Cassilândia, Domingo, 11 de Dezembro de 2016

Últimas Notícias

22/03/2013 13:50

Juíza condena empresa por vender iorgute com perna de barata

Campo Grande News/ Edivaldo Bitencourt

Uma consumidora de Campo Grande vai receber indenização de R$ 6,5 mil da Imbaúba Laticínios por ter adquirido iogurte com restos de inseto. A sentença é da juíza titular da 10ª Vara Cível da Capital, Sueli Garcia Saldanha.

Conforme a ação judicial, Maria das Graças de Menezes comprou o produto no dia 13 de maio do ano passado. Ao ingerir o iogurte, ela sentiu algo estranho na boca, mas acabou ingerindo o produto.

No entanto, o seu neto, ao provar o mesmo pote, sentiu algo arranhando a língua e percebeu que se tratava de uma perna de barata. Ela voltou à padaria e mostrou o iogurte, quando a proprietária constatou que havia metade de uma barata dentro do pote.

A Imbaúba alegou que o processo de industrialização é rigoroso e segue todas as regras da Vigilância Sanitária. Alegou que após a venda do produto, os cuidados e o manuseio ficam a critério do consumidor.

A juíza condenou a empresa a pagar R$ 6,5 mil de indenização por danos morais. Ela argumentou que a Imbaúba não comprovou que a culpa era da consumidora.

“O fato é que a prova trazida para os autos faz concluir que existia um inseto dentro da garrafa de iogurte, que estava devidamente lacrada e fora aberta momentos antes da autora servir-se e repassar ao neto, inexistindo qualquer indício idôneo de que o inseto tenha ingressado nesse intervalo – rompimento do lacre e ingestão de bebida -, vez que o momento era destinado exclusivamente ao lanche, ou mesmo que já estivesse no copo em que fora servido o produto”, frisou Sueli Saldanha.

Além disso, acrescentou a juíza que “em diversos momentos no sistema de produção descrito pelas testemunhas foi possível vislumbrar a ação humana, como na colocação de garrafas nas esteiras, limpeza da peneira existente após o funil e inserção de lacres, tudo a denotar a possibilidade de falhas nesses procedimentos, não obstante todo o cuidado que tenha presumidamente perpetrado”.

Envie seu Comentário
Os comentários feitos no Cassilândia News são moderados. Antes de escrever, observe as regras e seja criterioso ao expressar sua opinião. Não serão publicados comentários nas seguintes situações:

1. Sem o remetente identificado com nome, sobrenome e e-mail válido. Codinomes não serão aceitos.
2. Que não tenham relação clara com o conteúdo noticiado.
3. Que tenham teor calunioso, difamatório, injurioso, racista, de incitação à violência ou a qualquer ilegalidade.
4. Que tenham conteúdo que possa ser interpretado como de caráter preconceituoso ou discriminatório a pessoa ou grupo de pessoas.
5. Que contenham linguagem grosseira, obscena e/ou pornográfica.
6. Que transpareçam cunho comercial ou ainda que sejam pertencentes a correntes de qualquer espécie.
7. Que tenham característica de prática de spam.

O Cassilândia News não se responsabiliza pelos comentários dos internautas e se reserva o direito de, a qualquer tempo, e a seu exclusivo critério, retirar qualquer comentário que possa ser considerado contrário às regras definidas acima.
Restamcaracteres.
 
Últimas notícias
Scroller Top
Domingo, 11 de Dezembro de 2016
06:04
Fotogaleria
Sábado, 10 de Dezembro de 2016
10:00
Receita do dia
Sexta, 09 de Dezembro de 2016
Scroller Bottom

  • Idalus Internet Solutions
  • TOP DataCenter e Internet
  • Disponível na AppStore
  • Disponível no Google Play
Rua Sebastião Leal, 845, CEP: 79.540-000, Cassilândia (MS)