Cassilândia, Quinta-feira, 08 de Dezembro de 2016

Últimas Notícias

11/12/2005 08:35

Justiça condena 2 por morte de missionária

No segundo dia de julgamento, e após mais de nove horas de trabalhos, o Tribunal do Júri em Belém (PA) decidiu condenar Rayfran das Neves Sales (o Fogoió), 29, e Clodoaldo Carlos Batista (o Eduardo), 31, a respectivamente 27 e 17 anos de prisão pelo assassinato da missionária Dorothy Stang.

A pena deverá ser cumprida em regime fechado. Eles foram considerados culpados de homicídio duplamente qualificado, de acordo com o artigo 121 do Código Penal. A defesa afirmou que irá entrar com recurso.

O júri tinha em sua composição quatro homens e três mulheres. A promotoria havia pedido a punição máxima para os acusados, que é de 30 anos, por homicídio duplamente qualificado --crime de encomenda e sem chance de defesa. Já os advogados de defesa apelam para o crime comum, cuja pena máxima é de sete a dez anos de prisão.

O julgamento aconteceu em Belém (PA). Neves e Batista são dois dos cinco acusados de envolvimento no crime. Eles assumiram o ato e atribuíram a ordem de matar a missionária a Amair Feijoli da Cunha (o Tato), que era apontado nas investigações da polícia e do Ministério Público como o intermediário entre os pistoleiros e os mandantes do assassinato.

Dorothy Stang foi abordada, no dia 12 de fevereiro deste ano por Fogoió e Eduardo, quando se dirigia a uma reunião com agricultores na zona rural de Anapu (PA), cidade em que vivia. Foi assassinada, aos 73 anos, com seis tiros.

Segundo as investigações do Ministério Público e da polícia, os fazendeiros Vitalmiro Bastos de Moura (o Bida) e Regivaldo Pereira Galvão (o Taradão) foram os mandantes do crime. Ontem, no julgamento no Tribunal do Júri, Fogoió e Eduardo isentaram Bida e Taradão de estarem --até onde sabem-- envolvidos no caso.

Fogoió chegou a destituir seu advogado de defesa em plena sala de julgamento. O advogado Eduardo Imbiriba planejava reduzir a pena de Fogoió para homicídio simples --em vez de duplamente qualificado, como quer a acusação-- alegando que a morte havia sido resultado de rixa entre o acusado e a freira, não um crime de mando.

A defensora pública Marilda Cantal, que já cuidava de Eduardo, assumiu também a defesa de Fogoió. "Fogoió mandou avisar que não queria mais advogados financiados por Bida porque iria falar toda a verdade", disse ela.

Movimentos

O auditório do Tribunal de Justiça, com capacidade para 100 pessoas, ficou quase cheio e alguns agricultores do sul do Pará acamparam em frente ao prédio. Eles reivindicavam a implantação do Plano de Desenvolvimento Sustentável, que era uma das bandeiras da luta da irmã Dorothhy.

O julgamento foi acompanhado por movimentos sociais, pela representante especial do Secretário-Geral da ONU (Organização das Nações Unidas) para Defensores dos Direitos Humanos, a paquistanesa Hina Jilani, além do ministro interino da Secretaria Especial de Direitos Humanos, Mario Mamede.

O Greenpeace e outras 23 organizações da sociedade civil entregaram, no primeiro dia do julgamento, uma carta endereçada à Comissão de Direitos Humanos da ONU pedindo providências em relação à sistemática violação dos direitos humanos no estado do Pará. O documento foi entregue para Jilani.

Segundo o documento, desde o assassinato de Dorothy Stang, em fevereiro de 2005, pelo menos outros seis líderes de trabalhadores rurais foram assassinados no Pará, sendo três deles no último mês.



Folhaonline

Envie seu Comentário
Os comentários feitos no Cassilândia News são moderados. Antes de escrever, observe as regras e seja criterioso ao expressar sua opinião. Não serão publicados comentários nas seguintes situações:

1. Sem o remetente identificado com nome, sobrenome e e-mail válido. Codinomes não serão aceitos.
2. Que não tenham relação clara com o conteúdo noticiado.
3. Que tenham teor calunioso, difamatório, injurioso, racista, de incitação à violência ou a qualquer ilegalidade.
4. Que tenham conteúdo que possa ser interpretado como de caráter preconceituoso ou discriminatório a pessoa ou grupo de pessoas.
5. Que contenham linguagem grosseira, obscena e/ou pornográfica.
6. Que transpareçam cunho comercial ou ainda que sejam pertencentes a correntes de qualquer espécie.
7. Que tenham característica de prática de spam.

O Cassilândia News não se responsabiliza pelos comentários dos internautas e se reserva o direito de, a qualquer tempo, e a seu exclusivo critério, retirar qualquer comentário que possa ser considerado contrário às regras definidas acima.
Restamcaracteres.
 
Últimas notícias
Scroller Top
Quinta, 08 de Dezembro de 2016
10:00
Receita do dia
09:00
Maternidade
Quarta, 07 de Dezembro de 2016
20:20
Loteria
10:00
Receita do dia
09:00
Maternidade
Scroller Bottom

  • Idalus Internet Solutions
  • TOP DataCenter e Internet
  • Disponível na AppStore
  • Disponível no Google Play
Rua Sebastião Leal, 845, CEP: 79.540-000, Cassilândia (MS)