Cassilândia, Quarta-feira, 18 de Outubro de 2017

Últimas Notícias

24/02/2007 07:38

Juiz considera irregular tarifa básica de telefonia fixa

Humberto Marques/Campo Grande News

O juiz Dorival Moreira dos Santos, da Vara de Direitos Difusos, Coletivos e Individuais Homogêneos de Campo Grande, proferiu sentença nesta sexta-feira (23 de fevereiro) considerando ilegal a cobrança da tarifa básica mensal de telefonia fixa pelas operadoras do setor em Mato Grosso do Sul. A decisão foi tomada em resposta a ação civil pública assinada pelo Ministério Público Estadual e pela ABCCON (Associação Brasileira da Cidadania e do Consumidor), que pedia também a ilegalidade da tarifa básica da telefonia móvel e o ressarcimento dos valores pagos pelos consumidores – o que foi indeferido pelo magistrado.

O MPE e a ABCCON questionaram a legalidade da cobrança da tarifa básica mensal residencial e não residencial, alegando que as duas são contrárias ao Código de Defesa do Consumidor – por caracterizar “venda casada”, no caso levando o consumidor a adquirir a quantia de pulsos fixada pela empresa, mesmo que não se utilize dos serviços; além de vantagem manifestamente excessiva e prática de cobrança indevida.

Em sua defesa, as empresas citadas na ação sustentaram que a assinatura mensal é legal por haver “contraprestação ao consumidor, por meio da manutenção e disponibilização dos serviços de modo exclusivo”, ressaltando que o assinante que não faz chamadas é subsidiado pelos que fazem chamadas e consomem minutos. As operadoras rechaçaram a acusação sobre “venda casada”, sustentando que o plano básico de serviços difere dos planos alternativos; e que a cobrança de tarifa mínima “é acobertada pelo acordo de vontades, mediante expressa previsão contratual”.

Ao julgar o mérito da questão (a legalidade da tarifa básica), o juiz Moreira dos Santos considerou que a telefonia fixa é considerada serviço público essencial, afirmando que “não pairam dúvidas quanto à aplicação das normas do Código de Defesa do Consumidor” ao sistema de telefonia fixa. A cobrança, conforme o magistrado, “se apresenta ilegal, tendo em vista que é regida por normas do Código de Defesa do Consumidor, por se tratar de preço público por serviços prestados”.

Além disso, Santos argumentou que a cobrança da tarifa básica “retira do consumidor o direito de pagar apenas pelo que consumiu”. Em sua argumentação, ele disse que “a cobrança da tarifa básica mensal é prestação desproporcional, na medida em que o usuário paga por serviço que nem sempre utiliza, ou utiliza a menor”. O juiz determinou que, caso descumpram a decisão e mantenham a cobrança de tarifa básica mensal, a Brasil Telecom e a GVT deverão arcar com multa diária de R$ 1 mil, valores que serão revertidos ao Fundo Estadual de Defesa do Consumidor.

Celular – Já a respeito dos serviços de telefonia móvel, o juiz considerou que a cobrança de tarifa básica (pós-pago) é uma opção inversa ao serviço pré-pago – sem conta telefônica mensal. “Então, muda-se o foco de apreciação da prestação dos serviços mediante a cobrança da tarifa básica mensal, porquanto existe uma opção dada aos usuários para não pagarem a referida tarifa”.

Santos considerou que a prestação de serviço, nesse caso, é adequada por abrir “um leque de opções ao consumidor, de aderir a este ou aquele plano ofertado pela empresa de telefonia, com as vantagens e desvantagens de cada um”, obedecendo ao Código de Defesa do Consumidor. O juiz ressaltou que “o serviço pós-pago de telefonia móvel é considerado de interesse restrito, e não de interesse coletivo”.

Envie seu Comentário
Os comentários feitos no Cassilândia News são moderados. Antes de escrever, observe as regras e seja criterioso ao expressar sua opinião. Não serão publicados comentários nas seguintes situações:

1. Sem o remetente identificado com nome, sobrenome e e-mail válido. Codinomes não serão aceitos.
2. Que não tenham relação clara com o conteúdo noticiado.
3. Que tenham teor calunioso, difamatório, injurioso, racista, de incitação à violência ou a qualquer ilegalidade.
4. Que tenham conteúdo que possa ser interpretado como de caráter preconceituoso ou discriminatório a pessoa ou grupo de pessoas.
5. Que contenham linguagem grosseira, obscena e/ou pornográfica.
6. Que transpareçam cunho comercial ou ainda que sejam pertencentes a correntes de qualquer espécie.
7. Que tenham característica de prática de spam.

O Cassilândia News não se responsabiliza pelos comentários dos internautas e se reserva o direito de, a qualquer tempo, e a seu exclusivo critério, retirar qualquer comentário que possa ser considerado contrário às regras definidas acima.
Restamcaracteres.
 
imagem transparente
Últimas notícias
Scroller Top
Quarta, 18 de Outubro de 2017
Terça, 17 de Outubro de 2017
10:00
Receita do dia
Segunda, 16 de Outubro de 2017
10:00
Receita do dia
Scroller Bottom

  • Idalus Internet Solutions
  • TOP DataCenter e Internet
  • Disponível na AppStore
  • Disponível no Google Play
Rua Sebastião Leal, 845, CEP: 79.540-000, Cassilândia (MS)