Cassilândia, Sábado, 16 de Dezembro de 2017

Últimas Notícias

15/10/2016 10:40

Justiça de São Paulo aceita denúncia contra Vaccari e Léo Pinheiro

Agência Brasil

 

A juíza Maria Priscilla Ernandes Veiga Oliveira, da 4ª Vara Criminal do Tribunal de Justiça de São Paulo (TJ), aceitou ontem (13) denúncia do Ministério Público do estado (MP) contra o ex-presidente da construtora OAS, José Aldemário Pinheiro Filho, conhecido como Léo Pinheiro, e o ex-tesoureiro do PT e ex-presidente da Cooperativa Habitacional dos Bancários de São Paulo (Bancoop), João Vaccari Neto, além de mais dez investigados.

A acusação trata de irregularidades nos empreendimentos Casa Verde, Liberty Boulevard, Mar Cantábrico (atual Solaris), Ilhas D'Itália, A'Bsoluto, Colina Park e Altos do Butantã, todos da Bancoop. Léo Pinheiro é acusado de associação criminosa e estelionato. João Vaccari é acusado de associação criminosa, falsidade ideológica e estelionato.

O advogado de Vaccari, Luiz Flávio Borges D'Urso, disse que “a defesa entende a denúncia absolutamente imprópria, porque as questões apontadas nessa denúncia já estão sendo examinadas no outro processo da Bancoop, na 5ª vara criminal, o qual está em fase de sentença”. Ele acrescentou que, no processo da 5ª vara, “a conduta de João Vaccari Neto enquanto dirigente da Bancoop se demonstrou absolutamente ilibada”. A assessoria da OAS disse que não vai se manifestar.

A Bancoop é uma cooperativa criada em 1996 pelo Sindicato dos Bancários de São Paulo para construir conjuntos habitacionais para seus associados. O Ministério Público suspeita, no entanto, que a cooperativa não tenha cumprido a promessa de entregar imóveis quitados a seus cooperados e que tenha servido, na verdade, para captar recursos de caixa 2 para o PT. No período de 2005 a fevereiro de 2010, Vaccari comandou a Bancoop.

Lula

A denúncia recebida hoje envolvia inicialmente o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva, sua esposa Marisa Letícia, o filho do casal Fábio Luis Lula da Silva e o triplex 164-A no Solaris, no Guarujá (SP), que era um empreendimento da Bancoop e, em 2009, foi transferido à OAS por uma decisão dos cooperados. Em março, o TJ-SP mandou essa denúncia do MP-SP, que incluía a acusação e o pedido de prisão de Lula, para o juiz federal Sérgio Moro, que conduz as ações da Lava Jato.

A força-tarefa da Lava Jato denunciou Lula à Justiça Federal por corrupção passiva e lavagem de dinheiro. Segundo os procuradores da República, Lula recebeu R$ 3,7 milhões de propina de empresas envolvidas no esquema de corrupção da Petrobras, por meio de vantagens indevidas, como a reforma de um apartamento triplex no Guarujá (SP), e pagamento de despesas com guarda-volumes para os objetos que Lula ganhou quando estava no cargo. As vantagens teriam sido pagas pela empreiteira OAS.

Em 20 de setembro, o juiz Moro aceitou denúncia da procuradoria e determinou então a devolução, à Justiça de São Paulo, dos autos enviados pela juíza Maria Priscilla, referentes aos delitos de competência estadual. Ele pediu a exclusão das acusações contra Lula e sua família, porque considerou que estão sob jurisdição federal.

Na ocasião, o juiz decidiu pela “supressão porém de todas as imputações relacionadas ao ex-presidente da República e seus familiares e igualmente em relação a qualquer fato envolvendo o apartamento 164-A do Condomínio Solaris”.

Envie seu Comentário
Os comentários feitos no Cassilândia News são moderados. Antes de escrever, observe as regras e seja criterioso ao expressar sua opinião. Não serão publicados comentários nas seguintes situações:

1. Sem o remetente identificado com nome, sobrenome e e-mail válido. Codinomes não serão aceitos.
2. Que não tenham relação clara com o conteúdo noticiado.
3. Que tenham teor calunioso, difamatório, injurioso, racista, de incitação à violência ou a qualquer ilegalidade.
4. Que tenham conteúdo que possa ser interpretado como de caráter preconceituoso ou discriminatório a pessoa ou grupo de pessoas.
5. Que contenham linguagem grosseira, obscena e/ou pornográfica.
6. Que transpareçam cunho comercial ou ainda que sejam pertencentes a correntes de qualquer espécie.
7. Que tenham característica de prática de spam.

O Cassilândia News não se responsabiliza pelos comentários dos internautas e se reserva o direito de, a qualquer tempo, e a seu exclusivo critério, retirar qualquer comentário que possa ser considerado contrário às regras definidas acima.
Restamcaracteres.
 
imagem transparente
Últimas notícias
Scroller Top
Sábado, 16 de Dezembro de 2017
Sexta, 15 de Dezembro de 2017
10:00
Receita do dia
Quinta, 14 de Dezembro de 2017
21:14
Loteria
Scroller Bottom

  • Idalus Internet Solutions
  • TOP DataCenter e Internet
  • Disponível na AppStore
  • Disponível no Google Play
Rua Sebastião Leal, 845, CEP: 79.540-000, Cassilândia (MS)