Cassilândia, Sexta-feira, 09 de Dezembro de 2016

Últimas Notícias

01/06/2007 07:17

Juiz não condena Estado a fornecer remédio para câncer

TJ/GO

O juiz Ari Ferreira de Queiroz, da 3ª Vara da Fazenda Pública Estadual de Goiânia, julgou ontem (31) improcedente ação cominatória ajuizada por Nazareth Maria dos Santos para obrigar o Estado de Goiás e a Secretaria de Estado da Saúde a fornecer-lhe 32 ampolas de medicamento para tratamento de um tipo de câncer denominado mieloma múltiplo. Na sentença, o magistrado alegou que, embora se trate de doença grave e o poder público tenha realmente obrigação de assegurar seu tratamento, o remédio pleiteado por Nazareth - o bortizomide - só recentemente foi aprovado pela Anvisa, "o que demonstra que antes dele outros de custo sensivelmente menor existiam para combater a mesma doença".

Cada ampola do bortizomide custa R$ 3.817,00, o que significa que com o fornecimento das 32 requeridas por Nazareth seriam gastos R$ 122.144,00. Para o magistrado, "condenar o Estado a fornecer para uma única paciente, um único tipo de medicamento, ao custo total de mais de R$ 122 mil implica em sacrificar uma grande parcela da população realmente carente, que necessita de medicamentos de custo muito inferiores, mas que mesmo assim não conseguem se auto-suprir", observou.

De acordo com Ari Queiroz, a questão acerca do fornecimento de medicamentos tem ocupado enormes espaços no Poder Judiciário em todos os níveis, havendo exagerado número de decisões judiciais reconhecendo o direito dos requerentes sob o fundamento de ser, a saúde, direito fundamental. "Pode ter havido abuso, no entanto, caracterizando verdadeira banalização dos direitos fundamentais, especialmente ao não analisar a real necessidade econômica de quem pleiteia, obrigando o Poder Público a fornecer medicamentos para pessoas que poderiam se auto-suprir sem grandes dificuldades, em detrimento de outros realmente necessitados". (Patrícia Papini)

Envie seu Comentário
Os comentários feitos no Cassilândia News são moderados. Antes de escrever, observe as regras e seja criterioso ao expressar sua opinião. Não serão publicados comentários nas seguintes situações:

1. Sem o remetente identificado com nome, sobrenome e e-mail válido. Codinomes não serão aceitos.
2. Que não tenham relação clara com o conteúdo noticiado.
3. Que tenham teor calunioso, difamatório, injurioso, racista, de incitação à violência ou a qualquer ilegalidade.
4. Que tenham conteúdo que possa ser interpretado como de caráter preconceituoso ou discriminatório a pessoa ou grupo de pessoas.
5. Que contenham linguagem grosseira, obscena e/ou pornográfica.
6. Que transpareçam cunho comercial ou ainda que sejam pertencentes a correntes de qualquer espécie.
7. Que tenham característica de prática de spam.

O Cassilândia News não se responsabiliza pelos comentários dos internautas e se reserva o direito de, a qualquer tempo, e a seu exclusivo critério, retirar qualquer comentário que possa ser considerado contrário às regras definidas acima.
Restamcaracteres.
 
Últimas notícias
Scroller Top
Quinta, 08 de Dezembro de 2016
10:00
Receita do dia
09:00
Maternidade
Quarta, 07 de Dezembro de 2016
20:20
Loteria
10:00
Receita do dia
09:00
Maternidade
Scroller Bottom

  • Idalus Internet Solutions
  • TOP DataCenter e Internet
  • Disponível na AppStore
  • Disponível no Google Play
Rua Sebastião Leal, 845, CEP: 79.540-000, Cassilândia (MS)