Cassilândia, Domingo, 22 de Outubro de 2017

Últimas Notícias

05/07/2012 22:11

Justiça diz que mulher tem condições de trabalhar e nega reajuste de pensão

Nadyenka Castro, Campo Grande News

O TJ/MS (Tribunal de Justiça de Mato Grosso do Sul) negou pedido de reajuste no valor da pensão paga por um homem à ex-mulher e disse que ela tem condições de trabalhar e não mais precisar da ajuda do ex-marido.

O casal conviveu em união estável de 2002 até março de 2011, quando se separaram. Do relacionamento nasceu um garoto portador de Síndrome Hasperger (autismo), que está sob a guarda do pai.

Na ação de Dissolução de União Estável que tramita 1ª Vara de Família de Campo Grande, a mulher pediu pensão alimentícia tendo juízo de primeiro grau fixado o valor de uma salário mínimo mensal, por seis meses.

A mulher discordou do valor fixado e impetrou agravo no TJMS. A Procuradoria-Geral de Justiça emitiu parecer pelo improvimento do recurso. Por unanimade, os desembargadores da 3ª Câmara Cível acompanharam o parecer e negaram o pedido.

Para o desembargador Fernando Mauro Moreira Marinho, relator da apelação, o pedido não merece ser aceito em razão de o valor fixado estar de acordo com as possibilidade do ex-marido e de o período, determinado pelo juiz de primeiro grau, ser suficiente para a alimentada se reinserir no mercado de trabalho.

Em seu voto, o relator lembrou que os alimentos entre ex-cônjuges resultam do dever de mútua assistência, devendo ser fixados de acordo com a necessidade/possibilidade, como previsto no Código Civil.

\"Neste caso a ex-companheira é jovem e exerceu atividade laboral anteriormente, tendo o magistrado fixado o pagamento de alimentos pelo período apto à sua reinserção no mercado de trabalho e em quantia suficiente à sua subsistência”, declarou.

No voto, o desembargador continua. “ A agravante tem 43 anos incompletos, existindo prova nos autos de que já exerceu atividade laboral, tratando-se, pois, de mulher jovem apta a retornar ao mercado de trabalho. (...) Constata-se também que o agravado não possui condições de arcar com o valor dos alimentos requerido pelo agravante, valendo frizar que o filho do casal, sustentado exclusivamente pelo genitor – já que a mãe afirmar encontrar-se desempregada – demanda gastos consideráveis, tendo em vista a patologia que o acomete. Ademais, decorrido mais de ano da separação do casal, constata-se que a agravante já teve tempo suficiente para tentar se recolocar no mercado de trabalho, mostrando-se suficiente o periodo de seis meses indicado pelo julgador singular para manutenção do pensionamento. Diante do exposto, com o parecer, nego provimento ao recurso\", disse o relator.

Envie seu Comentário
Os comentários feitos no Cassilândia News são moderados. Antes de escrever, observe as regras e seja criterioso ao expressar sua opinião. Não serão publicados comentários nas seguintes situações:

1. Sem o remetente identificado com nome, sobrenome e e-mail válido. Codinomes não serão aceitos.
2. Que não tenham relação clara com o conteúdo noticiado.
3. Que tenham teor calunioso, difamatório, injurioso, racista, de incitação à violência ou a qualquer ilegalidade.
4. Que tenham conteúdo que possa ser interpretado como de caráter preconceituoso ou discriminatório a pessoa ou grupo de pessoas.
5. Que contenham linguagem grosseira, obscena e/ou pornográfica.
6. Que transpareçam cunho comercial ou ainda que sejam pertencentes a correntes de qualquer espécie.
7. Que tenham característica de prática de spam.

O Cassilândia News não se responsabiliza pelos comentários dos internautas e se reserva o direito de, a qualquer tempo, e a seu exclusivo critério, retirar qualquer comentário que possa ser considerado contrário às regras definidas acima.
Restamcaracteres.
 
imagem transparente
Últimas notícias
Scroller Top
Domingo, 22 de Outubro de 2017
Sábado, 21 de Outubro de 2017
10:00
Receita do dia
Sexta, 20 de Outubro de 2017
Scroller Bottom

  • Idalus Internet Solutions
  • TOP DataCenter e Internet
  • Disponível na AppStore
  • Disponível no Google Play
Rua Sebastião Leal, 845, CEP: 79.540-000, Cassilândia (MS)