.

Evidentemente que, ao não mais existir saldo no fundo de reserva do Município, o prefeito foi intimado para, em 48 horas, restituir quantia vultuosa, de que não mais dispunha, diante da utilização dos recursos que retirou da conta única.

Observo, assim, que o agente público não agiu com dolo em causar prejuízo ao erário, mas, por insuficiência de recursos do município, não conseguiu recompor o fundo de reserva de depósitos.

Talvez, pode-se afirmar que o agente público não tenha se cercado de todos os cuidados devidos para que tal situação inesperada não ocorresse, todavia, ciente da situação de dificuldade financeira que a maioria dos Municípios do país vive, compreendo que a situação deste Município não é diferente, de forma que, em qualquer situação inesperada, a ausência de recursos é uma situação certa.

(...)

Diante do exposto, nos termos do artigo 487, inciso I, do Código de Processo Civil, julgo improcedente o pedido inicial, por ausência de comprovação de dolo, ainda que genérico, na conduta do requerido de não recompor o fundo de reserva.

Diante da sucumbência do Ministério Público, deixo de condena-lo ao pagamento das custas processuais e honorários, diante da isenção legal.

Publique-se. Registre-se. Intimem-se.

Se apresentada apelação por qualquer das partes, intime-se a parte contrária para apresentar contrarrazões, em 15 dias. Se apresentada apelação adesiva junto com as contrarrazões, intime-se o apelante contrarrazoá-la, em 15 dias. Após, encaminhemse os autos ao Tribunal de Justiça para julgamento do(s) recurso(s).

Após o trânsito em julgado, nada mais sendo requerido, arquive-se.

Cassilândia-MS, 24 de abril de 2020.

Flávia Simone Cavalcante
Juíza de Direito
Assinatura por Certificação Digital"

Envie seu Comentário
Os comentários feitos no Cassilândia News são moderados. Antes de escrever, observe as regras e seja criterioso ao expressar sua opinião. Não serão publicados comentários nas seguintes situações:

1. Sem o remetente identificado com nome, sobrenome e e-mail válido. Codinomes não serão aceitos.
2. Que não tenham relação clara com o conteúdo noticiado.
3. Que tenham teor calunioso, difamatório, injurioso, racista, de incitação à violência ou a qualquer ilegalidade.
4. Que tenham conteúdo que possa ser interpretado como de caráter preconceituoso ou discriminatório a pessoa ou grupo de pessoas.
5. Que contenham linguagem grosseira, obscena e/ou pornográfica.
6. Que transpareçam cunho comercial ou ainda que sejam pertencentes a correntes de qualquer espécie.
7. Que tenham característica de prática de spam.

O Cassilândia News não se responsabiliza pelos comentários dos internautas e se reserva o direito de, a qualquer tempo, e a seu exclusivo critério, retirar qualquer comentário que possa ser considerado contrário às regras definidas acima.
Restamcaracteres.
 
imagem transparente
Últimas notícias
Scroller Top
Segunda, 06 de Julho de 2020
Domingo, 05 de Julho de 2020
Scroller Bottom

  • Idalus Internet Solutions
  • TOP DataCenter e Internet
  • Disponível na AppStore
  • Disponível no Google Play
Rua Sebastião Leal, 845, CEP: 79.540-000, Cassilândia (MS)