Cassilândia, Domingo, 25 de Fevereiro de 2018

Últimas Notícias

20/09/2017 10:40

Justiça impede censura de peça com transexual no papel de Jesus

Midiamax

O juiz José Antônio Coitinho, da 2ª Vara da Fazenda Pública da Comarca de Porto Alegre, negou nesta terça-feira o pedido para censurar a exibição da peça teatral O Evangelho Segundo Jesus, Rainha do Céu durante a programação do 24º Porto Alegre Em Cena, na capital gaúcha. A peça é um monólogo em que uma atriz transexual interpreta Jesus Cristo. O texto é de autoria da dramaturga Jo Clifford e sua exibição chegou a ser proibida em Jundiaí (SP).

“E, sem citar um único artigo de lei, vamos garantir a liberdade de expressão dos homens, das mulheres, da dramaturga transgênero e da travesti atriz, pelo mais simples e verdadeiro motivo: porque somos todos iguais”, determinou o juiz Coitinho na sua sentença.

O magistrado afirma ainda no texto da decisão que “não se pode censurar a peça sob argumento de que estamos em desacordo com seu conteúdo. A liberdade de expressão tem de ser garantida e não cerceada – pelo Judiciário. Censurar arte é censurar pensamento e censurar pensamento é impedir desenvolvimento humano”.

O pedido para proibir a exibição da peça foi movido pelo advogado Pedro Geraldo Cancian Lagomarcino Gomes contra a Prefeitura de Porto Alegre, que promove o festival, e contra a Pinacoteca Rubem Berta, onde a peça será apresentada nos dias 21 e 22 de setembro, às 22h. Entre os argumentos de Gomes, está a questão sexual e seu entendimento de que a peça “não é arte”. “Gostemos ou não, a famigerada peça é, sim, uma obra de arte”, afirma o magistrado na sua decisão.

O juiz ainda afirma que “se a ideia [da peça] é de bom ou mau gosto, para mim ou para outra pessoa, pouco importa. Ao juiz é vedado proibir que cada ser humano expresse sua fé ou a falta desta da maneira que melhor lhe aprouver. Não lhe compete essa censura.” “A alegada questão da sexualidade de personagens, imaginada para o espetáculo, é absolutamente irrelevante. Transexual, heterossexual, homossexual, bissexual, constituem seres humanos idênticos na essência, não sendo minimamente sustentável a tese de que uma ou outra opção possa diminuir ou enobrecer quem quer que seja representado no teatro. (…) Defendemos a liberdade de escolher, de toda pessoa escolher, de acordo com sua evolução, o que fazer de sua vida, em todos os aspectos, mantido o respeito pelo seu semelhante”, escreveu o magistrado.

“Antes da estreia na capital gaúcha, já está aflorando paixões. Ódio, parece já ter despertado. O que melhor consistiria em arte do que a obra que toca, acaricia ou fere os sentimentos humanos? O ajuizamento da presente demanda e as angústias que vertem da inicial são a prova contundente de que, de arte, estamos a falar. Claro que, como tal, está sujeita a toda crítica e o processo judicial a critica duramente. Não estamos falando de encenação que será transmitida em televisão aberta. Tampouco em televisão a cabo. Nem em rádio serão ouvidas as falas dos artistas. Não vai invadir nossas casas e atormentar o imaginário de nossos filhos ou vilipendiar a moral dos idosos” argumenta Coitinho.

O juiz relembrou ainda o assassinato de 12 pessoas, entre elas cinco cartunistas do jornal francês Charlie Hebdo, em janeiro de 2015 – por muçulmanos que consideravam ofensivo o conteúdo das charges sobre Maomé e o Islã publicados pelo veículo – e encerrou seu texto afirmando: Je suis Charlie (Eu sou Charlie).

Envie seu Comentário
Os comentários feitos no Cassilândia News são moderados. Antes de escrever, observe as regras e seja criterioso ao expressar sua opinião. Não serão publicados comentários nas seguintes situações:

1. Sem o remetente identificado com nome, sobrenome e e-mail válido. Codinomes não serão aceitos.
2. Que não tenham relação clara com o conteúdo noticiado.
3. Que tenham teor calunioso, difamatório, injurioso, racista, de incitação à violência ou a qualquer ilegalidade.
4. Que tenham conteúdo que possa ser interpretado como de caráter preconceituoso ou discriminatório a pessoa ou grupo de pessoas.
5. Que contenham linguagem grosseira, obscena e/ou pornográfica.
6. Que transpareçam cunho comercial ou ainda que sejam pertencentes a correntes de qualquer espécie.
7. Que tenham característica de prática de spam.

O Cassilândia News não se responsabiliza pelos comentários dos internautas e se reserva o direito de, a qualquer tempo, e a seu exclusivo critério, retirar qualquer comentário que possa ser considerado contrário às regras definidas acima.
Restamcaracteres.
 
imagem transparente
Últimas notícias
Scroller Top
Domingo, 25 de Fevereiro de 2018
Sábado, 24 de Fevereiro de 2018
10:00
Receita do dia
Scroller Bottom

  • Idalus Internet Solutions
  • TOP DataCenter e Internet
  • Disponível na AppStore
  • Disponível no Google Play
Rua Sebastião Leal, 845, CEP: 79.540-000, Cassilândia (MS)