Cassilândia, Terça-feira, 17 de Janeiro de 2017

Últimas Notícias

22/03/2013 13:50

Juíza condena empresa por vender iorgute com perna de barata

Campo Grande News/ Edivaldo Bitencourt

Uma consumidora de Campo Grande vai receber indenização de R$ 6,5 mil da Imbaúba Laticínios por ter adquirido iogurte com restos de inseto. A sentença é da juíza titular da 10ª Vara Cível da Capital, Sueli Garcia Saldanha.

Conforme a ação judicial, Maria das Graças de Menezes comprou o produto no dia 13 de maio do ano passado. Ao ingerir o iogurte, ela sentiu algo estranho na boca, mas acabou ingerindo o produto.

No entanto, o seu neto, ao provar o mesmo pote, sentiu algo arranhando a língua e percebeu que se tratava de uma perna de barata. Ela voltou à padaria e mostrou o iogurte, quando a proprietária constatou que havia metade de uma barata dentro do pote.

A Imbaúba alegou que o processo de industrialização é rigoroso e segue todas as regras da Vigilância Sanitária. Alegou que após a venda do produto, os cuidados e o manuseio ficam a critério do consumidor.

A juíza condenou a empresa a pagar R$ 6,5 mil de indenização por danos morais. Ela argumentou que a Imbaúba não comprovou que a culpa era da consumidora.

“O fato é que a prova trazida para os autos faz concluir que existia um inseto dentro da garrafa de iogurte, que estava devidamente lacrada e fora aberta momentos antes da autora servir-se e repassar ao neto, inexistindo qualquer indício idôneo de que o inseto tenha ingressado nesse intervalo – rompimento do lacre e ingestão de bebida -, vez que o momento era destinado exclusivamente ao lanche, ou mesmo que já estivesse no copo em que fora servido o produto”, frisou Sueli Saldanha.

Além disso, acrescentou a juíza que “em diversos momentos no sistema de produção descrito pelas testemunhas foi possível vislumbrar a ação humana, como na colocação de garrafas nas esteiras, limpeza da peneira existente após o funil e inserção de lacres, tudo a denotar a possibilidade de falhas nesses procedimentos, não obstante todo o cuidado que tenha presumidamente perpetrado”.

Envie seu Comentário
Os comentários feitos no Cassilândia News são moderados. Antes de escrever, observe as regras e seja criterioso ao expressar sua opinião. Não serão publicados comentários nas seguintes situações:

1. Sem o remetente identificado com nome, sobrenome e e-mail válido. Codinomes não serão aceitos.
2. Que não tenham relação clara com o conteúdo noticiado.
3. Que tenham teor calunioso, difamatório, injurioso, racista, de incitação à violência ou a qualquer ilegalidade.
4. Que tenham conteúdo que possa ser interpretado como de caráter preconceituoso ou discriminatório a pessoa ou grupo de pessoas.
5. Que contenham linguagem grosseira, obscena e/ou pornográfica.
6. Que transpareçam cunho comercial ou ainda que sejam pertencentes a correntes de qualquer espécie.
7. Que tenham característica de prática de spam.

O Cassilândia News não se responsabiliza pelos comentários dos internautas e se reserva o direito de, a qualquer tempo, e a seu exclusivo critério, retirar qualquer comentário que possa ser considerado contrário às regras definidas acima.
Restamcaracteres.
 
Últimas notícias
Scroller Top
Terça, 17 de Janeiro de 2017
Segunda, 16 de Janeiro de 2017
10:04
Coluna da juíza Luciane Buriasco Isquerdo
10:00
Receita do dia
09:00
Maternidade
Domingo, 15 de Janeiro de 2017
12:53
Cassilândia
10:50
Loterias
Scroller Bottom

  • Idalus Internet Solutions
  • TOP DataCenter e Internet
  • Disponível na AppStore
  • Disponível no Google Play
Rua Sebastião Leal, 845, CEP: 79.540-000, Cassilândia (MS)