Cassilândia, Terça-feira, 12 de Dezembro de 2017

Últimas Notícias

17/07/2017 07:40

Justiça aceita ação contra Reinaldo e JBS, mas concede prazo para defesa

Midiamax

Juiz Alexandre Antunes da Silva aceitou ação popular contra o Estado, o governador Reinaldo Azambuja (PSDB), os empresários Wesley e Joesley Batista, além da JF Holdind Administradora de Bens Próprios S/A. Contudo ainda não decidiu sobre a suspensão dos termos firmados entre o Executivo e o grupo JBS, nem em relação ao pedido de bloqueio de bens. Antes ele quer ouvir todas as partes.

De acordo com o despacho, os envolvidos têm cinco dias para se manifestar sobre os dois Tares (Termo de Acordo de Regime Especial) e entregar cópia integral de ambos, além de 15 dias para manifestação sobre a tentativa de bloqueio de bens.

“À luz desses entendimentos, verifico que as pretensões veiculadas nestes autos possuem elevada repercussão econômico-financeira, social e política – sobretudo porque envolvem no polo passivo o Estado de Mato Grosso do Sul e o Governador desse Estado”, diz o magistrado.

Contudo, para ele, ao contrário do que afirmam os autores da ação popular, a indisponibilidade de bens é desnecessária no momento, “sendo certo que acaso ao final seja julgada procedente, certamente haverá bens suficiente para assegurar ressarcimento aos supostos danos alegados pelos autores”.

Conteúdo – Além dos bens de Azambuja, os autores pedem bloqueio das marcas Friboi, Havaianas, Vigor e Seara, para garantir integral ressarcimento aos cofres públicos devido ao possível prejuízo causado por suposto esquema entre o governo e o grupo JBS, delatadas irmãos Batista. 

Apesar de, supostamente, ter iniciado no governo de Zeca do PT (1999-2006), o esquema teria privilegiado Reinaldo, que participou das irregularidades ao conceder diversos benefícios fiscais à JBS, alguns já sob investigada na própria Assembleia Legislativa, por meio da CPI da Propina.

Os advogados citam os detalhes da delação da JBS que implica Zeca, André Puccinelli (PMDB) e o próprio atual governador, que teria começado a se beneficiar do esquema antes mesmo de assumir o governo, ainda na eleição de 2014.

Entre doação eleitoral, pagamento de notas fiscais frias e a suposta entrega de dinheiro em espécie, o governador teria recebido pouco mais de R$ 38 milhões em propina das empresas dos irmãos Batista. “Os incentivos foram concedidos mediante o pagamento de propina, o que gerou um aumento artificial do poderio econômico do JBS, prejudicando os pecuaristas, os concorrentes, e a própria coletividade”, diz trecho da ação.

Envie seu Comentário
Os comentários feitos no Cassilândia News são moderados. Antes de escrever, observe as regras e seja criterioso ao expressar sua opinião. Não serão publicados comentários nas seguintes situações:

1. Sem o remetente identificado com nome, sobrenome e e-mail válido. Codinomes não serão aceitos.
2. Que não tenham relação clara com o conteúdo noticiado.
3. Que tenham teor calunioso, difamatório, injurioso, racista, de incitação à violência ou a qualquer ilegalidade.
4. Que tenham conteúdo que possa ser interpretado como de caráter preconceituoso ou discriminatório a pessoa ou grupo de pessoas.
5. Que contenham linguagem grosseira, obscena e/ou pornográfica.
6. Que transpareçam cunho comercial ou ainda que sejam pertencentes a correntes de qualquer espécie.
7. Que tenham característica de prática de spam.

O Cassilândia News não se responsabiliza pelos comentários dos internautas e se reserva o direito de, a qualquer tempo, e a seu exclusivo critério, retirar qualquer comentário que possa ser considerado contrário às regras definidas acima.
Restamcaracteres.
 
imagem transparente
Últimas notícias
Scroller Top
Terça, 12 de Dezembro de 2017
Segunda, 11 de Dezembro de 2017
20:42
Loteria
10:00
Receita do dia
Domingo, 10 de Dezembro de 2017
Scroller Bottom

  • Idalus Internet Solutions
  • TOP DataCenter e Internet
  • Disponível na AppStore
  • Disponível no Google Play
Rua Sebastião Leal, 845, CEP: 79.540-000, Cassilândia (MS)