Cassilândia, Domingo, 20 de Agosto de 2017

Últimas Notícias

11/04/2013 17:21

Juiz empossa amanhã Marlene Bossay como prefeita de Miranda

Zemil Rocha, Campo Grande News

O juiz Marcel Henry Batista de Arruda, da 15ª Zona Eleitoral, marcou para amanhã, às 17 horas, a posse de Marlene de Matos Bossay (PRB) como prefeita de Miranda e Celso Moraes de Souza (PDT) como vice-prefeito. A decisão, contudo, pode não ser concretizada, caso o advogado da prefeita cassada, Juliana Almeida (PT), e do vice Sidnei Barbosa de Araújo (PSC), consiga suspendê-la liminarmente, via recurso no Tribunal Regional Eleitoral (TRE).

No começo desta semana, dia 8, o juiz, decidiu pela segunda vez cassar os mandatos da prefeita Juliana e do vice Sidnei, cumulada com a decretação da inelegibilidade por oito anos. Desta vez, a ação de impugnação de mandato eletivo foi ajuizada por Marlene e Celso, que foram candidatos a prefeito e a vice derrotados por uma diferença de 183 votos na eleição de outubro do ano passado.

A decisão anterior sobre a cassação do prefeito e vice de Miranda, a partir de ação proposta pelo Ministério Público, foi tomada no dia 22 de março e publicada no Diário Oficial da Justiça Eleitoral de 26 de março, decorrente da acusação de compra de votos na campanha do ano passado. Além da cassação, a decisão os tornou-os inelegíveis por oito anos e os condenou a pagar multa de R$ 10 mil.

O juiz Amaury da Silva Kuklinski, do Tribunal Regional Eleitoral (TRE), concedeu liminar no dia 4 de abril à prefeita Juliana Pereira Almeida, para que continuasse no cargo, anulando o despacho do juiz juiz Marcel Henry Batista de Arruda, da 15ª Zona Eleitoral, que tinha enviado ofício à presidenta da Câmara Municipal, Kátia Rôas (PSB), para que ela assumisse, interinamente, a chefia do Executivo.

Na sentença publicada na última segunda-feira (8), o juiz Marcel Henry Batista de Arruda, da 15ª Zona Eleitoral, ao decretar a perda do mandato da prefeita, também anulou os 5.865 votos atribuídos a ela na eleição passada, o que abriu caminho para que a segunda colocada na disputa, Marlene de Matos Bossay, que obteve 5.682 votos, assuma o cargo. Não haverá necessidade de nova eleição, pois a prefeita eleita não obteve mais de 50% dos votos.

A acusação foi de compra de votos. Segundo o juiz Marcel Henry ficou comprovado nos autos do processo, de 68 páginas, o “pagamento de diversos eleitores da Aldeia Lalima da quantia de R$ 70,00, com a finalidade única e específica de obter seus votos”. Tais compras de votos, segundo a decisão do juiz, foi com o “conhecimento ou anuência dos candidatos beneficiários com a prática do ato”

Envie seu Comentário
Os comentários feitos no Cassilândia News são moderados. Antes de escrever, observe as regras e seja criterioso ao expressar sua opinião. Não serão publicados comentários nas seguintes situações:

1. Sem o remetente identificado com nome, sobrenome e e-mail válido. Codinomes não serão aceitos.
2. Que não tenham relação clara com o conteúdo noticiado.
3. Que tenham teor calunioso, difamatório, injurioso, racista, de incitação à violência ou a qualquer ilegalidade.
4. Que tenham conteúdo que possa ser interpretado como de caráter preconceituoso ou discriminatório a pessoa ou grupo de pessoas.
5. Que contenham linguagem grosseira, obscena e/ou pornográfica.
6. Que transpareçam cunho comercial ou ainda que sejam pertencentes a correntes de qualquer espécie.
7. Que tenham característica de prática de spam.

O Cassilândia News não se responsabiliza pelos comentários dos internautas e se reserva o direito de, a qualquer tempo, e a seu exclusivo critério, retirar qualquer comentário que possa ser considerado contrário às regras definidas acima.
Restamcaracteres.
 
imagem transparente
Últimas notícias
Scroller Top
Sábado, 19 de Agosto de 2017
20:38
Para o fim de semana
10:00
Receita do dia
Sexta, 18 de Agosto de 2017
Quinta, 17 de Agosto de 2017
21:14
Loteria
Scroller Bottom

  • Idalus Internet Solutions
  • TOP DataCenter e Internet
  • Disponível na AppStore
  • Disponível no Google Play
Rua Sebastião Leal, 845, CEP: 79.540-000, Cassilândia (MS)