Cassilândia, Domingo, 04 de Dezembro de 2016

Últimas Notícias

09/09/2004 09:18

Justiça anula licenças a portos no rio Paraguai

Afonso Benites/Campo Grande News

O juiz federal de Mato Grosso, Julier Sebastião da Silva, anulou as licenças para construção de portos na hidrovia Paraguai-Paraná concedidas pelo Ibama (Instituto Brasileiro de Meio Ambiente), pela Fundação Estadual do Meio Ambiente de Mato Grosso e a Fundação Estadual de Meio Ambiente (Pantanal/MS).
Conforme a decisão judicial as Fundações estão proibidas de conceder licenças ambientais para portos da Hidrovia Paraguai-Paraná. As Fundações deram licenças a mais de cinco portos sob o fundamento de que eles são partes distintas da hidrovia.
Em entrevista ao site de notícias de Cuiabá (MT) Midianews, o juiz contesta a concessão de licenças para vários portos dada sob alegação de que esses empreendimentos não compõem a hidrovia Paraná-Paraguai. “Ora, não se pode imaginar uma hidrovia sem portos. Ou, contrariamente, os segundos sem a implantação da hidrovia. É como pensar um corpo sem cabeça e membros. Em resumo, a alegação é meramente fantasiosa. Basicamente não há como o projeto ser dividido dessa forma e, mais obviamente ainda, tem-se por impossível a segregação dos eventuais impactos ambientais da hidrovia dos seus portos, já que se está a tratar de uma mesma intervenção humana em um ecossistema extremamente sensível que é o Pantanal Mato-Grossense”, afirmou o juiz.
Desta forma, conforme o magistrado, tudo sob o fundamento da Hidrovia Paraguai-Paraná deve ser licenciado pelo Ibama e não pelos órgãos ambientais dos Estados de Mato Grosso e Mato Grosso do Sul.
Julier da Silva entende que o Ibama deve “exigir um único Estudo e Relatório de Impacto Ambiental - EIA/RIMA para a totalidade da Hidrovia Paraguai-Paraná e ainda a considerar a vontade das populações diretamente atingidas pela obra quanto à permissão para a sua instalação e operação”.
A decisão atinge a licença de construção concedida pela Fundação Estadual do Meio Ambiente de Mato Grosso ao porto de Morrinhos, em Cáceres. O funcionamento dos portos, no entanto, está garantido até decisão definitiva já que ainda cabe recurso em segunda instância. O custo da hidrovia está estimado em 1,3 bilhão de dólares.

Envie seu Comentário
Os comentários feitos no Cassilândia News são moderados. Antes de escrever, observe as regras e seja criterioso ao expressar sua opinião. Não serão publicados comentários nas seguintes situações:

1. Sem o remetente identificado com nome, sobrenome e e-mail válido. Codinomes não serão aceitos.
2. Que não tenham relação clara com o conteúdo noticiado.
3. Que tenham teor calunioso, difamatório, injurioso, racista, de incitação à violência ou a qualquer ilegalidade.
4. Que tenham conteúdo que possa ser interpretado como de caráter preconceituoso ou discriminatório a pessoa ou grupo de pessoas.
5. Que contenham linguagem grosseira, obscena e/ou pornográfica.
6. Que transpareçam cunho comercial ou ainda que sejam pertencentes a correntes de qualquer espécie.
7. Que tenham característica de prática de spam.

O Cassilândia News não se responsabiliza pelos comentários dos internautas e se reserva o direito de, a qualquer tempo, e a seu exclusivo critério, retirar qualquer comentário que possa ser considerado contrário às regras definidas acima.
Restamcaracteres.
 
Últimas notícias
Scroller Top
Domingo, 04 de Dezembro de 2016
09:00
Maternidade
Sábado, 03 de Dezembro de 2016
10:00
Receita do Dia
06:50
Loterias
Scroller Bottom

  • Idalus Internet Solutions
  • TOP DataCenter e Internet
  • Disponível na AppStore
  • Disponível no Google Play
Rua Sebastião Leal, 845, CEP: 79.540-000, Cassilândia (MS)