Cassilândia, Segunda-feira, 11 de Dezembro de 2017

Últimas Notícias

23/06/2009 16:44

Juiz passa a ser o último a inquirir testemunhas

TJMS

O Superior Tribunal de Justiça, em julgamento realizado em 19 de maio, na Quinta Turma do STJ, discutiu sobre a aplicabilidade da Lei nº 11.690/2008 quanto à realização das audiências criminais.

O relator do HC 121.216/DF, ministro Jorge Mussi, pronunciou que “a nova redação dada ao art. 212 do CPP, em vigor a partir de agosto de 2008, determina que as vítimas, testemunhas e o interrogado sejam perquiridos direta e primeiramente pela acusação e, na sequência, pela defesa, possibilitando ao magistrado complementar a inquirição quando entender necessários esclarecimentos".

Para o juiz sul-mato-grossense, Carlos Alberto Garcete, “esse é o entendimento que, de fato, deve prevalecer. O Código de Processo Penal tem grande inclinação ao sistema acusatório, de sorte que incumbe ao Ministério Público, como instituição pública responsável constitucionalmente por promover a ação penal, fazer prova da pretensão punitiva, o que se apresenta muito mais lógico quando o próprio Parquet formula as perguntas que lhe interessam”.

No processo analisado pelo STJ, foi concedida a ordem a fim de anular a audiência realizada em desacordo com o art. 212, como também os atos subsequentes, determinando que o procedimento ocorra nos moldes do dispositivo. A decisão foi acompanhada por unanimidade pelos ministros da Quinta Turma do STJ.

Entenda – Desde que entrou em vigor a Lei nº 11.690, a qual deu nova redação ao artigo 212 do Código de Processo Penal, foi estabelecido que as perguntas devem ser formuladas pelas partes diretamente à testemunha, não podendo o juiz admitir aquelas indagações que puderem induzir a resposta ou não tiverem relação com a questão em si ou ainda, que se configuram como repetição de outra pergunta já respondida. Pode o juiz, pedir mais esclarecimento para complementar a inquirição.

O rito estabelecido na legislação processual penal atual determina que as testemunhas sejam ouvidas primeiro pelo Ministério Público e depois pela defesa e na sequência o magistrado pode pedir outros esclarecimentos que julgar necessários.

Autoria do Texto:Departamento de Jornalismo / TJMS

Envie seu Comentário
Os comentários feitos no Cassilândia News são moderados. Antes de escrever, observe as regras e seja criterioso ao expressar sua opinião. Não serão publicados comentários nas seguintes situações:

1. Sem o remetente identificado com nome, sobrenome e e-mail válido. Codinomes não serão aceitos.
2. Que não tenham relação clara com o conteúdo noticiado.
3. Que tenham teor calunioso, difamatório, injurioso, racista, de incitação à violência ou a qualquer ilegalidade.
4. Que tenham conteúdo que possa ser interpretado como de caráter preconceituoso ou discriminatório a pessoa ou grupo de pessoas.
5. Que contenham linguagem grosseira, obscena e/ou pornográfica.
6. Que transpareçam cunho comercial ou ainda que sejam pertencentes a correntes de qualquer espécie.
7. Que tenham característica de prática de spam.

O Cassilândia News não se responsabiliza pelos comentários dos internautas e se reserva o direito de, a qualquer tempo, e a seu exclusivo critério, retirar qualquer comentário que possa ser considerado contrário às regras definidas acima.
Restamcaracteres.
 
imagem transparente
Últimas notícias
Scroller Top
Segunda, 11 de Dezembro de 2017
10:00
Receita do dia
Domingo, 10 de Dezembro de 2017
10:00
Receita do dia
Sábado, 09 de Dezembro de 2017
Scroller Bottom

  • Idalus Internet Solutions
  • TOP DataCenter e Internet
  • Disponível na AppStore
  • Disponível no Google Play
Rua Sebastião Leal, 845, CEP: 79.540-000, Cassilândia (MS)