Cassilândia, Segunda-feira, 05 de Dezembro de 2016

Últimas Notícias

29/05/2015 08:24

Justiça considera greve da Fetems ilegal e quer volta às aulas

Midiamax
Trecho da decisão do desembargador Sérgio FernandesTrecho da decisão do desembargador Sérgio Fernandes

O desembargador do TJ-MS (Tribunal de Justiça de Mato Grosso do Sul), Sérgio Fernandes Martins, concedeu liminar na tarde desta quinta-feira (28) que determina o fim da greve dos professores estaduais.

A decisão pede ainda o retorno imediato dos docentes sob pena de sanção, vertida em multa diária de R$ 50 mil com corte dos salários dos servidores referentes aos dias de paralisação.

“Trata-se de ação declaratória de ilegalidade e abusividade de movimento de greve com pedido de tutela antecipada ajuizada pelo Estado de Mato Grosso do Sul em desfavor da FETEMS - Federação dos Trabalhadores em Educação de Mato Grosso do Sul... Ao final, requer seja deferida tutela antecipada para determinar o imediato retorno dos servidores Grupo Educação Básicas às suas atividades funcionais”, diz a decisão do magistrado

A greve dos professores foi iniciada ontem pela Federação e poderia deixar aproximadamente 270 mil estudantes da rede sem aula. Ao todo, o Estado conta com 362 escolas estaduais e conta com aproximadamente 20 mil professores.

Antes da decisão da Justiça do Estado aproximadamente 89 escolas estaduais localizadas no interior de Mato Grosso do Sul estavam fechadas. Os dados foram repassados hoje pela SED (Secretaria de Estado de Educação). A secretaria informou ainda que 69 unidades estavam funcionando parcialmente e outras 118 abriram os portões.
Outro lado

Mesmo com a determinação da Justiça a Fetems afirma que vai manter a paralisação.

Por meio de uma nota, a Federação afirmou que a liminar é ‘parcial’ pois determina que os professores garantam 60% das atividades nas escolas e que os servidores administrativos suspendam a greve.

A Fetems explica aos servidores que representam, que a liminar pode ser derrubada por recursos, e lembra a decisão que suspendeu a greve dos médicos, dada a 10 dias e que apenas nesta quinta-feira (28) os profissionais voltaram ao trabalho, ‘sem nenhuma penalidade ao sindicato’. Segundo a assessoria jurídica da Federação, o prazo para recorrer da decisão é de pelo menos 10 dias.

Neste período, orienta a entidade, os servidores da Educação poderão manter a paralisação das atividades, uma vez que “o descumprimento da liminar (antes de esgotados todos os recursos) não enseja penalidade aos filiados e filiadas da FETEMS”.

*Texto editado às 19h26 para acréscimo de informações

Envie seu Comentário
Os comentários feitos no Cassilândia News são moderados. Antes de escrever, observe as regras e seja criterioso ao expressar sua opinião. Não serão publicados comentários nas seguintes situações:

1. Sem o remetente identificado com nome, sobrenome e e-mail válido. Codinomes não serão aceitos.
2. Que não tenham relação clara com o conteúdo noticiado.
3. Que tenham teor calunioso, difamatório, injurioso, racista, de incitação à violência ou a qualquer ilegalidade.
4. Que tenham conteúdo que possa ser interpretado como de caráter preconceituoso ou discriminatório a pessoa ou grupo de pessoas.
5. Que contenham linguagem grosseira, obscena e/ou pornográfica.
6. Que transpareçam cunho comercial ou ainda que sejam pertencentes a correntes de qualquer espécie.
7. Que tenham característica de prática de spam.

O Cassilândia News não se responsabiliza pelos comentários dos internautas e se reserva o direito de, a qualquer tempo, e a seu exclusivo critério, retirar qualquer comentário que possa ser considerado contrário às regras definidas acima.
Restamcaracteres.
 
Últimas notícias
Scroller Top
Segunda, 05 de Dezembro de 2016
09:00
Maternidade
Domingo, 04 de Dezembro de 2016
09:00
Maternidade
Scroller Bottom

  • Idalus Internet Solutions
  • TOP DataCenter e Internet
  • Disponível na AppStore
  • Disponível no Google Play
Rua Sebastião Leal, 845, CEP: 79.540-000, Cassilândia (MS)