Cassilândia, Domingo, 17 de Dezembro de 2017

Últimas Notícias

14/05/2016 20:00

Justiça decreta prisão preventiva de oito presos na Operação Fazendas de Lamas

Campo Grande News

A Justiça Federal decretou a prisão preventiva de oito pessoas presas durante a operação Fazendas da Lama. Os mandados cumpridos na última terça-feira (9) venceriam a meia-noite deste sábado (14), mas a decisão faz com que os suspeitos permaneçam detidos por tempo indeterminado.

Segundo informações apuradas pelo Campo Grande News, a medida atingiu Wilson Roberto Mariano de Oliveira, o Beto Mariano, servidor da Agesul (Agência Estadual de Gestão de Empreendimentos); a filha dele, Mariane Mariano de Oliveira; o ex-secretário estadual de obras Edson Giroto; a mulher dele, Rachel Rosa de Jesus Portela Giroto; o empresário João Amorim; a filha dele Ana Paula Amorim Dolzan; a sócia dele Elza Cristina Araújo dos Santos e o empresário Flávio Henrique Garcia Scrocchio, preso em Tanabi (SP).

Mariane e Elza estavam em regime domiciliar e ainda não se sabe se a prisão preventiva irá alterar de alguma forma o benefício.

Ao todo 15 pessoas haviam sido presas. O servidor da Agesul (Agência Estadual de Gestão de Empreendimentos) Hélio Yudi Komiyama conseguiu reverter a prisão e foi solto na sexta-feira (13).

Renata Amorim Agnoletto e Ana Lúcia Amorim (filhas de João Amorim); Ana Cristina Pereira da Silva; André Luiz Cance, ex-secretário estadual adjunto de Fazenda; Evaldo Furrer Matos, de Rio Negro e Maria Vilma Casanova, ex-presidente da Agesul ainda não tiveram as prisões temporárias convertidas em preventivas e podem ser soltos ao fim do dia.

Operação - As investigações estão relacionadas a desvio de recursos federais, na execução de obras em rodovias no Estado.Os investigados são suspeitos de fazerem parte de uma organização que fraudava licitações e obtinha dinheiro de forma ilícita, mediante pagamentos às empreiteiras por serviços não executados ou feitos com qualidade inferior ao que foi contratado.

Foi identificado desvio de R$ 44 milhões e a formação de uma “rede de laranjas” composta por familiares e terceiros para a lavagem do dinheiro obtido de forma ilícita. Esses valores, conforme apontou a investigação, foram usados principalmente na compra de fazendas, que totalizaram 67 mil hectares espalhados em Mato Grosso do Sul.

Envie seu Comentário
Os comentários feitos no Cassilândia News são moderados. Antes de escrever, observe as regras e seja criterioso ao expressar sua opinião. Não serão publicados comentários nas seguintes situações:

1. Sem o remetente identificado com nome, sobrenome e e-mail válido. Codinomes não serão aceitos.
2. Que não tenham relação clara com o conteúdo noticiado.
3. Que tenham teor calunioso, difamatório, injurioso, racista, de incitação à violência ou a qualquer ilegalidade.
4. Que tenham conteúdo que possa ser interpretado como de caráter preconceituoso ou discriminatório a pessoa ou grupo de pessoas.
5. Que contenham linguagem grosseira, obscena e/ou pornográfica.
6. Que transpareçam cunho comercial ou ainda que sejam pertencentes a correntes de qualquer espécie.
7. Que tenham característica de prática de spam.

O Cassilândia News não se responsabiliza pelos comentários dos internautas e se reserva o direito de, a qualquer tempo, e a seu exclusivo critério, retirar qualquer comentário que possa ser considerado contrário às regras definidas acima.
Restamcaracteres.
 
imagem transparente
Últimas notícias
Scroller Top
Domingo, 17 de Dezembro de 2017
10:00
Receita do dia
Sábado, 16 de Dezembro de 2017
Sexta, 15 de Dezembro de 2017
Scroller Bottom

  • Idalus Internet Solutions
  • TOP DataCenter e Internet
  • Disponível na AppStore
  • Disponível no Google Play
Rua Sebastião Leal, 845, CEP: 79.540-000, Cassilândia (MS)